Bolsonaro veta obrigação do governo de assegurar água potável e ajuda hospitalar a indígenas durante a pandemia

| 10 Jul 20

O governo de Bolsonaro é acusado de _condenar à morte_ as populações indígenas. Foto_ APIB.

O governo de Bolsonaro é acusado de condenar à morte as populações indígenas. Foto © APIB.

 

 

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, vetou esta quarta-feira, 8 de julho, um projeto de lei aprovado pela Câmara de Deputados e pelo Senado federal, que previa medidas de apoio urgentes para os povos indígenas durante a pandemia. Entre estas medidas, incluíam-se a obrigação de o Governo assegurar “acesso a água potável” e garantir “a oferta emergencial de camas hospitalares e de terapia intensiva” a estas populações. O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) expressou o seu “repúdio” pelo “preconceito, o ódio e a violência do atual Governo em relação aos povos indígenas” e um grupo de organizações não governametais (ONG) já levou o tema às Nações Unidas.

O projeto de lei previa também a “distribuição gratuita de materiais de higiene, limpeza e de desinfeção nas aldeias” indígenas e a compra de “ventiladores e máquinas de oxigenação sanguínea” para essas comunidades. De acordo com o executivo, essas e outras medidas foram vetadas porque criam “despesa obrigatória” sem demonstrar o “respetivo impacto orçamental e financeiro, o que seria inconstitucional”, avança a edição brasileira do El País.

Segundo o Cimi, organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a justificação “é desmentida” pela recente aprovação do chamado “orçamento de guerra”, o qual “autoriza os gastos necessários para combater a crise gerada pela nova pandemia de coronavírus”, como se pode ler numa nota publicada no site da organização.

“O presidente também desrespeita o Congresso Nacional ao vetar uma lei já aprovada quase por unanimidade, inclusive por partidos da sua base de sustentação. Essa postura presidencial demonstra total insensibilidade à situação de vulnerabilidade de milhares de famílias indígenas, quilombolas e das comunidades tradicionais em todo o território nacional, nesta grave crise condenadas à morte”, afirma o Cimi.

Uma delegação composta por representantes de várias ONG de defesa da Amazónia e dos povos indígenas, entre as quais a Rede Eclesial Pan Amazónica e o Instituto de Pesquisa e Formação Indígena, denunciou esta quinta-feira, na Organização das Nações Unidas (ONU), as sanções decretadas por Bolsonaro.

O Governo Federal “vetou aspetos essenciais do plano de emergência indígena para a covid-19, como o acesso à água”, sublinharam, após a apresentação do estudo sobre as alterações climáticas, integrada na 44ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em que criticaram ainda o governo brasileiro por ser o “líder do ceticismo climático” no mundo.

 

Artigos relacionados

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

Missionário em Timor

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

O padre João Felgueiras, padre jesuíta e missionário em Timor-Leste desde 1971, atravessou a época colonial portuguesa (até 1975), a ocupação indonésia (1975-1999) e os anos da independência (2002 até hoje). Completando 100 anos neste 9 de Junho (viveu 50 anos em Portugal e outros 50 em Timor-Leste), o jesuíta foi o centro de uma pequena homenagem em Díli, que incluiu a publicação de um livro com vários depoimentos. Dele se extraem vários elementos que a seguir se coligem acerca da vida deste homem e padre que, durante a ocupação indonésia, apoiou a resistência timorense e que chegou a enviar recados para os políticos portugueses (ver texto de Adelino Gomes no final).  

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Ano de S. José em Coimbra

Dia do Ambiente assinalado com plantação de cedro do Líbano

A Paróquia de S. José, em Coimbra assinalou, no passado sábado, o Dia Mundial do Ambiente com a plantação de um Cedro do Líbano no jardim junto à igreja.  Um momento que contou com a presença de Helena Freitas, professora do Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, e de um grupo de crianças da catequese, do Grupo ASJ – Adolescentes de São José e de vários paroquianos.

Vaticano

Papa “magoado” com restos mortais de 215 crianças no Canadá

O Papa Francisco confessou-se magoado com a descoberta dos restos mortais de 215 crianças numa antiga escola católica para crianças indígenas no Canadá, pedindo respeito pelos direitos e culturas dos povos nativos. No entanto, não apresentou um pedido de desculpas, como pretendem o Governo daquele país e dirigentes de comunidades autóctones.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Moçambique

Ventos, baladas e canções do matrimónio

Tive que escrever um texto sobre Balada de Amor ao Vento, o primeiro romance da primeira romancista moçambicana, Paulina Chiziane. Folheando o livro, encontrei algumas anotações feitas, há algum tempo. Tenho o hábito de borrar nos meus livros, com os pensamentos que me ocorrem, no momento da leitura.

Futebol

A república do ludopédio

Os ingleses inventaram o ludopédio (futebol) e continuam a driblar-nos com ele. Mas isso só é possível porque persistimos em ser provincianos. Deslumbramo-nos com tudo o que vem de fora e nem sequer nos damos ao respeito.

Cultura e artes

Livro

As casas e os espaços dos primeiros cristãos novidade

Esta obra apresenta uma coletânea de textos dos quatro primeiros séculos sobre os espaços que os cristãos criaram para celebrar a sua fé, desde homilias a catequeses pascais, de cartas a escritos teológicos. O leitor é introduzido neste património literário por um amplo estudo de Isidro Lamelas.

Concerto em Lisboa

Música de Pärt e Teixeira para um tempo de confiança

Hinário para um tempo de confiança, obra musical de Alfredo Teixeira, sobre textos de frei José Augusto Mourão, e The Beatitudes (As bem-aventuranças), do estoniano Arvo Pärt, raramente interpretada em Portugal, são as duas peças que marcam o regresso do Ensemble São Tomás de Aquino à sua temporada de concertos, neste sábado, 5 de Junho, às 21h, na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino (R. Virgílio Correia, em Lisboa).

Dia Mundial dos Oceanos

“Ilhas de Plástico” no rio Minho apelam à luta ambiental

Artista idealizou como metáfora do tempo um conjunto de 24 esculturas esféricas de grande dimensão forradas com materiais de plástico, garrafas de água, tubos de diferentes cores e feitios idênticos aos utilizados na construção civil. Unidas entre si formam uma mega-instalação flutuante e ondulante, atractiva, pedagógica, capaz de provocar olhares desencontrados. No próximo dia 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos, estará fundeada no rio Minho.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco