Sondagem

Canadianos preocupados com impacte das religiões na sociedade

| 24 Abr 2022

Um jovem segura a bandeira do Canadá. Foto © Redd | Unsplash

 

Apenas 12 por cento dos canadianos que se declaram não religiosos avaliam positivamente o impacte das comunidades religiosas e das religiões na vida do país revela uma sondagem realizada pelo Angus Reid Institute e citada pelo The Muslim Times de 24 de abril.

“A sociedade [canadiana] mostra não ter uma noção clara sobre o que fazer com a religião e, portanto, mostra alguns sinais de desconforto”, disse ao The Muslim Times Abdie Kazemipur, sociólogo da Universidade de Calgary que acrescentou: “Por agora, [com estes resultados] não podemos falar de intolerância, apenas de desconforto.”

Entre os católicos – o maior grupo religioso do Canadá – as comunidades de cristãos evangélicos, de muçulmanos e de sikhs são vistas como trazendo mais danos do que benefícios à sociedade, embora outras religiões obtenham, entre os católicos, avaliação positiva.

De acordo com aquele instituto de sondagens, a não-crença tem vindo a aumentar entre a população canadiana (passou de 16% em finais de 2018 para 19% em abril de 2022). Os restantes dizem ter alguma abertura a Deus ou à espiritualidade, mas apenas 16 por cento do total se dizem religiosamente envolvidos, enquanto um pouco menos de um quinto prefere reconhecer-se como vivendo a religião de modo privado.

 

 

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This