Cardeal George Pell condenado a seis anos de prisão por abusos sexuais

| 13 Mar 19

Fonte © Vídeo ABC News Australia.

O cardeal australiano George Pell foi condenado a seis anos de prisão, depois de ter sido acusado de, em 1996, abusar sexualmente de dois rapazes do coro da catedral de S. Patrício, em Melbourne, onde era arcebispo.

O antigo conselheiro económico do Vaticano, 77 anos, foi condenado a um período de prisão efetiva de três anos e oito meses. Na leitura da sentença, o juiz Peter Kidd, do tribunal de Victoria, na Austrália, descreveu a atitude do prelado como “pautada pela arrogância” por achar que as vítimas nunca se queixariam: “No meu ponto de vista, o primeiro episódio na sacristia envolveu atos sexuais forçados com ambas as vítimas. Os atos foram sexualmente gráficos. Ambas as vítimas ficaram traumatizadas.”

No julgamento, um dos queixosos, agora com 35 anos, contou que ele e a segunda vítima tinham entrado na sacristia às escondidas para beber vinho sacramental. Quando Pell os encontrou obrigou ambos a fazer-lhe sexo oral. Em comunicado, a vítima expressou: “Como muitos sobreviventes experimentei vergonha, solidão, depressão. Como muitos sobreviventes demorei anos a perceber o impacto deste episódio na minha vida.”

O outro rapaz envolvido nos abusos morreu em 2014 de overdose de heroína, sem nunca chegar a relatar o sucedido à polícia.

George Pell foi considerado culpado de quatro acusações de ato indecente e um de penetração sexual no final de fevereiro mas só agora é conhecida a sua sentença. Durante a sua leitura, o juiz mostrou-se desagradado com o abuso de poder de que George Pell se aproveitou: “Como arcebispo, tinha uma relação de autoridade com os rapazes do coro. Eles estavam em parte a actuar para lhe agradar. Eram os indivíduos mais frágeis e mais subordinados na catedral.”

O cardeal George Pell continua a reclamar inocência dos crimes pelos quais foi agora condenado, como tem feito desde que surgiram as acusações, em 2016. Foi entrevistado por um detetive australiano em Roma, em outubro de 2016, e o vídeo dessa entrevista foi visto em tribunal. Na conversa, Pell descrevia as alegações como “um monte de lixo e falsidades.” Os seus advogados apresentaram um recurso, que será analisado em junho.

Esta não é a primeira acusação feita ao cardeal. Em 2002, tinha sido acusado por um antigo acólito que dizia que George Pell o tinha molestado durante um campo de férias em 1961. Na altura, um juiz do Supremo Tribunal de Vitória considerou que a acusação não tinha qualquer fundamento.

Nascido a 8 de junho de 1941 na aldeia de Ballarat, no Estado de Vitória, George Pell sempre foi considerado um conservador, como recorda um texto biográfico publicado pela TSF. A mesma fonte diz que defendia benefícios fiscais para os casais divorciados com filhos menores que ficassem juntos e um imposto especial para os que se separavam, para compensar os danos sociais causados. E era fonte frequente de declarações polémicas como “o aborto é um mal moral mais grave que o abuso sexual de menores”. Ficou também conhecido por defender veementemente o celibato.

Foi nomeado em 1996 para arcebispo de Melbourne. Nos cinco anos em que esteve no cargo, George Pell afastou 20 padres suspeitos de terem abusado de menores. Em 2001, o Papa João Paulo II nomeou-o arcebispo de Sidney e também aí teve de gerir um escândalo de abusos sexuais, com acusações feitas a 50 padres.

Antes de voltar de Roma à Austrália por causa das acusações, em 2018, o arcebispo foi durante três anos um dos membros do C-9, o organismo de cardeais escolhidos pelo Papa Francisco, com a missão de vigiar as finanças e impedir a corrupção no Vaticano. Na altura, comentou-se que o Papa queria, com isso, anular a oposição que, no início, Pell lhe faria. A sua condenação traz mais um problema ao Papa, depois da condenação, na semana passada, do cardeal Philippe Barbarin, de Lyon (França) e depois da redução ao estado laical do ex-cardeal Theodore McCarrick, dos Estados Unidos. 

 

Artigos relacionados

Breves

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra novidade

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Eventos decorrem até dia 29

Semana Laudato si’ 2022

A Semana Laudato Si’, evento de uma semana de duração que marca o sétimo aniversário da encíclica do Papa Francisco sobre o cuidado da criação, contará com uma série de celebrações globais e a primeira apresentação pública do trailer oficial de O Convite, um novo filme com o Papa Francisco.

China

Repressão contra uigures não para

O município de Konasheher, no centro da região uigur chinesa (Xinjiang), detém, segundo um levantamento da Associated Press (AP), a maior taxa de prisão conhecida no mundo: mais de 10.000 uigures (um em cada 25 habitantes) estão presos, acusados pelos tribunais chineses de atos de terrorismo.

Boas notícias

Guerras, medos, esperas e outras histórias bizarras

Migrantes e refugiados contam vidas em teatro

Guerras, medos, esperas e outras histórias bizarras

E como se arruma a vida numa pequena mala se tivermos apenas uma hora para fugir das bombas? Porque temos de decidir deixar para trás a roupa nova, o colchão de yoga, o livro que se começou a ler? Como se pode trocar um dia de aniversário pelo dia de início de uma guerra que outros nos fazem? Porque não se pode, sequer, encenar o pequeno teatro que era costume fazer para os amigos nesse dia?

É notícia 

Entre margens

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Uma renovação a precisar de novos impulsos

  A experiência que fizemos no Concílio Vaticano II constitui o rosto dos documentos tão ricos que ficam como acervo da sua memória, dizia frequentemente o bispo de Aveiro, D. Manuel de Almeida Trindade. Eu era seu colaborador pastoral. E pude verificar como...

O melhor seria

Tive três filhos e perdi quatro. Por um deles, que não sobreviveu in utero, fui levada para uma ala da maternidade onde havia mulheres com os seus filhos, já nascidos ou prestes a nascer. Havia uma outra ala, a de quem estava para abortar.

Cultura e artes

[Debate 7M: A Igreja e os média–4]

Saber falar com os média novidade

Há muitos, muitos anos, quando comecei a ser jornalista, não havia on-line, nem computadores, nem telemóveis, nem redes sociais. Não havia nada disso. Mas havia, em cada redacção dos grandes meios de comunicação social, um especialista em Igreja. Eram normalmente homens e sempre jornalistas seniores.

[Debate 7M: A Igreja e os Média–3]

Comunicar, o verbo que urge conjugar

É urgente (sim, é esta a palavra certa) que a Igreja – a sua hierarquia, os seus múltiplos departamentos – entenda que, para manter a sua respeitabilidade não pode furtar-se ao escrutínio da comunicação social, não pode fechar-se na sua concha. Tem de comunicar, comunicar com todos, esclarecer sempre que questionada, com a rapidez e a linguagem dos tempos que correm.

Teólogo jesuíta em Portugal

Diálogo inter-religioso não é estratégia, mas atitude existencial, diz Javier Melloni

“O diálogo inter-religioso não é uma estratégia para sobreviver em tempos de forçada pluralidade, mas trata-se de uma atitude existencial que implica toda a pessoa”, diz o jesuíta catalão Javier Melloni no seu livro Para Um Tempo de Síntese – Presente e futuro das religiões (ed. Fragmenta), que acaba de ser publicado e que o próprio apresentará em Portugal, a partir desta segunda-feira, 23 de Maio, em quatro conferências públicas

Sete Partidas

Páscoa na Arménia

Quando andámos a filmar o ARtMENIANS em 2014, pudemos assistir ao #rito da Páscoa da Igreja Arménia: Domingo de Ramos em Etchmiadzin (o “Vaticano” da Igreja Arménia), e Domingo de Páscoa no mosteiro de Gelarde. Recomendo tudo: as celebrações, os cânticos antiquíssimos, a vivência da fé, os cenários. A alegria das crianças no Domingo de Ramos, a festa da ressurreição em Gelarde – e uma solista a cantar numa sala subterrânea, uma das primeiras igrejas cristãs do mundo. 

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This