Cardeal Barbarin apresenta demissão ao Papa depois de condenado por encobrimento de abusos sexuais

| 7 Mar 19 | Destaque 2, Igreja Católica, Últimas

Fã de Tintin, ia de bicicleta para as reuniões preparatórias do conclave e condena com firmeza a homossexualidade e o casamento entre pessoas do mesmo sexo. O cardeal Barbarin, arcebispo de Lyon, foi sentenciado por encobrir casos de abusos sexuais e irá dentro de dias apresentar ao Papa a sua demissão. 

Ilustração publicada no “Público” de 24 de Fevereiro © Cristina Sampaio

 

O arcebispo de Lyon, cardeal Philippe Barbarin, foi condenado em tribunal, nesta quinta-feira, 7 de Março, por ter silenciado abusos sexuais cometidos pelo padre Bernard Preynat sobre menores. Na sequência da sentença de seis meses de prisão com pena suspensa, o cardeal anunciou que irá entregar a sua demissão ao Papa, já dentro de poucos dias.

“Independentemente do meu destino pessoal, quero reiterar toda a minha compaixão pelas vítimas”, afirmou o cardeal, citado no Libération.

Na mesma sentença, o tribunal inocentou os restantes acusados: o arcebispo de Auch, Maurice Gardès; o bispo de Nevers, Thierry Brac de La Perrière; o padre Xavier Grillo; e ainda Pierre Durieux, ex-director do gabinete do cardeal; e Régine Maire, encarregue por Barbarin de receber as vítimas de pedofilia. O facto de o único condenado ser o cardeal, como nota Le Monde, não deixa de ser simbólico, pois pode significar que o tribunal quis sublinhar a responsabilidade de um dos mais importantes membros da hierarquia católica francesa (que tem mesmo o título de “primaz das Gálias”) no encobrimento intencional dos crimes e na colocação de entraves à justiça, não denunciando os factos de que tomara conhecimento.

Citada no La Croix, a presidente do tribunal, Brigitte Vernay, declarou Barbarin culpado de não-denúncia de maus tratos infligidos em 2014 e 2015 a um menor, depois de ter recebido Alexandre Hezez, a primeira vítima que o procurou. Na sua deliberação, o tribunal assinala a “inércia” e as contradições do arcebispo, cita ainda o mesmo jornal. As suas funções davam-lhe acesso a todas as informações e o cardeal tinha capacidade de as analisar e comunicar de forma útil às autoridades. Mas “fez uma escolha em consciência, para preservar a instituição a que pertence, de não as transmitir à justiça”, preferindo desse modo “impedir a descoberta de numerosas vítimas de abusos sexuais pela justiça e de interditar a expressão da sua dor”, dizia a sentença.

 

Fã de Tintin, de bicicleta para o conclave

Nascido em Rabat (Marrocos), Barbarin foi nomeado cardeal aos 53 anos, em 2002, ainda pelo Papa João Paulo II. Condena com veemência a homossexualidade e foi opositor firme da lei francesa que permitiu o casamento de pessoas do mesmo sexo. Ao mesmo tempo, Philippe Barbarin é fã da banda desenhada de Tintin e era o cardeal que, nas reuniões pré-conclave que elegeram os papas Bento XVI (2005) e Francisco (2013), aparecia de bicicleta.

Os advogados do cardeal anunciaram já que irão recorrer da sentença. “A motivação do tribunal não me convence”, afirmou Jean-Félix Liciani. Citado no Monde, o advogado acrescentou que “era difícil para o tribunal resistir a uma tal pressão, com documentários, um filme… Isso põe questões reais sobre o respeito da justiça.”

Ao contrário, as vítimas do padre Preynat consideraram a sentença “uma grande vitória para a protecção da infância”. Em declarações à AFP, François Devaux, presidente da associação La Parole Liberée (A palavra libertada), considerou a sentença como um “forte sinal” que indica que “os tempos mudaram” para a Igreja e que a decisão de demissão já deveria ter sido tomada “há muito tempo”. E acrescentava: “Ninguém está acima das leis. Não há lugar a qualquer triunfalismo, que seria deslocado, mas creio que podemos todos ficar satisfeitos.” A sentença, disse ainda, é “o ponto de chegada de um longo caminho para que surja uma consciência global sobre a relação com o poder, o lugar da religião na nossa sociedade e a importância da protecção da infância.”

“Não estou surpreendido, estava persuadido de que teríamos este resultado, tendo em conta o que se passou na audiência”, acrescentou outro dos denunciantes, Pierre-Emmanuel Germain-Thill. “Isto mostra que tudo o que denunciamos há quatro anos existia realmente.”

O processo de Barbarin foi muito acompanhado em termos mediáticos, tendo em conta que as acusações contra o cardeal traduzem, desde há três anos, a crise em que a hierarquia católica francesa se tem visto envolvida por causa da questão dos abusos sexuais – além de Barbarin, o La Croix recorda que outros dois bispos tinham sido condenados pelas mesmas razões: Pierre Pican, então bispo de Évreux, em 2001, e André Fort, antigo bispo de Orleães, em Novembro de 2018.

A Conferência dos Bispos de França coloca na “consciência pessoal” do cardeal as suas próprias decisões, acrescentando que aguardarão os resultados do recurso. Do Vaticano, não há para já qualquer reacção. O La Croixcita fontes da Santa Sé para dizer que só depois da audiência com o Papa poderá haver um comentário oficial.

Artigos relacionados

Breves

Há seis anos, a primeira homilia do Papa em Santa Marta

Foi uma das fotografias icónicas daquele Março de 2013: dia 22, nove dias após a eleição e três dias após a celebração de início de pontificado, o Papa Francisco celebrou missa com os jardineiros e empregados da recolha do lixo do Vaticano; no final da missa, enquanto alguns dos funcionários do Estado pontifício permaneciam nos bancos, Francisco sentou-se atrás, num momento de oração

Parlamento rejeita voto de pesar e solidariedade com Tibete

Os votos do PS, PSD, PCP uniram-se esta sexta-feira no Parlamento para recusar um voto de pesar pelas vítimas da ocupação chinesa do Tibete ao longo de 60 anos e de solidariedade com o povo tibetano. O voto foi proposto pelo deputado André Silva, do PAN (Pessoas Animais e Natureza.)

Boas notícias

Uma Semana da Fraternidade judaico-cristã contra o anti-semitismo

Uma Semana da Fraternidade judaico-cristã contra o anti-semitismo

A realização da Semana da Fraternidade, uma iniciativa da Sociedade para a Cooperação Judaico-Cristã da Alemanha que tem como objectivos a promoção do diálogo entre judeus e cristãos, a colaboração na luta contra toda a forma de anti-judaísmo e anti-semitismo e a cultura da memória das vítimas do Holocausto, coincide este ano com um contexto de crescente anti-semitismo na Alemanha.

É notícia 

Entre margens

Do diálogo inter-religioso às teologias pluralistas

No futuro iremos certamente ver confissões religiosas a desenvolver teologias pluralistas. O caminho passa, acredito, por evitar o sincretismo e procurar uma transformação profunda na forma como as pessoas entendem o universo das religiões e o lugar que a sua religião ocupa nesse universo. As teologias pluralistas devem igualmente transmitir a ideia de que nenhuma religião em particular é a protagonista principal da história religiosa da humanidade. Esse protagonismo apenas pode ser atribuído ao próprio Criador.

O que (quem) vemos, quando olhamos as margens?

Cristo não temeu a margem: não nos feriu, não nos gritou, não nos condenou, não se envergonhou de nós. Por isso, neste período quaresmal, crentes e não-crentes, tentemos aprender com Ele, com o Seu exemplo, algo que nos ajude a transformar as nossas margens em autênticos encontros com a Humanidade.

Matar é cobardia, coragem é conviver!

Imaginemos que um islamita armado entrava num domingo na Sé de Lisboa e assassinava cinquenta católicos, entre adultos e crianças. Foi o que fez o supremacista branco Brenton Tarrant. Só que os mortos são muçulmanos, abatidos em duas mesquitas de Cristchurch (Nova Zelândia). Para alguns é mais fácil a cobardia do assassinato do que a coragem da convivência.

Cultura e artes

O armário de Frédéric Martel

A tese central do livro, desdobrada em 14 regras, é a de que a Igreja Católica está a ser destruída pela doutrina moral que impõe o celibato e a castidade, ao mesmo tempo que abomina a homossexualidade, mas convive com uma enorme tolerância disciplinar perante práticas homossexuais, incluindo o encobrimento de abusos sexuais.

“Sombra Silêncio” – poesia para vigiar o Mistério

Assim descreve Carlos Poças Falcão, numa breve nota final, os poemas reunidos em Sombra Silêncio: «Cançonetas de um Verão que logo passam, mas que para sempre ficam ligadas à memória mítica de um rosto, de um clima, de um lugar – assim estes poemas. Em caso algum me biografei. Mas em todos eles me vejo e me estranho.»

“Rezar no Coração” – o discípulo pergunta, o mestre responde

Em Rezar no Coração, Tomáš Špidlík, jesuíta checo, utiliza o método dos antigos mestres da espiritualidade com os seus discípulos – o discípulo pergunta e o mestre vai respondendo, sendo cada resposta um convite a nova pergunta. É este cenário de proximidade que...

Gomes Eanes: paradigma do espírito reformista no século XV, elo português no retiro do Papa

Estando o tema da Reforma da Igreja Católica, mais uma vez, na ordem do dia é de particular pertinência evocar a voz e o percurso de uma figura maior do universo religioso português do século XV e do diálogo luso-italiano que teve lugar nesta centúria: D. Gomes Eanes, tradicionalmente conhecido como o Abade de Florença. A sua voz ressoa em centenas de registos exemplificativos da abertura de Portugal às correntes reformistas e de observância que então percorriam a Cristandade.

Sete Partidas

Pacto de Luz

“Por cá o Inverno vai bem alto, que é o mesmo que dizer temperaturas muito baixas e neve fresca todos os dias. Mas é a escuridão que inquieta e desiquilibra, fazendo-me a cada ano por esta altura, desejar regressar ao meu tão amado Sul.”

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Mar
27
Qua
Apresentação do livro «Peregrino da Liberdade Dalai Lama XIV», de Ricardo de Saavedra @ El Corte Inglés - Lisboa
Mar 27@18:30_19:30
Abr
6
Sáb
Apresentação do livro “Descalço também se caminha”, do padre João Aguiar @ Espaço Vita
Abr 6@21:00_22:00
Abr
8
Seg
Os católicos, a Igreja e o direito à revolução. A ideia de revolução e as opções revolucionárias em Portugal durante o Estado Novo @ Universidade Católica Portuguesa (Lisboa)
Abr 8@15:00_17:00

Ver todas as datas

Fale connosco

Cardeal Barbarin apresenta demissão ao Papa depois de condenado por encobrimento de abusos sexuais

| 7 Mar 19 | Destaque 2, Igreja Católica, Últimas

Artigos relacionados

Breves

Há seis anos, a primeira homilia do Papa em Santa Marta

Foi uma das fotografias icónicas daquele Março de 2013: dia 22, nove dias após a eleição e três dias após a celebração de início de pontificado, o Papa Francisco celebrou missa com os jardineiros e empregados da recolha do lixo do Vaticano; no final da missa, enquanto alguns dos funcionários do Estado pontifício permaneciam nos bancos, Francisco sentou-se atrás, num momento de oração

Parlamento rejeita voto de pesar e solidariedade com Tibete

Os votos do PS, PSD, PCP uniram-se esta sexta-feira no Parlamento para recusar um voto de pesar pelas vítimas da ocupação chinesa do Tibete ao longo de 60 anos e de solidariedade com o povo tibetano. O voto foi proposto pelo deputado André Silva, do PAN (Pessoas Animais e Natureza.)

Boas notícias

Uma Semana da Fraternidade judaico-cristã contra o anti-semitismo

Uma Semana da Fraternidade judaico-cristã contra o anti-semitismo

A realização da Semana da Fraternidade, uma iniciativa da Sociedade para a Cooperação Judaico-Cristã da Alemanha que tem como objectivos a promoção do diálogo entre judeus e cristãos, a colaboração na luta contra toda a forma de anti-judaísmo e anti-semitismo e a cultura da memória das vítimas do Holocausto, coincide este ano com um contexto de crescente anti-semitismo na Alemanha.

É notícia 

Entre margens

Do diálogo inter-religioso às teologias pluralistas

No futuro iremos certamente ver confissões religiosas a desenvolver teologias pluralistas. O caminho passa, acredito, por evitar o sincretismo e procurar uma transformação profunda na forma como as pessoas entendem o universo das religiões e o lugar que a sua religião ocupa nesse universo. As teologias pluralistas devem igualmente transmitir a ideia de que nenhuma religião em particular é a protagonista principal da história religiosa da humanidade. Esse protagonismo apenas pode ser atribuído ao próprio Criador.

O que (quem) vemos, quando olhamos as margens?

Cristo não temeu a margem: não nos feriu, não nos gritou, não nos condenou, não se envergonhou de nós. Por isso, neste período quaresmal, crentes e não-crentes, tentemos aprender com Ele, com o Seu exemplo, algo que nos ajude a transformar as nossas margens em autênticos encontros com a Humanidade.

Matar é cobardia, coragem é conviver!

Imaginemos que um islamita armado entrava num domingo na Sé de Lisboa e assassinava cinquenta católicos, entre adultos e crianças. Foi o que fez o supremacista branco Brenton Tarrant. Só que os mortos são muçulmanos, abatidos em duas mesquitas de Cristchurch (Nova Zelândia). Para alguns é mais fácil a cobardia do assassinato do que a coragem da convivência.

Cultura e artes

O armário de Frédéric Martel

A tese central do livro, desdobrada em 14 regras, é a de que a Igreja Católica está a ser destruída pela doutrina moral que impõe o celibato e a castidade, ao mesmo tempo que abomina a homossexualidade, mas convive com uma enorme tolerância disciplinar perante práticas homossexuais, incluindo o encobrimento de abusos sexuais.

“Sombra Silêncio” – poesia para vigiar o Mistério

Assim descreve Carlos Poças Falcão, numa breve nota final, os poemas reunidos em Sombra Silêncio: «Cançonetas de um Verão que logo passam, mas que para sempre ficam ligadas à memória mítica de um rosto, de um clima, de um lugar – assim estes poemas. Em caso algum me biografei. Mas em todos eles me vejo e me estranho.»

“Rezar no Coração” – o discípulo pergunta, o mestre responde

Em Rezar no Coração, Tomáš Špidlík, jesuíta checo, utiliza o método dos antigos mestres da espiritualidade com os seus discípulos – o discípulo pergunta e o mestre vai respondendo, sendo cada resposta um convite a nova pergunta. É este cenário de proximidade que...

Gomes Eanes: paradigma do espírito reformista no século XV, elo português no retiro do Papa

Estando o tema da Reforma da Igreja Católica, mais uma vez, na ordem do dia é de particular pertinência evocar a voz e o percurso de uma figura maior do universo religioso português do século XV e do diálogo luso-italiano que teve lugar nesta centúria: D. Gomes Eanes, tradicionalmente conhecido como o Abade de Florença. A sua voz ressoa em centenas de registos exemplificativos da abertura de Portugal às correntes reformistas e de observância que então percorriam a Cristandade.

Sete Partidas

Pacto de Luz

“Por cá o Inverno vai bem alto, que é o mesmo que dizer temperaturas muito baixas e neve fresca todos os dias. Mas é a escuridão que inquieta e desiquilibra, fazendo-me a cada ano por esta altura, desejar regressar ao meu tão amado Sul.”

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Mar
27
Qua
Apresentação do livro «Peregrino da Liberdade Dalai Lama XIV», de Ricardo de Saavedra @ El Corte Inglés - Lisboa
Mar 27@18:30_19:30
Abr
6
Sáb
Apresentação do livro “Descalço também se caminha”, do padre João Aguiar @ Espaço Vita
Abr 6@21:00_22:00
Abr
8
Seg
Os católicos, a Igreja e o direito à revolução. A ideia de revolução e as opções revolucionárias em Portugal durante o Estado Novo @ Universidade Católica Portuguesa (Lisboa)
Abr 8@15:00_17:00

Ver todas as datas

Fale connosco