Capuchinhos nos EUA elegem irmão leigo como responsável provincial

| 29 Jun 19 | Cristianismo - Homepage, Igreja Católica, Newsletter, Últimas

Giotto di Bondone, Aparição de São Francisco no capítulo de Arles (1297), afresco na Basílica Superior de São Francisco, em Assis: o fundador dos franciscanos não era padre, defendem os que votaram em Mark Schenk.

 

Os membros da Ordem dos Frades Capuchinhos (franciscanos) da província de Mid America, no centro dos Estados Unidos, elegeu um frade leigo, o irmão Mark Shenk, como ministro provincial. A decisão foi contrariada, num primeiro momento, pelo Vaticano, mas a intercessão junto do Papa Francisco valeu a ratificação da escolha – noticiou o Crux.

Inicialmente, a Congregação da Santa Sé para os Religiosos, que tutela as ordens e congregações religiosas, vetou o nome de Mark Schenk. Mas várias pessoas intercederam junto do Papa Francisco e Schenk recebeu a dispensa necessária para assumir por três anos o cargo de ministro provincial – ou seja, o responsável máximo da província, a divisão geográfica em que a ordem se organiza.

O novo provincial, Mark Schenck (foto reproduzida de https://capuchins.org/team/br-mark-schenk-o-f-m-cap/)

O precedente aberto pelo Papa pode levar a que a Congregação para os Religiosos ajuste os seus procedimentos noutros casos semelhantes que venham a acontecer com pessoas que não são ordenadas.

Citado pelo Crux, o padre capuchinho BlaineBurkey diz que Francisco pode fazer a diferença, “especialmente com o seu desejo de ter leigos envolvidos na liderança da Igreja”. E acrescenta: “Ele diz isso e esperamos que ele realmente o faça avançar, ao invés de apenas reagir quando a Congregação for ter com ele.”

A decisão não foi pacífica por, aparentemente, contrariar o Código de Direito Canónico (CDC), da Igreja Católica. No cânone 129º – 1, o CDC indica: “Quem recebeu a ordem sagrada é capaz, segundo as normas do direito, do poder de governo, que por instituição divina existe na Igreja, e que também é chamado poder de jurisdição”. Ou seja, o irmão eleito não terá recebido “a ordem sagrada” ainda que o número seguinte do mesmo artigo diga que “os fiéis leigos podem cooperar no exercício desse poder, segundo as normas do direito”.

Os capuchinhos fazem uma interpretação aberta deste artigo, baseando-se na sua própria Constituição, que foi ratificada pelo Vaticano em 2013, e na qual se lê: “Pela razão da mesma vocação [padre ou irmão não ordenado]…) todos nós somos chamados irmãos sem distinção.”

Blaine Burkey votou em Schenk e está “feliz por ele ter sido escolhido”, afirma, citado pela mesma fonte. Para este padre, a distinção por causa da ordenação é irrelevante, porque o seu “dom para o Mundo é a fraternidade”.

Esta não é, contudo, a primeira vez que uma tal escolha acontece nos capuchinhos. A primeira acontecera em 1983, numa província canadiana, mas houve ainda uma outra na província de São José (estado do Michigan, no nordeste dos EUA). Neste último caso, a escolha não foi aprovada pelo Vaticano e a comunidade elegeu outro frade.

O próprio São Francisco, de quem os capuchinhos herdam o carisma, não era padre, defendem os que optam pela possibilidade de ter um leigo como provincial.

Mark Schenk, 62 anos, tem um mestrado em Teologia e outro em gestão, e trabalhou já durante 22 anos em Roma, na cúria geral dos capuchinhos. Quando entrou na ordem, “a questão do sacerdócio ou da fraternidade não se colocava”. Agora, ele diz que “não esperava” ser eleito, “mas sempre disse que poderia ajudar os irmãos” da Ordem. No horizonte, está o cuidado com 70 frades e as suas “necessidades espirituais e humanas”, bem como o controlo da “saúde da província” no âmbito financeiro.

Artigos relacionados

Editorial 7M – Um dia feliz

Editorial 7M – Um dia feliz

Hoje é dia de alegria para os católicos e para todos os homens e mulheres de boa vontade. Em São Pedro, um homem que encarna e simboliza boa parte do programa de Francisco para a Igreja Católica recebe as insígnias cardinalícias. É português, mas essa é apenas uma condição que explica a nossa amizade e não é a fonte principal da alegria que marca o dia de hoje. José Tolentino Mendonça é feito cardeal por ser poeta, homem de acolhimento e diálogo. E, claro, por ser crente.

Apoie o 7 Margens

Breves

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

A beleza num livro de aforismos de Tolentino Mendonça

Um novo livro do novo cardeal português foi ontem posto à venda. Uma Beleza Que nos Pertence é uma colecção de aforismos e citações, retirados dos seus outros livros de ensaio e crónicas, “acerca do sentido da vida, a beleza das coisas, a presença de Deus, as dúvidas e as incertezas espirituais dos nossos dias”, segundo a nota de imprensa da editora Quetzal.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco