Cardeal-arcebispo de Colónia perde a confiança do seu Conselho diocesano de pastoral

| 18 Fev 21

Cardeal Rainer Maria Woelki.

Cardeal Rainer Maria Woelki. Foto: Diocese de Colónia/ Wikimedia Commons

O Conselho Pastoral da diocese de Colónia tornou público, após a sua última reunião plenária, que deixou de confiar no seu arcebispo, o cardeal Rainer María Woelki. Tal quebra de confiança radica no modo com este tem conduzido as investigações sobre casos de abusos sexuais na arquidiocese, noticia o jornal Kairós News.

Na sua inédita decisão, a assembleia plenária do Conselho Pastoral considerou inaceitável que “as investigações em curso sobre abusos sexuais denunciados continuem sem produzir resultados” e que o cardeal deve “assumir as suas responsabilidades e não atrasar mais o esclarecimento e as consequentes decisões legais”.

Woelki tem sido acusado de encobrir ativamente diversos casos de pedofilia, nomeadamente um caso envolvendo um pároco de Dusseldórfia que, entre 1971 e 1996, terá abusado de diversos menores. Depois de ter suspendido as investigações sobre as queixas recebidas pela arquidiocese que entregara em 2018 a uma firma de advogados de Munique, o cardeal recusou na semana passada divulgar o relatório de uma segunda equipa de advogados por si nomeados, desculpando-se com “graves deficiências metodológicas” que o documento teria. Esta foi a gota de água que levou à tomada de posição do Conselho Pastoral.

“A forma como se comporta à frente do arcebispado de Colónia é inacreditável, sobretudo num momento em que a nossa igreja atravessa a mais grave crise da sua história” afirmou ao diário Kolner Stadt-Anzeiger o presidente do Conselho Pastoral, o autarca Tim Kurzbach, que acrescentou: “Como instância moral, o arcebispo de Colónia falhou redondamente.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos…

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos… novidade

Inicio o meu quarto ano de uma escrita a que não estava habituada, a crónica jornalística. Nos primeiros três anos escrevi sobre a interculturalidade. Falei sobre o modo como podemos, por hipótese, colocar as culturas moçambicanas e portuguesa a dialogarem. Noutras vezes, inclui a cultura judaica, no diálogo com essas culturas. De um modo geral, tenho-me questionado sobre a cultura, nas suas diferentes manifestações: literatura, costumes, comportamentos sociais, práticas culturais, modos de ser, de estar e de fazer.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This