Campanha dos jesuítas para “ajudar o Líbano” recolheu 30 mil euros

| 12 Out 2020

Líbano. Destruição. Beirute

Líbano. A destruição em Beirute depois da explosão de 4 de Agosto de 2020. Foto © Anwar Amro/MECC/WCC-CEI

 

A campanha “Ajudar o Líbano”, promovida pela Companhia de Jesus e pelo seu portal PontoSJ, angariou 30.098,57 euros. Agora, os donativos angariados serão enviados para a Rede Xavier, que os aplicará localmente em Beirute, no apoio às populações mais atingidas pelas explosões de Agosto, e na reconstrução das obras e comunidades dos jesuítas que ficaram danificadas pelas explosões.

Os donativos resultaram de ofertas individuais e de algumas comunidades cristãs.

As verbas terão dois destinos: por um lado, irão reforçar o apoio à emergência que foi posto de imediato em curso pelo JRS (Serviço Jesuíta aos Refugiados)-Líbano, e que se traduz num programa de apoio alimentar e num projeto de apoio à reconstrução de casas que foram destruídas pelas explosões. Os destinatários são pessoas que já estavam a ser fortemente atingidas pela crise económica e social que o Líbano atravessava (libaneses em situação de fragilidade, deslocados sírios e trabalhadores migrantes das Filipinas, Etiópia e Sri Lanka). Será apoiada a reconstrução total ou parcial de cerca de 80 casas, num projeto que se se prevê ter a duração de seis meses.

Noutra vertente, a verba será destinada à reconstrução de estruturas da Companhia de Jesus na cidade, atingidas pelas explosões, entre as quais se incluem um hospital, igrejas, uma escola e os edifícios das várias comunidades de jesuítas que residem na cidade.

No PontoSJ os destinos do dinheiro são detalhados em pormenor.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência”

Cartas de Luiza Andaluz em livro

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência” novidade

Preocupações com um homem que estava preso, com o funcionamento de uma oficina de costura para raparigas que não tinham trabalho, com a comida para uma casa de meninas órfãs. E também o relato pessoal de como sentiu nascer-lhe a vocação. Em várias cartas, escritas entre 1905 e 1971 e agora publicadas, Luiza Andaluz, fundadora das Servas de Nossa Senhora de Fátima, dá conta das preocupações sociais que a nortearam ao longo do seu trabalho e na definição do carisma da sua congregação.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This