Burkina Faso: “Crise esquecida” coloca 2,2 milhões de pessoas em risco de morrer à fome

| 8 Jul 20

fome burkina faso Foto Twitter Caritas

Os deslocados internos não têm acesso a alimentos ou água, denuncia o padre Constantin Sere. Foto reproduzida da página da Cáritas Burkina Faso na rede social Twitter.

 

Nos próximos meses, no Burkina Faso, 2,2 milhões de pessoas estarão em situação de carestia extrema, o que significa que poderão morrer à fome. O número é três vezes superior ao registado em 2019, alertou esta segunda-feira, 6 de julho, o diretor da Cáritas naquele país, padre Constantin Sere. O responsável fala de uma “crise esquecida” pelo resto do mundo e apela urgentemente à ajuda internacional, numa altura em que se aproxima a estação das chuvas torrenciais na região.

“O mundo esqueceu-se da crise no Sahel [região entre o deserto do Sara e a savana do Sudão]. Países como o Burkina Faso enfrentam uma série de desafios enormes e sem ajuda as pessoas sofrerão terrivelmente. Os deslocados internos não têm acesso a alimentos ou água, a qual é essencial tanto para beber como para a higiene pessoal”, afirma o responsável da Cáritas, citado pela agência Fides. “É uma das ondas de deslocados internos com evolução mais rápida em todo o mundo.”

À medida que se aproxima a temporada das chuvas, a situação torna-se ainda mais preocupante, sublinha o padre Sere, dado que “a maioria das pessoas não tem um refúgio adequado para fazer frente às tempestades, ventos fortes e inundações que haverá ao longo dos próximos três a cinco meses”.

Com o objetivo de apoiar algumas áreas particularmente críticas, a Cáritas lançou uma campanha para angariar 600 mil euros. O projeto pretende assegurar alojamento, comida e água potável a cerca de 1.500 famílias. Cada família receberá 50 quilos de arroz ou milho, 25 quilos de feijão, 5 litros de óleo, 2 quilos de sal e 5 mil francos na moeda local (cerca de 8 euros) para comprar alimentos frescos.

Depois de quatro anos de clima de violência e tensão na fronteira a norte e leste do país, os deslocados internos continuam a acreditar no regresso às suas terras de origem, conta o padre Sere. “Mas temo que isso não possa acontecer tão cedo, pois os conflitos não mostram sinais de diminuir e, apesar dos esforços do Estado, os grupos armados continuam a semear terror”, conclui o responsável da Cáritas Burkina Faso.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Depois de Angola e Polónia

Símbolos da JMJ iniciam peregrinação pelas dioceses de Espanha

Dez jovens da diocese da Guarda irão entregar este domingo, 5 de setembro, os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) aos jovens da diocese de Ciudad Rodrigo (Espanha), local onde terá início a peregrinação dos mesmos pelas dioceses espanholas. O encontro acontecerá na fronteira de Vilar Formoso, pelas 11h, e será seguido de uma celebração de acolhimento na Paróquia de Maria Auxiliadora, em Fuentes de Oñoro, divulgou o gabinete de imprensa da JMJ Lisboa 2023, em comunicado enviado às redações.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação” novidade

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Cultura e artes

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos novidade

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror novidade

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This