Breves considerações sobre a “filosofia de género”

| 6 Mai 19 | Entre Margens, Últimas

Nas margens da filosofia (IV)

De 2009 a 2013 coordenei um projecto de investigação intitulado As Mulheres na Filosofia. No mesmo período leccionei na FLUL cadeiras ligadas à Filosofia de Género. É pois com alguma estranhezaque constato a visão negativa que por vezes acompanha esta temática. Daí entender que vale a pena tecer sobre ela algumas considerações.

O termo género é frequentemente utilizado como uma categoria de análise nas filosofias feministas. Trata-se de um conceito que começou por ser  perspectivado na sua oposição ao sexo. Este tinha a ver com o biológico e, até meados do século XX, consideravam-se distintamente dois sexos no universo humano – mulheres e homens. Hoje as mutações sociais e culturais, bem como o desenvolvimento da biologia e da medicina, introduziram  alterações nessa fronteira, surgindo novas categorias que  a abalaram – os homossexuais, as lésbicas, os trans-sexuais, entraram no discurso quotidiano e no universo científico, originando uma imensidade de escritos relativos às suas diferenças, à sua situação e aos seus direitos.

Na visão dicotómica sexo/género, dominante nos primeiros anos dos Women Studies,[1]o termo sexo aplica-se ao biológico enquanto o género diz respeito a uma construção intelectual. O facto de se ter nascido com um determinado sexo levaria a um determinado tipo de comportamento socialmente esperado e aceite como “normal”. Nos estudos feministas, o género começa por ser esse conjunto de expectativas e estereótipos associados a conceitos de identidade, de alteridade e de diferença. A luta inicial das “Teorias de Género” orienta-se pelo conceito de igualdade, denunciando o carácter artificial e discriminatório de muitas normas sociais.

Os primeiros tempos das filosofias feministas são fortemente reivindicativos. Luta-se por uma alteração do sistema, o que implica mudar hábitos e derrubar tabus, libertando as mulheres do lugar secundário a que as diferentes sociedades as relegaram.

A partir dos anos oitenta do século passado, as teorias feministas ganham novo rumo – a luta pela igualdade alterna com a reivindicação da diferença, valorizando-se a especificidade comportamental de homens e de mulheres. Surge o “Feminismo de segunda vaga”, com as suas críticas à identificação do sexo a partir do dado biológico e  ao conceito de género pelo recurso ao factor social. É um posicionamento que atende à alteração da biologia a partir de parâmetros culturais visto admitir que o corpo também é  uma construção cultural, onde a vivência do mesmo desempenha um papel relevante. Daí não poder ser encarado de um ponto de vista exclusivamente biológico.

O conceito de género dominante na época inicial dos Women Studies foi fortemente influenciado por académicas americanas que trabalharam este tema. A denúncia do modelo WASP (white, anglosaxon, protestant) marca uma nova etapa e  simultaneamente chama a atenção para o cada vez maior grupo de pessoas que assumem identidades próprias para além do universo masculino e feminino. Estatutos novos como os de gays, lésbicas, queer, travestis, transexuais começam a ser estudados e integrados de pleno direito nas filosofias feministas.

A abertura a estas novas identidades leva a uma mudança no conceito de género. Este deixa cair a inicial demarcação relativamente ao sexo, passando a aplicar-se ao estudo das relações entre homens e mulheres e a todas as formas de hetero e de homossexualidade. Na chamada “pós-modernidade”, a diferença sexual perde a sua força e torna-se um elemento a considerar entre outros. Desconstroem-se os conceitos de sexo e de género e começa-se a falar da “subjectividade para além do género”. Como nos diz Judith Butler em Gender Trouble[2]o género torna-se fonte de perturbação e causador de conflitos. Butler promove um ataque cerrado a uma possível identidade feminina e pretende mostrar o que há de político em certas designações como “masculino” e “feminino”. Para ela, ser mulher (ou melhor fêmea, female), é uma performance cultural. É através de actos performativos que o corpo se afirma e que os sexos se definem. O “género” nada mais é do que performance.

O combate empreendido por esta filósofa abre novas perspectivas à causa das mulheres, mostrando que uma heterossexualidade rígida contraria as próprias pretensões do direito à diferença, tornando-se, como tal, inimiga de uma política feminista. Perguntamo-nos, no entanto, se este posicionamento que  recusa qualquer tipo de essencialismos, apresentando-se como defensor da diversidade, não acarretará também efeitos perversos. Um deles é a dificuldade em colocar os estudos feministas num registo científico pois, como sabemos, a abstracção é uma exigência da investigação científica e esta trabalha com conceitos e não com indivíduos particulares, apoia-se em generalidades e não em desvios. Outra consequência não menos grave para a causa das mulheres é o facto de a sua luta perder um sujeito: se não se pode falar de um sujeito feminino, em nome de quê ou de quem se propõem reivindicações e se contestam  injustiças? Privando as mulheres das características que lhes são próprias, enfraquece-se simultaneamente os direitos que lhes são devidos e  nega-se a especificidade dos abusos que contra elas se cometem, pelo facto precisamente de  serem mulheres. A violência doméstica, os abusos sexuais, as violações, etc. passam a ser classificados como ofensas corporais. As regalias concedidas às mulheres  no desempenho de certas funções especificamente femininas como a maternidade ou a amamentação deixam de ter sentido.

Levadas às suas últimas consequências, as teorias exemplificativas de um feminismo para além do género, poderão conduzir ao silenciamento da luta pela emancipação da mulher. Daí alertarmos para que não se confunda a parte com o todo. Ao criticar genericamente a filosofia de género esquecemos a multiplicidade das suas diferentes orientações bem como o contributo das mesmas para uma visão mais justa da condição feminina.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa; correio electrónico: luisarife@sapo.pt

 

[1]Dado que este estudo ganhou grande relevo com as feministas americanas, o termo inglês manteve-se em muitos países onde esta temática se cultiva.

[2]Judith Butler, Gender Trouble. Feminism and the Subversion of Identity, New York, Routledge, 1990.

Artigos relacionados

Editorial 7M – Um dia feliz

Editorial 7M – Um dia feliz

Hoje é dia de alegria para os católicos e para todos os homens e mulheres de boa vontade. Em São Pedro, um homem que encarna e simboliza boa parte do programa de Francisco para a Igreja Católica recebe as insígnias cardinalícias. É português, mas essa é apenas uma condição que explica a nossa amizade e não é a fonte principal da alegria que marca o dia de hoje. José Tolentino Mendonça é feito cardeal por ser poeta, homem de acolhimento e diálogo. E, claro, por ser crente.

Apoie o 7 Margens

Breves

Astérix inclui protagonista feminina que se assemelha a Greta no seu novo álbum novidade

Astérix e Obélix, dois dos nomes mais icónicos da banda desenhada franco-belga, regressam no 38º álbum da dupla, que celebra igualmente os 60 anos da série criada em 1959 por Albert Uderzo e René Goscinny. Nesta história, há uma nova personagem: Adrenalina, filha desconhecida do lendário guerreiro gaulês Vercingétorix, que introduz o tema das diferenças entre gerações.

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

A beleza num livro de aforismos de Tolentino Mendonça

Um novo livro do novo cardeal português foi ontem posto à venda. Uma Beleza Que nos Pertence é uma colecção de aforismos e citações, retirados dos seus outros livros de ensaio e crónicas, “acerca do sentido da vida, a beleza das coisas, a presença de Deus, as dúvidas e as incertezas espirituais dos nossos dias”, segundo a nota de imprensa da editora Quetzal.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco