Bons vizinhos em casas que substituem lares

| 7 Mar 21

Há quem lhe chame aldeia social, há quem as conheça como “casinhas autónomas.” Concebidas como alternativa aos lares, são dez casas pré-fabricadas de madeira, construídas no mesmo espaço, junto umas das outras, perto de um jardim e de um pinhal, em Mourisca do Vouga (Águeda, distrito de Aveiro). Ali habitam 19 idosos que encontraram, em liberdade, qualidade de vida e um saudável espírito de vizinhança.

Os Pioneiros proporcionam vidas em autonomia para idosos. Foto © Direitos Reservados

 

O projeto, da associação “Os Pioneiros”, nasceu há sete anos quando procuravam uma resposta para a situação de um sem-abrigo. Depois, surgiu o caso de um casal sem retaguarda familiar, mas ainda com capacidade para ”ter uma vida normal e autónoma”, conta José Carlos Arede, presidente da direção de “Os Pioneiros”. Era preciso encontrar uma “resposta diferenciada” para estas pessoas ainda ativas em alternativa aos lares, onde “80% dos idosos estão acamados, muito fragilizados e sem autonomia”. Muitos lares funcionam praticamente como unidades de cuidados continuados, segundo José Carlos Arede e “não faz sentido colocar lá pessoas saudáveis, só por causa da idade”, diz.

Nenhum dos habitantes das “casinhas” tem vontade de ir para um lar, refere Arede. Ali, sentem-se como na sua própria casa, conhecem-se todos e agem num espírito de entreajuda.

Este modelo tem-se revelado um “sucesso” nesta época de pandemia, sem que um único caso de covid–19 fosse ali detetado. O presidente de “Os Pioneiros” explica: “Enquanto nos lares estão todos amontoados, aqui não”.

A instituição garante refeições e roupa lavada e ainda acesso a cuidados médicos. “Cada um paga o que pode, conforme os rendimentos, o nosso projeto não pretende ser elitista”, diz. Como a população que serve é, na sua maioria, uma população rural ou operária de baixos rendimentos, a gestão tem de ser “criteriosa” e adaptada a esta realidade.”

Além das casas, “Os Pioneiros” – instituição que nasceu de uma associação de pais diante da necessidade de apoiar as suas crianças depois da saída da escola –, oferece ainda respostas na área da primeira infância, com uma creche, e na da deficiência, com uma residência.

 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This