Cardeal Barbarin apresenta demissão ao Papa depois de condenado por encobrimento de abusos sexuais

| 7 Mar 19

Fã de Tintin, ia de bicicleta para as reuniões preparatórias do conclave e condena com firmeza a homossexualidade e o casamento entre pessoas do mesmo sexo. O cardeal Barbarin, arcebispo de Lyon, foi sentenciado por encobrir casos de abusos sexuais e irá dentro de dias apresentar ao Papa a sua demissão. 

Ilustração publicada no “Público” de 24 de Fevereiro © Cristina Sampaio

 

O arcebispo de Lyon, cardeal Philippe Barbarin, foi condenado em tribunal, nesta quinta-feira, 7 de Março, por ter silenciado abusos sexuais cometidos pelo padre Bernard Preynat sobre menores. Na sequência da sentença de seis meses de prisão com pena suspensa, o cardeal anunciou que irá entregar a sua demissão ao Papa, já dentro de poucos dias.

“Independentemente do meu destino pessoal, quero reiterar toda a minha compaixão pelas vítimas”, afirmou o cardeal, citado no Libération.

Na mesma sentença, o tribunal inocentou os restantes acusados: o arcebispo de Auch, Maurice Gardès; o bispo de Nevers, Thierry Brac de La Perrière; o padre Xavier Grillo; e ainda Pierre Durieux, ex-director do gabinete do cardeal; e Régine Maire, encarregue por Barbarin de receber as vítimas de pedofilia. O facto de o único condenado ser o cardeal, como nota Le Monde, não deixa de ser simbólico, pois pode significar que o tribunal quis sublinhar a responsabilidade de um dos mais importantes membros da hierarquia católica francesa (que tem mesmo o título de “primaz das Gálias”) no encobrimento intencional dos crimes e na colocação de entraves à justiça, não denunciando os factos de que tomara conhecimento.

Citada no La Croix, a presidente do tribunal, Brigitte Vernay, declarou Barbarin culpado de não-denúncia de maus tratos infligidos em 2014 e 2015 a um menor, depois de ter recebido Alexandre Hezez, a primeira vítima que o procurou. Na sua deliberação, o tribunal assinala a “inércia” e as contradições do arcebispo, cita ainda o mesmo jornal. As suas funções davam-lhe acesso a todas as informações e o cardeal tinha capacidade de as analisar e comunicar de forma útil às autoridades. Mas “fez uma escolha em consciência, para preservar a instituição a que pertence, de não as transmitir à justiça”, preferindo desse modo “impedir a descoberta de numerosas vítimas de abusos sexuais pela justiça e de interditar a expressão da sua dor”, dizia a sentença.

 

Fã de Tintin, de bicicleta para o conclave

Nascido em Rabat (Marrocos), Barbarin foi nomeado cardeal aos 53 anos, em 2002, ainda pelo Papa João Paulo II. Condena com veemência a homossexualidade e foi opositor firme da lei francesa que permitiu o casamento de pessoas do mesmo sexo. Ao mesmo tempo, Philippe Barbarin é fã da banda desenhada de Tintin e era o cardeal que, nas reuniões pré-conclave que elegeram os papas Bento XVI (2005) e Francisco (2013), aparecia de bicicleta.

Os advogados do cardeal anunciaram já que irão recorrer da sentença. “A motivação do tribunal não me convence”, afirmou Jean-Félix Liciani. Citado no Monde, o advogado acrescentou que “era difícil para o tribunal resistir a uma tal pressão, com documentários, um filme… Isso põe questões reais sobre o respeito da justiça.”

Ao contrário, as vítimas do padre Preynat consideraram a sentença “uma grande vitória para a protecção da infância”. Em declarações à AFP, François Devaux, presidente da associação La Parole Liberée (A palavra libertada), considerou a sentença como um “forte sinal” que indica que “os tempos mudaram” para a Igreja e que a decisão de demissão já deveria ter sido tomada “há muito tempo”. E acrescentava: “Ninguém está acima das leis. Não há lugar a qualquer triunfalismo, que seria deslocado, mas creio que podemos todos ficar satisfeitos.” A sentença, disse ainda, é “o ponto de chegada de um longo caminho para que surja uma consciência global sobre a relação com o poder, o lugar da religião na nossa sociedade e a importância da protecção da infância.”

“Não estou surpreendido, estava persuadido de que teríamos este resultado, tendo em conta o que se passou na audiência”, acrescentou outro dos denunciantes, Pierre-Emmanuel Germain-Thill. “Isto mostra que tudo o que denunciamos há quatro anos existia realmente.”

O processo de Barbarin foi muito acompanhado em termos mediáticos, tendo em conta que as acusações contra o cardeal traduzem, desde há três anos, a crise em que a hierarquia católica francesa se tem visto envolvida por causa da questão dos abusos sexuais – além de Barbarin, o La Croix recorda que outros dois bispos tinham sido condenados pelas mesmas razões: Pierre Pican, então bispo de Évreux, em 2001, e André Fort, antigo bispo de Orleães, em Novembro de 2018.

A Conferência dos Bispos de França coloca na “consciência pessoal” do cardeal as suas próprias decisões, acrescentando que aguardarão os resultados do recurso. Do Vaticano, não há para já qualquer reacção. O La Croixcita fontes da Santa Sé para dizer que só depois da audiência com o Papa poderá haver um comentário oficial.

Artigos relacionados

Breves

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Boas notícias

É notícia

Entre margens

“Qual é o mal de matar?” novidade

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Auschwitz, 75 anos: uma visão do inferno

O campo da morte de Auschwitz foi libertado há 75 anos. Alguns sobreviventes do Holocausto ainda nos puderam narrar o que lá sofreram, antes de serem libertados pelos militares soviéticos, em 27 de janeiro de 1945. Tratou-se de um indescritível inferno, um lugar onde toda a esperança morria ao nele se entrar. Onde cada uma das vítimas foi reduzida a um número, tatuado no braço. Dizia-se então, quando se entrava através de um portão com a frase “o trabalho liberta”, que de lá só se podia sair através do fumo de uma chaminé.

Cultura e artes

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Al-Mutamid, poeta do Gharb al-Andalus, celebrado na Biblioteca Nacional

Al-Muʿtamid: poeta do Gharb al-Andalus é o título da mostra bibliográfica que será inaugurada às 18h desta segunda-feira, 3 de Fevereiro, na Biblioteca Nacional, em Lisboa. A mostra, que permanece aberta até 9 de Maio, pretende celebrar os 980 anos do nascimento de Al-Muʿtamid ibn ʿAbbād (Beja, 1040 – Agmate, 1095), poeta árabe do al-Andalus e rei de Sevilha durante o período islâmico medieval da Península Ibérica.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco

Cardeal Barbarin apresenta demissão ao Papa depois de condenado por encobrimento de abusos sexuais

| 7 Mar 19

Artigos relacionados

Breves

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Boas notícias

É notícia

Entre margens

“Qual é o mal de matar?” novidade

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Auschwitz, 75 anos: uma visão do inferno

O campo da morte de Auschwitz foi libertado há 75 anos. Alguns sobreviventes do Holocausto ainda nos puderam narrar o que lá sofreram, antes de serem libertados pelos militares soviéticos, em 27 de janeiro de 1945. Tratou-se de um indescritível inferno, um lugar onde toda a esperança morria ao nele se entrar. Onde cada uma das vítimas foi reduzida a um número, tatuado no braço. Dizia-se então, quando se entrava através de um portão com a frase “o trabalho liberta”, que de lá só se podia sair através do fumo de uma chaminé.

Cultura e artes

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Al-Mutamid, poeta do Gharb al-Andalus, celebrado na Biblioteca Nacional

Al-Muʿtamid: poeta do Gharb al-Andalus é o título da mostra bibliográfica que será inaugurada às 18h desta segunda-feira, 3 de Fevereiro, na Biblioteca Nacional, em Lisboa. A mostra, que permanece aberta até 9 de Maio, pretende celebrar os 980 anos do nascimento de Al-Muʿtamid ibn ʿAbbād (Beja, 1040 – Agmate, 1095), poeta árabe do al-Andalus e rei de Sevilha durante o período islâmico medieval da Península Ibérica.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco