Cardeal alemão pede aos jornalistas “absoluto silêncio” sobre relatório de abuso infantil

| 6 Jan 21

Cardeal Rainer Maria Woelki.

Cardeal Rainer Maria Woelki, arcebispo de Colónia. Foto: Diocese de Colónia/Wikimedia Commons

Diversos jornalistas abandonaram uma conferência de imprensa convocada para esta terça-feira, 5, pela arquidiocese de Colónia (Alemanha), a propósito da divulgação de um relatório inédito sobre casos de abuso sexual de menores dentro da Igreja. Na origem do protesto esteve um pedido de que assinassem um acordo onde se comprometiam a manter o conteúdo da investigação “em segredo”, divulgou a rádio Deutsche Welle na sua página digital.

A conferência tinha como principal objetivo explicar alguns problemas relacionados com a metodologia utilizada durante a investigação, os quais, segundo o arcebispo de Colónia, cardeal Rainer Maria Woelki, terão estado na origem do cancelamento da publicação do relatório na sua forma atual. Woelki é considerado um dos mais conservadores membros do episcopado alemão, no sentido em que se tem oposto a várias propostas de reforma surgidas no seio da Igreja Católica na Alemanha.

Após terem anunciado que mostrariam aos jornalistas o relatório, os representantes católicos pediram-lhes que assinassem um compromisso de manter o seu conteúdo “em segredo”, nomeadamente as informações sobre os delitos, presumíveis autores e funcionários eclesiásticos envolvidos. “O jornalista compromete-se a guardar absoluto silêncio sobre esta informação”, podia ler-se no acordo proposto.

O relatório em causa foi solicitado por Woelki no final de 2018 e conduzido pelo escritório de advogados alemão Westpfahl Spilker Wastl. O arcebispo prometeu que o resultado da investigação será revisto por uma segunda equipa jurídica e publicado em março deste ano, o mais tardar.

O arcebispo de Colónia enfrenta ele próprio acusações de ter encoberto denúncias de abuso sexual envolvendo um padre da diocese e inúmeros religiosos pediram esta semana o seu afastamento do cargo.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Interiormente perturbador

Cinema

Interiormente perturbador novidade

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This