Cardeal George Pell condenado a seis anos de prisão por abusos sexuais

| 13 Mar 19

Fonte © Vídeo ABC News Australia.

O cardeal australiano George Pell foi condenado a seis anos de prisão, depois de ter sido acusado de, em 1996, abusar sexualmente de dois rapazes do coro da catedral de S. Patrício, em Melbourne, onde era arcebispo.

O antigo conselheiro económico do Vaticano, 77 anos, foi condenado a um período de prisão efetiva de três anos e oito meses. Na leitura da sentença, o juiz Peter Kidd, do tribunal de Victoria, na Austrália, descreveu a atitude do prelado como “pautada pela arrogância” por achar que as vítimas nunca se queixariam: “No meu ponto de vista, o primeiro episódio na sacristia envolveu atos sexuais forçados com ambas as vítimas. Os atos foram sexualmente gráficos. Ambas as vítimas ficaram traumatizadas.”

No julgamento, um dos queixosos, agora com 35 anos, contou que ele e a segunda vítima tinham entrado na sacristia às escondidas para beber vinho sacramental. Quando Pell os encontrou obrigou ambos a fazer-lhe sexo oral. Em comunicado, a vítima expressou: “Como muitos sobreviventes experimentei vergonha, solidão, depressão. Como muitos sobreviventes demorei anos a perceber o impacto deste episódio na minha vida.”

O outro rapaz envolvido nos abusos morreu em 2014 de overdose de heroína, sem nunca chegar a relatar o sucedido à polícia.

George Pell foi considerado culpado de quatro acusações de ato indecente e um de penetração sexual no final de fevereiro mas só agora é conhecida a sua sentença. Durante a sua leitura, o juiz mostrou-se desagradado com o abuso de poder de que George Pell se aproveitou: “Como arcebispo, tinha uma relação de autoridade com os rapazes do coro. Eles estavam em parte a actuar para lhe agradar. Eram os indivíduos mais frágeis e mais subordinados na catedral.”

O cardeal George Pell continua a reclamar inocência dos crimes pelos quais foi agora condenado, como tem feito desde que surgiram as acusações, em 2016. Foi entrevistado por um detetive australiano em Roma, em outubro de 2016, e o vídeo dessa entrevista foi visto em tribunal. Na conversa, Pell descrevia as alegações como “um monte de lixo e falsidades.” Os seus advogados apresentaram um recurso, que será analisado em junho.

Esta não é a primeira acusação feita ao cardeal. Em 2002, tinha sido acusado por um antigo acólito que dizia que George Pell o tinha molestado durante um campo de férias em 1961. Na altura, um juiz do Supremo Tribunal de Vitória considerou que a acusação não tinha qualquer fundamento.

Nascido a 8 de junho de 1941 na aldeia de Ballarat, no Estado de Vitória, George Pell sempre foi considerado um conservador, como recorda um texto biográfico publicado pela TSF. A mesma fonte diz que defendia benefícios fiscais para os casais divorciados com filhos menores que ficassem juntos e um imposto especial para os que se separavam, para compensar os danos sociais causados. E era fonte frequente de declarações polémicas como “o aborto é um mal moral mais grave que o abuso sexual de menores”. Ficou também conhecido por defender veementemente o celibato.

Foi nomeado em 1996 para arcebispo de Melbourne. Nos cinco anos em que esteve no cargo, George Pell afastou 20 padres suspeitos de terem abusado de menores. Em 2001, o Papa João Paulo II nomeou-o arcebispo de Sidney e também aí teve de gerir um escândalo de abusos sexuais, com acusações feitas a 50 padres.

Antes de voltar de Roma à Austrália por causa das acusações, em 2018, o arcebispo foi durante três anos um dos membros do C-9, o organismo de cardeais escolhidos pelo Papa Francisco, com a missão de vigiar as finanças e impedir a corrupção no Vaticano. Na altura, comentou-se que o Papa queria, com isso, anular a oposição que, no início, Pell lhe faria. A sua condenação traz mais um problema ao Papa, depois da condenação, na semana passada, do cardeal Philippe Barbarin, de Lyon (França) e depois da redução ao estado laical do ex-cardeal Theodore McCarrick, dos Estados Unidos. 

 

Artigos relacionados

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Hanau: isto não foi o Capuchinho Vermelho novidade

De vez em quando, a morte passa-nos por perto. Hanau fica a trinta quilómetros de onde moro e é conhecida por ser a cidade natal dos irmãos Grimm, aqueles que compilaram contos populares alemães como o Capuchinho Vermelho ou a Branca de Neve. Muitos deles são histórias terríveis que eram contadas às crianças para ganharem a noção da maldade humana e não serem enganadas facilmente.

A lição de Merkel

As eleições de Outubro de 2019 na Turíngia, estado da antiga República Democrática Alemã, ditaram um resultado que se vislumbraria difícil de solucionar. A esquerda do Die Linke ganhou as eleições, seguida da direita radical da Alternativa para a Alemanha (AfD) e da União Democrata Cristã (CDU), de Angela Merkel. O Partido Social-Democrata (SPD), não foi além dos 8,2% e os Verdes e os Liberais (FDP) ficaram na casa dos 5%.

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Sankt Andreas Kirke, Copenhaga – Uma igreja nómada

Gothersgade 148, 1123 København K, Igreja de Skt. Andreas. Era este o sítio a que nos devíamos dirigir quando nos interessámos por um concerto de música clássica, de entrada gratuita, por altura do Natal de 2009. Estávamos em fase de descoberta daquela que seria a nossa casa por 10 anos – Copenhaga, Dinamarca.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco