Bolsonaro confirma que Brasil está a “espiar” o Sínodo sobre a Amazónia

| 3 Set 19

O Presidente brasileiro confirmou que a agência de segurança do país está a investigar a preparação do sínodo dos bispos: “Tem muita influência política”, justifica. Foto © Firmino Cachada

 

Os bispos brasileiros que vão participar no Sínodo sobre a Amazónia – que decorrerá no Vaticano, no mês de Outubro – divulgaram uma carta em que lamentam a forma como o Estado brasileiro os “criminalizou” e os tratou como “inimigos da pátria”. A hierarquia católica respondia deste modo, domingo, 1 de setembro, ao Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que confirmara na véspera que a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) está a monitorizar – o mesmo é dizer, investigar – a preparação do Sínodo.

Durante um almoço com jornalistas no quartel-general do exército, em Brasília, Bolsonaro afirmou, acerca do sínodo dos bispos católicos: “Tem muita influência política lá, sim.” O presidente brasileiro acrescentou que a agência de segurança investiga todos os grandes grupos, deixando implícita a ideia de que a iniciativa do Papa Francisco que decorrerá no Vaticano pode pôr em causa a soberania do Brasil.

Participam no Sínodo sobre a Amazónia, entre 6 e 27 de Outubro, bispos de nove países da América do Sul, 57 dos quais brasileiros. Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname, Venezuela e Guiana Francesa enviam igualmente representantes a este encontro com o Papa Francisco, para debater a ação da Igreja Católica naquela vasta área da América Latina. O Sínodo dos Bispos foi instituído pelo Papa Paulo VI, na sequência da realização do II Concílio do Vaticano.

Um dos temas em discussão no sínodo de outubro será a possibilidade da ordenação de homens casados na Amazónia – uma medida que, de acordo com o documento preparatório, será circunscrita àquela região. O texto de trabalho refere que essa decisão, a ser tomada, poderá abranger anciãos “indígenas, que sejam respeitados e aceites pelas suas comunidades, ainda que já tenham uma família constituída e estável”. E “terá a finalidade de assegurar os sacramentos que acompanham e sustentam a vida cristã”, nas áreas mais remotas da região, como cita o Público.

Ao mesmo tempo que avança a preparação para o encontro no Vaticano, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, está a avaliar a possibilidade de ocorrer uma reunião de líderes políticos da região amazónica, durante a próxima assembleia geral da ONU.

Para Guterres “a situação é muito séria”. Em declarações que concedeu à margem de uma conferência da ONU em Yokohama, o secretário-geral pediu “urgentemente” que “os recursos necessários sejam disponibilizados” para combater os incêndios. “Acredito que a comunidade internacional se deve mobilizar de modo firme para apoiar os países da Amazónia, com o objetivo de apagar os incêndios o mais rápido possível e, em seguida, lançar uma política completa de reflorestamento”, explicou o secretário-geral da ONU, citado na página digital da Unisinos.

A pressão internacional, combinada com o exaltado nacionalismo e a grande preocupação com a soberania da Amazónia, têm sido apontadas como alguns fatores que levaram a administração de Bolsonaro a colocar-se na defensiva. Nas reações internacionais, também tem sido notórias a preocupação e indignação com a dimensão dos incêndios florestais na Amazónia, potenciados pelas decisões de cortar fundos para a fiscalização na floresta, tomadas pelo atual Governo brasileiro.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres novidade

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo novidade

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Governo português decreta que imigrantes passam a estar em situação regular

O Governo português decretou que, a partir de 18 de Março (dia da declaração do Estado de Emergência Nacional), todos os imigrantes e requerentes de asilo que tivessem pedidos de autorização de residência pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) passam a estar em situação regular, com os mesmos direitos que todos os outros cidadãos, incluindo nos apoios sociais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

As circunstâncias fazem os grandes líderes. Cá estão elas.

Faço parte de uma geração que reclama grandes líderes. Não tenho muitas dúvidas que esta reclamação é de quem vive num certo conforto. Não tive um Churchill porque não passei por uma grande guerra. Não tive um Schuman porque não era vivo quando a Europa esteve em cacos. Não tive um Sá Carneiro, Freitas do Amaral ou Mário Soares porque não era vivo quando Portugal ainda só sonhava com uma Democracia plena e funcional.

Cultura e artes

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco