Bruno Ganz – um sopro de eternidade e um dia

| 21 Fev 19

Caso alguém precise de uma prova de que Deus existe e me tem muito amor, aqui está ela: uma vez convidaram-me para contracenar com Bruno Ganz numa encenação relativamente privada da peça “Coração a Gás”, do dadaísta Tristan Tzara. Como Deus existe, e gosta muito de mim, arranjou de eu nesse dia ter um compromisso noutra cidade. Assim se pouparam dois recordes Guinness: o meu embaraço e a vergonha alheia do Bruno Ganz.

Foi em Weimar, terra muito dada a milagres e à presença daquele actor. Milagres como a pré-estreia alemã de Vitus – um filme sobre uma criança prodígio, a ambição da mãe e a cumplicidade amorosa do avô – ter tido lugar no pequeno cinema comunal da cidade. Nós chegámos pouco antes do início do filme, e sentámo-nos na primeira fila, que era a única disponível. De modo que no fim, quando o Bruno Ganz veio conversar com o público, ficou em pé ali mesmo à nossa frente, com o seu sorriso caloroso e tranquilo a explicar com toda a simplicidade que tentou fazer um avô como todos gostaríamos de ter tido. Tão perto de nós que lhe víamos bem o brilho gaiato nos olhos quando contava sobre as surpresas de filmar com miúdos prodígio: o modo como o pequeno pianista o observava e começou a imitar (“querem que repita este take, ou já estão satisfeitos?”, perguntava o rapazinho de palmo e meio), as dificuldades de certos dias (“hoje não posso tocar piano, sinto-me como um polvo, vejam como os meus braços estão moles”, dizia, e mandava toda a equipa de filmagem para casa).

O nosso Bruno Ganz. O Bruno Ganz de cada um de nós. Cada qual terá o seu, composto pelas entrevistas que lhe leu e pelos filmes que lhe viu: Cidade Branca, Der Himmel über Berlin/As Asas do Desejo, Eternidade e Um Dia, A Queda, Pão e Tulipas, Heidi (que ele justificou com a sua simplicidade tão característica: “sou suíço, tinha a idade certa para esse papel, ia passar o resto da vida arrependido por não o ter feito”) – entre dezenas de outros.

Sabendo embora que não posso confundir o actor e as suas personagens, teimo em recordar Bruno Ganz como o vi em alguns dos seus filmes mais recentes:

– O frade bondoso e sábio do filme Fortuna, que acolhe um grupo de refugiados, aceitando que o silêncio do mosteiro perdido na imensidão alpina seja abalado pelas convulsões das histórias de fuga e miséria humana. 

– O life coach em The Party: um personagem esotérico meio desligado e bem intencionado, encarnado com muita graça por um Bruno Ganz que – imagino – terá rido imenso ao preparar esse papel.

– Um Tiziano Terzani ferido de morte em O Fim é o Meu Princípio, conversando com o filho sobre os mistérios da vida. Mais uma prova do génio de Bruno Ganz, que conseguiu transformar um monólogo numa conversa entre um ser humano e o seu infinito.

Caso alguém ande à procura de sinais de Deus no nosso mundo, encontra o seu doce respirar no Bruno Ganz destes filmes.  

(Bruno Ganz, nascido em 22 de Março de 1941, morreu no passado dia 16 de Fevereiro, em Zurique, a sua cidade natal; no Porto, decorrerá um ciclo de cinema de homenagem entre 21 e 27 de Fevereiro; em Lisboa realiza-se um programa especial no dia 25)

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Breves

Boas notícias

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

É notícia 

Entre margens

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

Cristo levantado

Cristo levantado

A sacralização dos símbolos é uma velha tendência profundamente humana. Veja-se o caso das relíquias, das imagens de Jesus, Maria e dos santos. Um símbolo aponta para uma verdade espiritual profunda. Sacralizar um símbolo empobrece e desvia a tenção do que realmente importa.

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Cultura e artes

Cristo levantado

Cristo levantado

A sacralização dos símbolos é uma velha tendência profundamente humana. Veja-se o caso das relíquias, das imagens de Jesus, Maria e dos santos. Um símbolo aponta para uma verdade espiritual profunda. Sacralizar um símbolo empobrece e desvia a tenção do que realmente importa.

Desporto é Dizer Transcendência

Desporto é Dizer Transcendência

Nos improváveis da vida, aqui estou a apresentar a última obra do Professor Manuel Sérgio, “Desporto é Dizer Transcendência”. Todos os que aqui estamos inserimo-nos numa vasta rede de amizades, de troca de saberes, de cruzamentos e transgressões epistemológicas que o Professor Manuel Sérgio tem praticado e nos tem envolvido. Obrigado, Professor Manuel Sérgio por aqui nos fazer convergir por mais um livro. Obrigado pela síntese biográfica de si mesmo e pelo seu contributo de refundar, em Portugal, uma epistemologia do desporto. [Texto de António Martins]

Sete Partidas

Hospitalidade, foco e atenção

Hospitalidade, foco e atenção

Numa entrevista a Tolentino Mendonça ouvi uma palavra que, não sei bem porquê, não ouvia, ou não pensava, há muito tempo. Hospitalidade. “Modo generoso e afável de receber ou tratar alguém.” Assim diz o dicionário Priberam. A palavra ficou. Anda aqui por dentro, “da cabeça para o coração e do coração para a cabeça”.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This