Cardeal George Pell condenado a seis anos de prisão por abusos sexuais

| 13 Mar 19

Fonte © Vídeo ABC News Australia.

O cardeal australiano George Pell foi condenado a seis anos de prisão, depois de ter sido acusado de, em 1996, abusar sexualmente de dois rapazes do coro da catedral de S. Patrício, em Melbourne, onde era arcebispo.

O antigo conselheiro económico do Vaticano, 77 anos, foi condenado a um período de prisão efetiva de três anos e oito meses. Na leitura da sentença, o juiz Peter Kidd, do tribunal de Victoria, na Austrália, descreveu a atitude do prelado como “pautada pela arrogância” por achar que as vítimas nunca se queixariam: “No meu ponto de vista, o primeiro episódio na sacristia envolveu atos sexuais forçados com ambas as vítimas. Os atos foram sexualmente gráficos. Ambas as vítimas ficaram traumatizadas.”

No julgamento, um dos queixosos, agora com 35 anos, contou que ele e a segunda vítima tinham entrado na sacristia às escondidas para beber vinho sacramental. Quando Pell os encontrou obrigou ambos a fazer-lhe sexo oral. Em comunicado, a vítima expressou: “Como muitos sobreviventes experimentei vergonha, solidão, depressão. Como muitos sobreviventes demorei anos a perceber o impacto deste episódio na minha vida.”

O outro rapaz envolvido nos abusos morreu em 2014 de overdose de heroína, sem nunca chegar a relatar o sucedido à polícia.

George Pell foi considerado culpado de quatro acusações de ato indecente e um de penetração sexual no final de fevereiro mas só agora é conhecida a sua sentença. Durante a sua leitura, o juiz mostrou-se desagradado com o abuso de poder de que George Pell se aproveitou: “Como arcebispo, tinha uma relação de autoridade com os rapazes do coro. Eles estavam em parte a actuar para lhe agradar. Eram os indivíduos mais frágeis e mais subordinados na catedral.”

O cardeal George Pell continua a reclamar inocência dos crimes pelos quais foi agora condenado, como tem feito desde que surgiram as acusações, em 2016. Foi entrevistado por um detetive australiano em Roma, em outubro de 2016, e o vídeo dessa entrevista foi visto em tribunal. Na conversa, Pell descrevia as alegações como “um monte de lixo e falsidades.” Os seus advogados apresentaram um recurso, que será analisado em junho.

Esta não é a primeira acusação feita ao cardeal. Em 2002, tinha sido acusado por um antigo acólito que dizia que George Pell o tinha molestado durante um campo de férias em 1961. Na altura, um juiz do Supremo Tribunal de Vitória considerou que a acusação não tinha qualquer fundamento.

Nascido a 8 de junho de 1941 na aldeia de Ballarat, no Estado de Vitória, George Pell sempre foi considerado um conservador, como recorda um texto biográfico publicado pela TSF. A mesma fonte diz que defendia benefícios fiscais para os casais divorciados com filhos menores que ficassem juntos e um imposto especial para os que se separavam, para compensar os danos sociais causados. E era fonte frequente de declarações polémicas como “o aborto é um mal moral mais grave que o abuso sexual de menores”. Ficou também conhecido por defender veementemente o celibato.

Foi nomeado em 1996 para arcebispo de Melbourne. Nos cinco anos em que esteve no cargo, George Pell afastou 20 padres suspeitos de terem abusado de menores. Em 2001, o Papa João Paulo II nomeou-o arcebispo de Sidney e também aí teve de gerir um escândalo de abusos sexuais, com acusações feitas a 50 padres.

Antes de voltar de Roma à Austrália por causa das acusações, em 2018, o arcebispo foi durante três anos um dos membros do C-9, o organismo de cardeais escolhidos pelo Papa Francisco, com a missão de vigiar as finanças e impedir a corrupção no Vaticano. Na altura, comentou-se que o Papa queria, com isso, anular a oposição que, no início, Pell lhe faria. A sua condenação traz mais um problema ao Papa, depois da condenação, na semana passada, do cardeal Philippe Barbarin, de Lyon (França) e depois da redução ao estado laical do ex-cardeal Theodore McCarrick, dos Estados Unidos. 

 

Artigos relacionados

Breves

Espanha: Milhares protestam contra nova lei da educação “laicista” novidade

Milhares de carros encheram as ruas de diversas cidades espanholas este domingo, 22 de novembro, para protestar contra a nova lei da educação, que passou na passada quinta-feira no Congresso espanhol por apenas um voto. A manifestação foi organizada pela plataforma Más Plurales, que considera que a lei aprovada “desvaloriza o ensino da disciplina de Religião na escola” e constitui uma “agressão à liberdade de consciência, a favor da imposição de uma ideologia laicista imprópria de um Estado não confessional”, conforme pode ler-se no seu manifesto.

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Jovens portugueses recebem símbolos da JMJ

Uma dezena de jovens portugueses estarão no Vaticano, no próximo domingo, 22 de Novembro, dia em que a Igreja Católica celebra a liturgia de Cristo Rei, para receber os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ): a cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani – informou o comité local da JMJ.

Rita Valadas nomeada como nova presidente da Cáritas Portuguesa

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) nomeou neste sábado, 14 de Novembro, uma nova presidente para a Cáritas Portuguesa: Rita Valadas, que já integrou a direcção da instituição num dos últimos mandatos, sucede no cargo a Eugénio Fonseca, anunciou a CEP no final da sua assembleia plenária, que decorreu em Fátima desde quarta-feira.

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia 

Entre margens

Uma oportunidade para a renovação democrática novidade

Se é importante sublinhar que as identidades pessoais e coletivas configuram convenções socialmente necessárias à convivência, elas constituem, antes de tudo, um desafio e uma tarefa quando reclamam por reconhecimento e justiça no espaço público. No entanto, se exploradas politicamente, dão lugar a expressões de fundamentalismos de vária ordem: muros que separam os “bons” dos “maus”, postos de trabalho para os de “dentro” e não para os de “fora”, entre outros fenómenos conhecidos.

Bater o coração com novas músicas de Abril

Sempre sonhei acordada: como seria se eu tivesse nascido e vivido antes do 25 de Abril? O que faria, que personagem era, quem seria eu dentro de um estado onde parte das minhas liberdades, direitos e garantias eram reduzidos ou inexistentes, se não tivesse a liberdade de conversar com quem eu queria, sobre o que queria? Ou ouvir qualquer tipo de música que me agrada e me faz pensar, ler os livros que bem entendo, dar a minha opinião acerca do que me rodeia?

Gonçalo – o jardineiro de Deus

Gonçalo Ribeiro Telles foi um católico inconformista e determinado. Subscreveu em 1959 e 1965 três importantes documentos de católicos em denúncia da ausência de liberdade, da censura, e da repressão, arcando com as consequências de uma tal ousadia. Os textos de 1959 intitulavam-se significativamente: “As relações entre a Igreja e o Estado e a liberdade dos católicos” e “Carta a Salazar sobre os serviços de repressão do regime”; ambos tinham como primeiros subscritores os Padres Abel Varzim e Adriano Botelho.

Cultura e artes

Dois retábulos em restauro no Mosteiro de Pombeiro novidade

Os retábulos de Nossa Senhora das Dores e de Santo António (bem como as respectivas esculturas) na nave da igreja do Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro (Felgueiras) estão a ser sujeitos a uma operação de conservação e restauro, com o objectivo de melhorar a estabilidade estrutural, valorizar a vertente conservativa e restituir, tanto quanto possível, uma leitura integrada do conjunto.

Bater o coração com novas músicas de Abril

Sempre sonhei acordada: como seria se eu tivesse nascido e vivido antes do 25 de Abril? O que faria, que personagem era, quem seria eu dentro de um estado onde parte das minhas liberdades, direitos e garantias eram reduzidos ou inexistentes, se não tivesse a liberdade de conversar com quem eu queria, sobre o que queria? Ou ouvir qualquer tipo de música que me agrada e me faz pensar, ler os livros que bem entendo, dar a minha opinião acerca do que me rodeia?

Quando o Cristo-Rei voou

À luz das estrelas floriram-lhe as asas / E ao albor o Cristo-Rei lançou-se e voou… (um poema de Liomarevi)

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco