Bolsonaro veta obrigação do governo de assegurar água potável e ajuda hospitalar a indígenas durante a pandemia

| 10 Jul 20

O governo de Bolsonaro é acusado de _condenar à morte_ as populações indígenas. Foto_ APIB.

O governo de Bolsonaro é acusado de condenar à morte as populações indígenas. Foto © APIB.

 

 

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, vetou esta quarta-feira, 8 de julho, um projeto de lei aprovado pela Câmara de Deputados e pelo Senado federal, que previa medidas de apoio urgentes para os povos indígenas durante a pandemia. Entre estas medidas, incluíam-se a obrigação de o Governo assegurar “acesso a água potável” e garantir “a oferta emergencial de camas hospitalares e de terapia intensiva” a estas populações. O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) expressou o seu “repúdio” pelo “preconceito, o ódio e a violência do atual Governo em relação aos povos indígenas” e um grupo de organizações não governametais (ONG) já levou o tema às Nações Unidas.

O projeto de lei previa também a “distribuição gratuita de materiais de higiene, limpeza e de desinfeção nas aldeias” indígenas e a compra de “ventiladores e máquinas de oxigenação sanguínea” para essas comunidades. De acordo com o executivo, essas e outras medidas foram vetadas porque criam “despesa obrigatória” sem demonstrar o “respetivo impacto orçamental e financeiro, o que seria inconstitucional”, avança a edição brasileira do El País.

Segundo o Cimi, organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a justificação “é desmentida” pela recente aprovação do chamado “orçamento de guerra”, o qual “autoriza os gastos necessários para combater a crise gerada pela nova pandemia de coronavírus”, como se pode ler numa nota publicada no site da organização.

“O presidente também desrespeita o Congresso Nacional ao vetar uma lei já aprovada quase por unanimidade, inclusive por partidos da sua base de sustentação. Essa postura presidencial demonstra total insensibilidade à situação de vulnerabilidade de milhares de famílias indígenas, quilombolas e das comunidades tradicionais em todo o território nacional, nesta grave crise condenadas à morte”, afirma o Cimi.

Uma delegação composta por representantes de várias ONG de defesa da Amazónia e dos povos indígenas, entre as quais a Rede Eclesial Pan Amazónica e o Instituto de Pesquisa e Formação Indígena, denunciou esta quinta-feira, na Organização das Nações Unidas (ONU), as sanções decretadas por Bolsonaro.

O Governo Federal “vetou aspetos essenciais do plano de emergência indígena para a covid-19, como o acesso à água”, sublinharam, após a apresentação do estudo sobre as alterações climáticas, integrada na 44ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em que criticaram ainda o governo brasileiro por ser o “líder do ceticismo climático” no mundo.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Jovens portugueses recebem símbolos da JMJ

Uma dezena de jovens portugueses estarão no Vaticano, no próximo domingo, 22 de Novembro, dia em que a Igreja Católica celebra a liturgia de Cristo Rei, para receber os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ): a cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani – informou o comité local da JMJ.

Rita Valadas nomeada como nova presidente da Cáritas Portuguesa

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) nomeou neste sábado, 14 de Novembro, uma nova presidente para a Cáritas Portuguesa: Rita Valadas, que já integrou a direcção da instituição num dos últimos mandatos, sucede no cargo a Eugénio Fonseca, anunciou a CEP no final da sua assembleia plenária, que decorreu em Fátima desde quarta-feira.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Entre margens

Bater o coração com novas músicas de Abril novidade

Sempre sonhei acordada: como seria se eu tivesse nascido e vivido antes do 25 de Abril? O que faria, que personagem era, quem seria eu dentro de um estado onde parte das minhas liberdades, direitos e garantias eram reduzidos ou inexistentes, se não tivesse a liberdade de conversar com quem eu queria, sobre o que queria? Ou ouvir qualquer tipo de música que me agrada e me faz pensar, ler os livros que bem entendo, dar a minha opinião acerca do que me rodeia?

Gonçalo – o jardineiro de Deus

Gonçalo Ribeiro Telles foi um católico inconformista e determinado. Subscreveu em 1959 e 1965 três importantes documentos de católicos em denúncia da ausência de liberdade, da censura, e da repressão, arcando com as consequências de uma tal ousadia. Os textos de 1959 intitulavam-se significativamente: “As relações entre a Igreja e o Estado e a liberdade dos católicos” e “Carta a Salazar sobre os serviços de repressão do regime”; ambos tinham como primeiros subscritores os Padres Abel Varzim e Adriano Botelho.

Ignorância útil

A disciplina de Cidadania e Desenvolvimento está nas escolas portuguesas desde 2018. No entanto, foi há cerca de dois meses que se levantou uma grande polémica em relação à obrigatoriedade da mesma, colocando em causa o papel do Estado na educação de matérias da responsabilidade educativa das famílias, tais como a Educação para os Direitos Humanos, a Educação Rodoviária, a Educação para a Igualdade de Género, a Educação Financeira, entre outras. 

Cultura e artes

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Bonhoeffer, teólogo e resistente ao nazismo

O autor desta obra, escritor e historiador italiano, descreve pormenorizadamente o processo espiritual de um homem religioso do luteranismo alemão, Dietrich Bonhoeffer (1906-1945). Viveu na trágica situação da Europa antes da II Guerra Mundial, a ascensão do nazismo e do racismo anti-semita que colocou como objectivo final o extermínio total dos judeus: cerca de seis milhões de judeus foram massacrados; ciganos sinti e rom – entre 250 a 500 mil, além de muitos milhares de outros homens e mulheres.

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco