Troca de "declarações"

Caminho Sinodal alemão irritado com a comunicação do Vaticano

| 26 Jul 2022

Sessao do Caminho Sinodak alemao em fevereiro de 2022 Foto Der Sinodale Weg

Em votações preliminares e provisórias, realizadas na sessão de fevereiro último do Caminho Sinodal, uma proposta como a bênção de casais do mesmo sexo registou 161 votos a favor e 34 contra. Foto © Der Sinodale Weg.

 

Em dois parágrafos, um comunicado da Sala de Imprensa do Vaticano, datado de 21 de julho, colocou um explícito travão no chamado Caminho Sinodal em que a Igreja alemã se lançou em 2019, e que tem sido motivo de polémica pela ousadia de algumas das posições entretanto assumidas. Os responsáveis da Igreja alemã já responderam: querem a comunhão na Igreja, mas com outro estilo de comunicação.

Focado na questão da estrutura e da governação da Igreja Católica, o curto comunicado de Roma, sob a forma de “declaração”, é taxativo: “Não seria permitido iniciar novas estruturas oficiais ou doutrinas nas dioceses antes de um acordo definido ao nível da Igreja universal”. “Isso representaria uma ferida para a comunhão eclesial”, observa a tomada de posição de Roma.

A posição refere também, “para proteger a liberdade do povo de Deus e o exercício do ministério episcopal”, que o “Caminho Sinodal” na Alemanha “não tem o poder de obrigar os bispos e os fiéis a adotar novas formas de governo e novas abordagens da doutrina e da moral”.

Dado que não existem ainda documentos definitivos aprovados sobre o poder na Igreja, o ministério presbiteral, o papel da mulher e a vida afetiva e sexual – as quatro áreas de problemáticas do Sínodo alemão (isso está previsto para a quarta sessão, a ter lugar em outubro próximo) –  uma tal declaração tem vindo a ser interpretada como sinal de aviso, medida cautelar ou mesmo travão.

Em votações preliminares e provisórias, realizadas na sessão de fevereiro último do Caminho Sinodal, uma proposta como a bênção de casais do mesmo sexo tinha registado 161 votos a favor e 34 contra; a “reavaliação” da doutrina sobre a homossexualidade mereceu 174 votos contra 22 e a ordenação presbiteral das mulheres tinha sido apoiada por 174 delegados, tendo 30 votado contra. Isto fez soar as campainhas em vários setores, incluindo do Vaticano, que consideram que, a concretizarem-se decisões deste teor, se estaria a desenhar um cenário de cisma na Igreja Católica.

No mesmo dia em que a Sala de Imprensa vaticana emitiu o seu comunicado, os presidentes do Caminho Sinodal – Dr. Irme Stetter-Karp, presidente do Comité Central dos Católicos Alemães (ZdK) e o bispo Georg Bätzing, presidente da Conferência Episcopal Alemã – responderam à Santa Sé também com uma “declaração”.

Nessa resposta, os dois responsáveis recordam com satisfação que a Santa Sé “reitere os compromissos já assumidos nos Estatutos e Regulamento interno antes do início do Caminho Sinodal 2019”.

Através desses instrumentos, fica claro que qualquer resolução da Assembleia sinodal “não terá, por si mesma, efeito legal”, razão pela qual “o poder da Conferência Episcopal e de cada bispo diocesano de adotar normas jurídicas e exercer o seu magistério no quadro das suas competências respetivas não será afetado por aquelas resoluções”.

Por outro lado, esclarecem os presidentes do Caminho Sinodal, as resoluções cujas matérias dependam de uma regulamentação eclesiástica universal serão transmitidas à Santa Sé, acompanhadas com a votação que se tiver registado no sínodo, tal como está previsto e acordado com a Santa Sé.

 

Cúria romana: comunicados, em vez de diálogo

A Igreja na Alemanha pertender ampliar o diálogo com a Cúria romana e lamenta que a presidência sinodal não tenha sido convidada para uma discussão, até à data. Foto @ Marzacas.

 

“Não nos cansamos de sublinhar que a Igreja na Alemanha não seguirá um ‘caminho especial alemão’”, prossegue a declaração que, no entanto, entende salientar: “É nosso dever expor claramente as mudanças que consideramos necessárias. Ao fazê-lo, percebemos que os problemas e questões que enumeramos são semelhantes em todo o mundo”.

Na sua resposta, a Igreja na Alemanha afirma aceitar e desejar o “enriquecimento mútuo” que advém da comunicação entre as igrejas locais e a Igreja Universal – aspeto enfatizado pela declaração de Roma – e que pretende ampliar o diálogo com a Cúria romana. Mas faz notar, ao mesmo tempo, que o Caminho Sinodal resultou do estudo sobre o “Abuso sexual de menores por parte de sacerdotes católicos, diáconos e religiosos na esfera de responsabilidades da Conferência Episcopal Alemã” e que bispos e ZdK estão a percorrer juntos este caminho, “seguros do apoio e cooperação ativa do povo de Deus peregrino”.

Manifestam ainda a determinação de contribuírem para o processo sinodal da Igreja universal, aberto pelo Papa Francisco. “Sempre insistimos que queremos ativamente dar corpo a este processo através do nosso trabalho”.

A resposta alemã, reiterando a importância da “comunicação direta com as autoridades romanas”, manifesta, no entanto, “irritação” pelo facto de essa comunicação direta não ter acontecido até agora, considerando que esse seria “o lugar adequado para realizar os esclarecimentos necessários”.

“Lamentavelmente, a presidência sinodal não foi convidada para uma discussão, até esta data. (…)   Em nosso entender, uma igreja sinodal é algo diferente!”

E, numa clara alusão ao facto de a posição do Vaticano ter assumido a forma de um comunicado de Imprensa, acrescenta:

“Isto também se aplica à forma de comunicação atual, que nos espanta. Quando se publicam declarações que não são assinadas, não se mostra um bom estilo de comunicação no interior da Igreja”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu

[Margem 8]

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu novidade

O Simão ainda tem o tamanho de menino que consegue caminhar por baixo da mesa de jantar. Inclina um bocadinho a cabeça, risonho, e passa de um lado ao outro com as suas aventuras. Tem os olhos que são todo um convite para o mundo. A vida é atraída por aqueles olhos e vai por ali adentro em torrente, com o entusiasmo de um ribeiro.

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria novidade

Na minha infância este tempo era lúgubre, como um véu de tristeza que tudo cobria, nos rostos dos fiéis, nas decorações, na exaltação do sofrimento. Nunca o compreendi nem me associei até que as amêndoas, doces e o início da primavera me salvavam. Na ortodoxia, a Páscoa celebra-se este ano no dia 16 de Abril de 2023.

Genocídio do povo Yanomami está a mobilizar instituições brasileiras

Igreja Católica solidária

Genocídio do povo Yanomami está a mobilizar instituições brasileiras novidade

O Brasil mobiliza-se para salvar o povo Yanomami e o seu território, abandonado pelos serviços do Estado e atacado pelos garimpeiros e os interesses que estão por detrás deles, nas últimas décadas. O ataque foi tão brutal que as novas autoridades de Brasília já falam em genocídio. O Supremo Tribunal de Justiça, o Presidente brasileiro, o Exército, e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) são algumas das entidades que têm mobilizado esforços, nas últimas semanas, para acudir a uma situação que além de crise humanitária é considerada também “uma tragédia ambiental”.

“Por favor, digam ao Papa que só queremos paz!”

Francisco no Sudão do Sul

“Por favor, digam ao Papa que só queremos paz!” novidade

As ruas estão mais limpas que nunca, algumas foram alcatroadas, e a uma delas até lhe mudaram o nome: agora chama-se Rua Papa Francisco. A cidade de Juba está a postos para receber aquela que é a primeira viagem de um Pontífice ao mais jovem país do mundo, o Sudão do Sul, e entre os milhares que vão procurando um lugar para ver o Papa passar há um grande desejo comum: o de que esta visita contribua, definitivamente, para a paz.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This