Buscar a inclusão, reduzir desigualdades e construir a paz, desafios de Abril hoje

| 26 Abr 21

Jorge Wemans: os padres que acompanhavam os jovens da JEC antes do 25 de abril mostravam que eles não estavam longe do evangelho de Jesus Cristo. Foto captada do vídeo do programa.

 

A defesa da democracia, a redução das desigualdades e a construção da paz foram apontados como grandes desafios que a comemoração de Abril hoje coloca à sociedade e à Igreja Católica pelo jornalista Jorge Wemans, um dos editores do 7MARGENS, numa entrevista ao programa Ecclesia.

O jornalista recordou o seu envolvimento na luta contra o regime autoritário caído em 1974, exemplificando com a sua participação na preparação e realização da vigília pela paz na Capela do Rato (Lisboa), que lhe trouxe a prisão em Caxias. Recordou, a este propósito, a tomada de consciência da situação que se vivia e o lugar que nesse processo teve a participação na JEC (Juventude Estudantil Católica).

Neste contexto, recordou o papel desempenhado por diversos padres acompanhamento do discernimento dos jovens, mostrando-lhes que, “apesar de a hierarquia da Igreja Católica os acusar de falta de fé, de comunistas e opositores”, não estavam longe da fé em Jesus Cristo.

Olhando para o significado de Abril no presente e no futuro, Jorge Wemans sublinhou que “a nossa democracia, como projeto de inclusão, está hoje mais em causa do que já esteve há uns tempos para trás”. “Somos chamados a participar na construção da cidade”, assumindo opções políticas, orientadas para que “a democracia consiga de facto incluir mais pessoas”.

Um segundo aspeto será “reduzir a nossa indiferença em relação às desigualdades”. Em Portugal, como em países de matriz cultural católica, “achamos basicamente que os pobres são pobres porque não querem trabalhar, ou que se distraíram”. Ou seja, que “o problema da pobreza é deles, não é nosso, não é do sistema, não é do nosso dia-a-dia, da maneira como organizamos a sociedade”.

Preferimos não pensar nisso, preferimos culpabilizar os pobres pela sua pobreza, afirmou. “Não há um movimento profundo na sociedade portuguesa nem na Igreja a dizer que não aceitamos ser um dos países na Europa em que, apesar de ser um dos mais pobres, as desigualdades entre os mais ricos e os mais pobres são maiores, que um quinto das pessoas vivem abaixo do limiar da pobreza. Nós vivemos todos os dias como se isso não fosse connosco.”

Relativamente à questão da paz, Jorge Wemans distinguiu-a da ausência de conflitos armados e alertou para uma “guerra connosco próprios”, através de “discursos de ódio cada vez mais presentes na nossa sociedade”, que se traduzem na afirmação de que “bom era que outras pessoas não existissem”. E não apenas em discurso público, já que, “dentro de cada um de nós, por vezes, somos levados a pensar que há uns quantos cidadãos e umas quantas cidadãs que era melhor que não existissem, que não fizessem parte da nossa sociedade, que tudo ficava melhor se os eliminássemos: ou porque são corruptos, ou porque são diferentes de nós.”

“Este discurso de eliminar outros é também, de alguma forma, uma guerra; é, pelo menos, a negação da paz. É uma guerra de uns contra os outros que nos desvia daquilo que é a democracia, que inclui os que são diferentes de nós”, rematou o jornalista.

 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This