Burkina Faso: padre e cinco fiéis mortos durante a missa

| 12 Mai 19 | Estado, Política e Religiões, Sociedade, Últimas

A localização aproximada de Dablo, onde se registou o ataque, numa reprodução do Google Maps.

 

Um padre e cinco fiéis foram abatidos este domingo durante a missa, na localidade de Dablo, no norte do Burkina Faso, segundo informações da Agência France Presse (AFP) citadas por vários media internacionais.

Os atacantes, chegados em motorizadas, entraram na igreja logo no início da celebração, fecharam as portas, obrigaram a deitar-se no chão o padre que presidia e cinco outras pessoas e começaram a disparar sobre elas. Antes de desaparecerem, deitaram ainda fogo à igreja e fizeram outros estragos em serviços da comunidade.

Segundo os relatos, é a primeira vez que a Igreja Católica daquele país sofre um ataque terrorista. A AFP nota que este acontecimento ocorreu dois dias depois de tropas especiais francesas terem libertado quatro reféns no norte de Burkina Faso, dois dos quais turistas franceses.

Informações da BBC mostram como têm vindo a crescer de forma acentuada, nos últimos anos, ataques perpetrados por grupos jihadistas. Um dos mais recentes foi contra um tempo protestante, em que morreram também seis pessoas. Num gráfico publicado neste domingo, o serviço público britânico contabiliza 12 ataques em 2016, 33 no ano seguinte e 158 no ano passado.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

“Albino não morre, só desaparece”? E se fôssemos “bons samaritanos”?

A primeira frase do título não é nova, nem em Moçambique, nem fora do país. Lembrei-me dela, quando li/vi que o secretário-geral da ONU, António Guterres visitou Moçambique, em Julho último. Desse périplo, dois eventos prenderam a minha atenção: a sua ida à Beira, para se inteirar das consequências do ciclone Idai, e o seu encontro com pessoas com albinismo, e onde destacou que ninguém pode ser descriminado por causa da sua aparência física.

Refugiados e salgalhada de desinformação

O objetivo deste texto é combater alguns mitos, facilmente derrubáveis, sobre a questão dos refugiados com meia dúzia de dados, de forma a contribuir para uma melhor e mais eficaz discussão sobre o tema. Porque não acredito que devamos perder a esperança de convencer as pessoas com os melhores dados e argumentos.

Cultura e artes

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco