Brincar com a claridade e a escuridão

| 18 Ago 20

 

“Creio que o filme evoca, subtilmente, que há algo que nos transcende enquanto seres humanos. Talvez seja o hálito divino. Na Galiza, a natureza é forte, está todos os dias a dizer-nos que somos pequenos.”

Estas são palavras de Olivier Laxe, o realizador galego – ainda que radicado em França – acerca do seu filme O Que Arde, publicadas no suplemento ípsilon, do jornal Público, de 17 de Julho último.

Estamos em Agosto, como quase sempre – e às vezes de maneira muito dramática – já com imagens de incêndios que matam pessoas, destroem casas e floresta, deixando nas vidas e na terra cicatrizes bem fundas e difíceis de apagar.

É acerca disso que o filme se debruça, quase como se não fosse mais do que um documentário sobre esse grito dos homens e da terra impotentes para parar essa força destruidora. O próprio realizador diz também: “Sim, é um filme sobre o campo – um gemido de orfandade, um grito do campo.”

O Que arde, depois de uma espécie de introito em que um buldózer vai derrubando eucaliptos (é importante referir que é noite cerrada, porque o efeito luminoso é grande), começa a sua história com a libertação de um homem – Amador – após cumprir a sua pena na prisão, por ser um pirómano. É um homem de rosto duro e triste, muito pouco falador, que regressa à sua aldeia, à sua casa, onde vive a mãe já vergada pelo peso da idade, mas ainda muito activa e forte a cuidar do gado e dos campos. É um dia também triste. Chove e está um céu fechado. Depois de sair da camioneta, um vizinho ainda lhe oferece boleia, mas ele prefere ir a pé. Assim não é obrigado a falar e sempre pode ir ruminando os seus pensamentos.

Chegado a casa, com frio e chuva, Amador vai começar a fazer os trabalhos necessários, sempre muito sozinho (às vezes com a mãe a quem ama filialmente e com uma grande dedicação e ternura), sem nunca dar sinais de que quer restabelecer as ligações com os vizinhos que andam ocupados em recuperar algumas casas velhas para serem turismo de habitação. Chegam mesmo a convidá-lo para trabalhar com eles, mas ele recusa manifestando o seu desagrado com a possível vinda de pessoas estranhas para aquelas paragens.

Para quem conhece o campo e gosta da vida rural ou com ela tem algumas afinidades, este tempo do filme é magnífico pela sua verdade, autenticidade, e até mesmo alguma brutalidade: aquelas árvores rugosas e molhadas, a água que corre, a lama, o gado que sai para pastar, a vaca que cai numa poça e a dificuldade de a retirar… Tudo isso entra pelos olhos dentro de maneira muito intensa.

No entretanto, ainda há uma veterinária que vem tratar de uma vaca, que parece não ficar indiferente diante daquele homem, mas Amador não é homem de muitas palavras, muito menos de abrir o coração. Aquele regresso depois da prisão pesa muito e nós ficamos sem saber o que pensa e que quer da vida aquele homem ensimesmado.

E volta a acontecer o pior. É Verão, e um dia, quando ele regressa de uma cidade próxima onde foi buscar medicamentos para a vaca e até reencontra a veterinária no bar, cruza-se com o carro dos bombeiros. Tinha começado um fogo. Agora, o filme incendeia-se e mostra toda aquela luta desigual e perigosa com o lume que faz arder tudo. Diz o realizador (natural daquela aldeia onde filmou um incêndio real – não há fabricação de efeitos especiais) que o incêndio é uma metáfora: “O lume é mais um espelho. Algo que faz com que as emoções expludam, no final do filme.”

Não parece que tenha sido Amador a incendiar de novo. A verdade é que, dominado o incêndio, ao encontrá-lo, aquele vizinho que lhe tinha oferecido boleia no início, que o tinha convidado para ajudar na recuperação das casas, juntamente com outros, se atiram logo a ele para lhe bater. Para eles, era o culpado de toda aquela desgraça.

Não saberemos. Sabemos apenas que “não é um filme que dê respostas: a natureza humana é complexa, contraditória, paradoxal. Estamos habituados a que, pelo final do filme, haja os bons e os maus. Mas aqui, não, é como na vida: há complexidade, porque somos complexos”.

Falta só dizer, como facilmente percebe quem for ver o filme, que os actores – nomeadamente Amador e Benedicta – não são profissionais. O que torna o filme ainda mais autêntico.

 

O Que Arde, de Olivier Laxe
Com Amador Arias, Benedicta Sánchez e Inazio Abrao
Drama, M/11; Esp/Fra., 2019; Cores, 90 min.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Antigo engenheiro militar sucede a Barbarin como arcebispo de Lyon

O Papa nomeou esta quinta-feira, 22 de outubro, Olivier de Germay, até agora bispo de Ajaccio (na Córsega), como novo arcebispo de Lyon. Está assim encontrado o sucessor do cardeal Philippe Barbarin, cuja renúncia tinha sido aceite por Francisco em março deste ano. 

Declarações do Papa sobre homossexuais “não afetam a doutrina da Igreja”, dizem bispos portugueses

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) considera que as declarações do Papa sobre a proteção legal a uniões de pessoas do mesmo sexo “não afetam a doutrina da Igreja” sobre o matrimónio. Em nota enviada à agência Ecclesia esta quarta-feira, 22, os bispos portugueses sublinham que as afirmações de Francisco contidas no novo documentário “Francesco” já eram conhecidas anteriormente e “revelam a atenção constante do Papa às necessidades reais da vida concreta das pessoas”.

Índia: Bispos fazem greve de fome em defesa das escolas cristãs

Três bispos católicos fizeram greve de fome na passada terça-feira, 20 de outubro, diante da Secretaria de Estado de Kerala (um dos 28 estados indianos), para reivindicar o cumprimento dos direitos constitucionais das escolas cristãs no país, divulgou a UCA News.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Luto nacional a 2 de novembro, missa pelas vítimas da pandemia no dia 14

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira, 22, o decreto que declara a próxima segunda-feira, 2 de novembro, dia de luto nacional “como forma de prestar homenagem a todos os falecidos, em especial às vítimas da pandemia”. No próximo dia 14 de novembro, será a vez de a Conferência Episcopal Portuguesa celebrar uma eucaristia de sufrágio pelas pessoas que já faleceram devido à covid-19 no nosso país.

Camarões: Padre jesuíta detido por fazer uma peregrinação a pé

Ludovic Lado, um padre jesuíta que se preparava para iniciar, sozinho e a pé, uma “peregrinação pela paz” entre as cidades de Japoma e Yaoundé, capital dos Camarões, foi detido pela polícia, que o acusou de estar a praticar uma “atividade ilegal na via pública”. O padre foi depois submetido a um interrogatório, onde o questionaram sobre eventuais motivações políticas e lhe perguntaram especificamente se era apoiante do líder da oposição, Maurice Kamto.

Twitter segue exemplo do Facebook e proíbe negação do Holocausto

Depois do Facebook, agora foi a vez de o Twitter banir da sua rede social conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto. “Condenamos fortemente o antissemitismo e a conduta de ódio não tem lugar absolutamente  nenhum no nosso serviço”, afirmou um porta-voz da empresa em comunicado à imprensa. O responsável garantiu também que irão agir “contra conteúdos que glorifiquem ou elogiem atos históricos de violência e genocídio, incluindo o Holocausto”.

Entre margens

… E as Cuidadoras? novidade

Durante o confinamento reli um livro de que muito gosto, “Passagens” de Teolinda Gersão, que ganhou o Prémio Fernando Namora em 2015. Trata-se de uma obra escrita a várias vozes, tomando como ponto de partida uma senhora idosa (Srª D. Ana, ex-farmacêutica) que morre durante o sono no lar onde residia. Ao longo do livro várias “falas” se fazem ouvir à sua volta, enquanto repousa no caixão na capela do lar.

A pena de morte na visão de Francisco: clareza e inspiração

Em boa hora este documento. Custa acreditar que a Igreja Católica, na sua representação máxima, tenha demorado 20 séculos após o nascimento do fundador do cristianismo – que foi vítima de pena de morte – a tomar posição inequívoca e final sobre o tema. Outros antecessores falaram sobre este assunto, Francisco encerra-o.

Ter ou ‘Bem Viver’?

“Todos nós, seres humanos, nascemos nesta terra com a mesma dignidade (…). Se alguém não tem o necessário para viver com dignidade, é porque outrem se está a apropriar do que lhe é devido.” Na encíclica Fratelli Tutti (“Todos irmãos”), caída ao húmus do mundo no início do outono, o papa Francisco desfaz o estuque do grande pilar do capitalismo e da grande ilusão do ocidente: a propriedade privada. E propõe: e se à ideia de propriedade sobrepuséssemos a de solidariedade?

Cultura e artes

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Não ter medo da covid

Nesta crise da covid tenho ouvido cada vez mais falar em medo, em “manipulação pelo medo” em “não ceder à estratégia do medo”. Parece que há por aí quem acredite que os governos têm um plano secreto de instalação do totalitarismo, e a covid é apenas uma excelente desculpa para a pôr em prática.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco