Comércio Justo faz 10 anos em Lisboa

Café, presépios e têxtil numa loja em contra-corrente

| 28 Nov 21

Presépio em artesanato do Peru, à venda na loja de comércio justo do CIDAC. Foto © CIDAC

 

Cerâmica, presépios e têxtil do Peru, cacau do Equador, açúcar de Cuba, café da Nicarágua, Chiapas (México) e também de Cuba, chá da Índia, artesanato do Sri Lanka e Bangladesh, café e especiarias da Tanzânia e ainda um leque de alimentos vários e artesanato de 17 produtores portugueses. Tudo isto está numa loja que funciona em contra-corrente. Por duas razões: porque tenta propor circuitos de consumo que passem pelo apoio aos sectores cooperativo, associativo, da economia social e solidária; e porque em Portugal é um caso único, ao contrário do que acontece em outros países.

A iniciativa em contra-corrente de que se fala é a Loja de Comércio Justo do CIDAC (Centro de Intervenção para o Desenvolvimento Amílcar Cabral), em Lisboa, que nesta segunda-feira, 29, completa 10 anos de existência. É a única sobrevivente de uma dúzia de iniciativas semelhantes que chegaram a existir, ao longo dos últimos anos, em cidades como Barcelos, Viseu, Porto, Peniche, Évora, Faro ou Almada, por exemplo.

“Em Portugal, o comércio justo nunca teve uma expressão muito forte, estamos em contra-corrente em relação a outros países – por exemplo, só em Espanha há várias dezenas”, diz ao 7MARGENS Stéphane Laurent, responsável da loja no âmbito do CIDAC, organização não-governamental para o desenvolvimento (ONGD) que trabalha no campo da solidariedade internacional desde 1974 e se envolveu desde 1998 na promoção do comércio justo.

A loja tem, desde o início, o objectivo de “aliar o comércio a princípios de justiça, equidade e solidariedade.”, diz uma nota de apresentação da Loja de Comércio Justo (CJ), que integra uma rede solidária que reúne consumidores/as e pequenos produtores/as de África, Ásia, América Latina e Europa, em particular de Portugal.

“Como deixou de haver lojas de comércio justo em Portugal, decidimos abrir uma, porque já trabalhávamos desde 1998 no campo educativo da cooperação para o desenvolvimento.” E pode uma iniciativa assim sobreviver? “Sofremos os mesmos problemas do comércio de bairro”, explica o responsável da loja. “Muitas pessoas que já eram consumidoras do comércio justo nas várias lojas tornaram-se nossas clientes.”

A primeira iniciativa do CIDAC nesta área, além do trabalho educativo, foi com a paróquia do Campo Grande, também em Lisboa, e com a organização Cores do Globo. Vale a pena acrescentar que o trabalho educativo de sensibilização também levou clientes à loja, ao longo destes últimos anos.

As acções de sensibilização sobre as “alternativas ao sistema económico dominante” são “parte indissociável” da comercialização, informa o CIDAC. Aliás, as lojas de comércio justo nunca dissociaram o negócio da pedagogia e educação para o tema. Há sempre informação, folhetos, documentação escrita, folhetos, documentação escrita, interacção humana, comunicação, explica Stéphane Laurent. E os clientes estão genericamente satisfeitos: gostam dos produtos e da inserção da loja no comércio do bairro (Rua Tomás Ribeiro, 9, junto do Fórum Picoas).

 

Crítica ao consumismo é central

Chocolate da América Latina. Foto © CIDAC

 

Vendendo produtos alimentares, de beleza e higiene ou de limpeza, bem como artesanato, conjugando trabalho assalariado e voluntariado, a Loja de Comércio Justo pretende que se pague o preço justo pelos produtos, “garantindo relações de longo prazo e pré-financiando as encomendas”. Com isso confere “maior estabilidade e previsibilidade às cooperativas de produção”, permitindo aos produtores e produtoras “viverem com dignidade com base no seu trabalho”.

As contrapartidas exigidas são a “garantia do respeito pelos direitos humanos, a exclusão de qualquer forma de exploração do trabalho infantil, a igualdade salarial e de poder de decisão entre mulheres e homens”, lê-se ainda na informação da loja do CIDAC.

E quem avisa para a necessidade do decrescimento e para a não insistência no consumo como base do modelo económico? “Comungamos dessa opinião: um dos grandes problemas do nosso mundo é o consumismo, o impulso para consumir fora de necessidades reais, que serve muitas vezes como muleta para a violência da vida”, diz Laurent, que dá o exemplo de iniciativas como a Black Friday. Ao contrário, nas lojas de comércio justo, “a crítica ao consumismo é central, por isso não há nelas coisas superficiais, todos os produtos são duráveis”.

Têxteis da América latina na loja de comércio justo do CIDAC. Foto © CIDAC

A ideia do comércio justo surgiu no início da década de 1960, como tentativa de “denunciar as injustiças no comércio internacional propondo um modelo em que a dignidade humana, a justiça social e ambiental prevalecessem sobre a estrita procura de lucro”, resume o CIDAC, na informação sobre a loja. “A degradação ecológica, as alterações climáticas, as injustiças sociais e económicas, o aumento da pobreza estrutural afectam-nos a todas e todos e tornam mais compreensível a necessidade de uma mudança de paradigma para a nossa sobrevivência coletiva. A Loja de Comércio Justo do CIDAC é uma das muitas alternativas que visam uma transformação profunda do modelo de desenvolvimento desigual em que vivemos e que precisam da participação de todas e todos.”

 

Loja de Comércio Justo do CIDAC

Rua Tomás Ribeiro, 9 – Lisboa
2.ª a 6.ª feira, das 10h às 19h; sábado, das 10h às 14h (em Dezembro: das 10h30 às 19h de 2ª a 6ª e das 10h às 19h ao sábado)
loja@cidac.pt

Facebook: https://pt-pt.facebook.com/LojaComercioJusto
Web: https://www.cidac.pt/index.php/o-que-fazemos/loja-de-comercio-justo/

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Onde menos se espera, aí está Deus

Onde menos se espera, aí está Deus novidade

Por vezes Deus descontrola as nossas continuidades, provoca roturas, para que possamos crescer, destruir em nós uma ideia de Deus que é sempre redutora e substituí-la pela abertura à vida, onde Deus se encontra total e misteriosamente. É Ele, o seu espírito, que nos mostra o nosso nada e é a partir do nosso nada que podemos intuir e abrir-nos à imensidão de Deus, também nas suas criaturas, todas elas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This