Bonhoeffer, teólogo e resistente ao nazismo

| 17 Nov 2020

“A Igreja só é Igreja se existe para os outros… só quem levanta a voz em defesa dos judeus se pode permitir cantar em gregoriano.” (Dietrich Bonhoeffer)

 

O autor desta obra, escritor e historiador italiano, descreve pormenorizadamente o processo espiritual de um homem religioso do luteranismo alemão, Dietrich Bonhoeffer (1906-1945). Viveu na trágica situação da Europa antes da II Guerra Mundial, a ascensão do nazismo e do racismo anti-semita que colocou como objectivo final o extermínio total dos judeus: cerca de seis milhões de judeus foram massacrados; ciganos sinti e rom – entre 250 a 500 mil, além de muitos milhares de outros homens e mulheres.

Pertencente a uma família da velha aristocracia alemã, Dietrich Bonhoeffer tinha 12 anos, quando Walter, o irmão mais velho, foi morto na frente da I Guerra Mundial; os pais vestem-se de luto durante muito tempo. Aos 14 anos, decide tornar-se teólogo. Faz a licenciatura em Tubinga, defende a tese de doutoramento em Berlim e torna-se aí docente, na faculdade de Teologia.

Toma parte da reflexão num período importante do luteranismo alemão. Apresenta uma postura crítica, frente à prática religiosa e aprofunda o ecumenismo: “Deus só pode ser entendido à luz da Igreja em Jesus Cristo; esta é a presença corpórea de Jesus, morto, ressuscitado e glorificado. Com ele, restabelece-se a comunhão com Deus e é restaurada a comunhão entre os homens.”

“A mística cristã não pode ser uma mística de olhos fechados. É uma mística de olhos bem abertos… uma mística militante.”

Bonhoeffer continua os estudos em Nova Iorque, no Union Theological Seminary, em 1931: escuta com emoção os cânticos gospel negros e admira a participação das pessoas nas celebrações. Torna-se amigo do pastor luterano Jean Lasserre que o converte ao pacifismo que será a sua bandeira no ensino, assim como o ecumenismo. Torna-se conferencista, pela Europa, unindo os jovens pela paz mundial.

 

“Aqueles que se divinizam a si mesmos, escarnecem de Deus.”

Em 1933, Hitler ascende ao poder. A maioria do protestantismo alemão adere aos seus discursos, pois ele promete mudar rapidamente a situação económica do país, derrotado na I Guerra; instiga o medo do comunismo, associando-o aos judeus: “Um só Reich! Um só Deus! Um só Povo! Uma só Igreja!” Depois, é organizado um avassalador pogrom em Berlim, na chamada Noite de Cristal, no meio da apatia e indiferença geral.

São excluídos do corpo pastoral e da função pública as pessoas com descendência judia e pretende-se excluir o Antigo Testamento.

“Carregai as cargas uns dos outros e assim cumprireis plenamente a Lei de Cristo” (Gl 6, 2).

Uma minoria do luteranismo alemão organiza-se em volta da Igreja Confessante. Aqui, Bonhoeffer, em 1935, organiza seminários em lugares remotos, junto à natureza, para a formação de jovens pastores. Mas a Gestapo encerra, destrói os espaços e considera ilegais as ordenações. Os jovens serão levados para a frente de guerra; a maioria deles é morta em combate. Em 1936, Bonhoeffer é expulso do ensino de Teologia.

Dietrich segue para os Estados Unidos. Terá lá lugar como professor, mas três semanas depois, regressa à Alemanha. Conclui que abandonou o povo alemão, fascinado “pela demoníaca capacidade sedutora de Hitler que usa Deus para os seus fins… parece-lhe necessário intervir inclusive em termos drásticos e dramáticos – superando o pacifismo – mesmo que isso lhe dilacere a consciência”. Interroga-se, hesita, mas conclui que deve agir.

“Quando um louco lança o seu automóvel sobre o passeio, eu, como pastor, não me posso contentar em apenas enterrar os mortos e consolar as famílias. Se me encontro nesse lugar, devo saltar e agarrar o condutor, sentado ao volante.”

Em 1934, é colocado à frente do Abwher – os serviços secretos militares alemães – o almirante W. Canaris que “detesta particularmente o nazismo… e o totalitarismo”. Como foi possível este homem ter estado neste posto crucial? Por vezes, geram-se nos sistemas políticos “contradições internas e fissuras imprevistas”. Assim, dentro do próprio Abwer, há um grupo importante de conjurados que planearão um atentado contra Hitler. Bonhoeffer entra para estes Serviços secretos e junta-se a outros famosos agentes, “organizando um círculo de resistência militar activa na Europa”.

 

“Deus revelou-se plenamente na cruz…assim deve também fazer o cristão.”

A mãe de Dietrich Bonhoeffer com os seus filhos. Foto: Direitos reservados.

 

A 10 de janeiro de 1942, chefes nazis de topo decidem a Solução Final: extermínio total dos judeus europeus. Em 1943, Bonhoeffer e outro agente secreto pretendem ir ao Vaticano, a fim de conduzir negociações secretas com Pio XII. Mas é preso pela Gestapo. Na prisão dedica-se à escrita; recebe visitas da noiva, Maria von Wedmeyer, preocupa-se com os outros prisioneiros. É aqui que Bonhoeffer se convence “que o cristão deve estar no mundo, mas não ser do mundo… deve ser para os outros…”

Em Julho de 1944, a conspiração de militares organizada no Abwher, executa o atentado contra o Führer, numa reunião. A bomba mata quatro homens, fere outros, mas Hitler escapa. Goebbels fica com plenos poderes para “restabelecer a ordem”. Segue-se a matança num processo refinado de crueldade.

Depois do golpe falhado, Bonhoeffer é transferido para várias prisões, até ser sentenciado à morte, com o corpo nu, por enforcamento, por ser considerado um réu de altatraição, juntamente com outros dignitários do Abwehr. “Depois o corpo é suspenso de um gancho de ferro fixo na parede; mais tarde, os corpos dos enforcados são queimados, misturando-se com as cinzas de milhares de outras vítimas.”

«A Igreja ficou muda quando deveria gritar, porque o sangue dos inocentes clamava ao céu» (Bonhoeffer, Ética, ed. port. Assírio & Alvim).

Segue-se uma cortina de esquecimento destes factos. Nos anos 50, o oficial responsável pelo enforcamento foi absolvido por um tribunal. Só em 1996 um tribunal de Berlim, por requerimento de um grupo de estudantes, anulou esse julgamento. Só em 1999, após a reunificação alemã, centenas de ruas e praças recordam os conjurados anti-hitlerianos. A partir de 1970, verificou-se o interesse por este pastor luterano, no mundo e na Alemanha. Na verdade, “o seu itinerário espiritual atesta cada vez mais a actualidade do seu pensamento enquanto cristão e cidadão”.

 

Dietrich Bonhoeffer Teólogo e Mártir do Nazismo, de Giorgio Cavalleri.
Paulinas Editora, 2019; 160 páginas; 13,50 euros

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This