Burkina Faso: “Crise esquecida” coloca 2,2 milhões de pessoas em risco de morrer à fome

| 8 Jul 20

fome burkina faso Foto Twitter Caritas

Os deslocados internos não têm acesso a alimentos ou água, denuncia o padre Constantin Sere. Foto reproduzida da página da Cáritas Burkina Faso na rede social Twitter.

 

Nos próximos meses, no Burkina Faso, 2,2 milhões de pessoas estarão em situação de carestia extrema, o que significa que poderão morrer à fome. O número é três vezes superior ao registado em 2019, alertou esta segunda-feira, 6 de julho, o diretor da Cáritas naquele país, padre Constantin Sere. O responsável fala de uma “crise esquecida” pelo resto do mundo e apela urgentemente à ajuda internacional, numa altura em que se aproxima a estação das chuvas torrenciais na região.

“O mundo esqueceu-se da crise no Sahel [região entre o deserto do Sara e a savana do Sudão]. Países como o Burkina Faso enfrentam uma série de desafios enormes e sem ajuda as pessoas sofrerão terrivelmente. Os deslocados internos não têm acesso a alimentos ou água, a qual é essencial tanto para beber como para a higiene pessoal”, afirma o responsável da Cáritas, citado pela agência Fides. “É uma das ondas de deslocados internos com evolução mais rápida em todo o mundo.”

À medida que se aproxima a temporada das chuvas, a situação torna-se ainda mais preocupante, sublinha o padre Sere, dado que “a maioria das pessoas não tem um refúgio adequado para fazer frente às tempestades, ventos fortes e inundações que haverá ao longo dos próximos três a cinco meses”.

Com o objetivo de apoiar algumas áreas particularmente críticas, a Cáritas lançou uma campanha para angariar 600 mil euros. O projeto pretende assegurar alojamento, comida e água potável a cerca de 1.500 famílias. Cada família receberá 50 quilos de arroz ou milho, 25 quilos de feijão, 5 litros de óleo, 2 quilos de sal e 5 mil francos na moeda local (cerca de 8 euros) para comprar alimentos frescos.

Depois de quatro anos de clima de violência e tensão na fronteira a norte e leste do país, os deslocados internos continuam a acreditar no regresso às suas terras de origem, conta o padre Sere. “Mas temo que isso não possa acontecer tão cedo, pois os conflitos não mostram sinais de diminuir e, apesar dos esforços do Estado, os grupos armados continuam a semear terror”, conclui o responsável da Cáritas Burkina Faso.

 

Artigos relacionados

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

Missionário em Timor

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

O padre João Felgueiras, padre jesuíta e missionário em Timor-Leste desde 1971, atravessou a época colonial portuguesa (até 1975), a ocupação indonésia (1975-1999) e os anos da independência (2002 até hoje). Completando 100 anos neste 9 de Junho (viveu 50 anos em Portugal e outros 50 em Timor-Leste), o jesuíta foi o centro de uma pequena homenagem em Díli, que incluiu a publicação de um livro com vários depoimentos. Dele se extraem vários elementos que a seguir se coligem acerca da vida deste homem e padre que, durante a ocupação indonésia, apoiou a resistência timorense e que chegou a enviar recados para os políticos portugueses (ver texto de Adelino Gomes no final).  

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Ano de S. José em Coimbra

Dia do Ambiente assinalado com plantação de cedro do Líbano

A Paróquia de S. José, em Coimbra assinalou, no passado sábado, o Dia Mundial do Ambiente com a plantação de um Cedro do Líbano no jardim junto à igreja.  Um momento que contou com a presença de Helena Freitas, professora do Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, e de um grupo de crianças da catequese, do Grupo ASJ – Adolescentes de São José e de vários paroquianos.

Vaticano

Papa “magoado” com restos mortais de 215 crianças no Canadá

O Papa Francisco confessou-se magoado com a descoberta dos restos mortais de 215 crianças numa antiga escola católica para crianças indígenas no Canadá, pedindo respeito pelos direitos e culturas dos povos nativos. No entanto, não apresentou um pedido de desculpas, como pretendem o Governo daquele país e dirigentes de comunidades autóctones.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Moçambique

Ventos, baladas e canções do matrimónio

Tive que escrever um texto sobre Balada de Amor ao Vento, o primeiro romance da primeira romancista moçambicana, Paulina Chiziane. Folheando o livro, encontrei algumas anotações feitas, há algum tempo. Tenho o hábito de borrar nos meus livros, com os pensamentos que me ocorrem, no momento da leitura.

Futebol

A república do ludopédio

Os ingleses inventaram o ludopédio (futebol) e continuam a driblar-nos com ele. Mas isso só é possível porque persistimos em ser provincianos. Deslumbramo-nos com tudo o que vem de fora e nem sequer nos damos ao respeito.

Cultura e artes

Livro

As casas e os espaços dos primeiros cristãos novidade

Esta obra apresenta uma coletânea de textos dos quatro primeiros séculos sobre os espaços que os cristãos criaram para celebrar a sua fé, desde homilias a catequeses pascais, de cartas a escritos teológicos. O leitor é introduzido neste património literário por um amplo estudo de Isidro Lamelas.

Concerto em Lisboa

Música de Pärt e Teixeira para um tempo de confiança

Hinário para um tempo de confiança, obra musical de Alfredo Teixeira, sobre textos de frei José Augusto Mourão, e The Beatitudes (As bem-aventuranças), do estoniano Arvo Pärt, raramente interpretada em Portugal, são as duas peças que marcam o regresso do Ensemble São Tomás de Aquino à sua temporada de concertos, neste sábado, 5 de Junho, às 21h, na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino (R. Virgílio Correia, em Lisboa).

Dia Mundial dos Oceanos

“Ilhas de Plástico” no rio Minho apelam à luta ambiental

Artista idealizou como metáfora do tempo um conjunto de 24 esculturas esféricas de grande dimensão forradas com materiais de plástico, garrafas de água, tubos de diferentes cores e feitios idênticos aos utilizados na construção civil. Unidas entre si formam uma mega-instalação flutuante e ondulante, atractiva, pedagógica, capaz de provocar olhares desencontrados. No próximo dia 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos, estará fundeada no rio Minho.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco