Um ano após o golpe de Estado

Cardeal de Rangum: ninguém pode governar se negar a democracia

| 5 Fev 2022

Cardeal Charles Maung Bo, arcebispo de Yangon, Myanmar

Cardeal Charles Maung Bo, arcebispo de Yangon, Myanmar: “A missão da Igreja é, antes de tudo, acompanhar e escutar pastoralmente o nosso povo. Quando todos os outros fugiram, a Igreja ficou com as pessoas, apesar dos enormes riscos.”  Foto: Arquidiocese de Yangon

 

“A democracia é o fogo eterno no coração das pessoas. Ninguém pode governar esta nação de Myanmar por muito tempo se negar isso”, disse o cardeal Charles Maung Bo, arcebispo de Rangum, em entrevista à jornalista Elise Ann Allen publicada no Crux de 5 de fevereiro, poucos dias após se ter completado um ano do brutal golpe de Estado (1 de fevereiro de 2021) que terminou com cinco anos de ensaio democrático.

“Atualmente não há motivos para otimismo em Myanmar. Mas a esperança é outra questão”, afirmou Bo quando lembrou que “o comandante em chefe começou por prometer eleições dentro de um ano. Em seguida, o prazo foi estendido para 2023. Mas eles prometem ‘democracia disciplinada’, o que claramente implica restrições” e que “entre os milhares encarcerados, há pelo menos quinhentos membros da NLD [Liga Nacional para a Democracia – o partido da prémio Nobel Aung San Suu Kyi , cujo Governo os militares derrubaram]. Eles eram parte da democracia. “

Sobre a situação que a Igreja Católica vive em Myanmar (Birmânia), o cardeal Bo disse ao Crux: “A missão da Igreja é, antes de tudo, acompanhar e escutar pastoralmente o nosso povo. Quando todos os outros fugiram, a Igreja ficou com as pessoas, apesar dos enormes riscos. A sua presença oferece alguma segurança à população sitiada. Em segundo lugar, procuramos servir uns e outros, ser de ajuda em momentos de dor ou de necessidade. Terceiro, devemos defender os direitos e a dignidade humana de todas as pessoas. Em tudo isto, a Igreja é altamente desafiada, pois também é ferida de diversas maneiras. E esta Igreja ferida precisa [apesar de tudo] de ser curadora.“

 

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero

Encontro “Cuidar” em Lisboa

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero novidade

“O que encontramos assusta-me: desilusão, depressão, crise existencial, perda de identidade, fim da relação entre presbíteros, perda de confiança na instituição e na hierarquia.” O diagnóstico cáustico é feito ao 7MARGENS pelo padre inglês Barry O’Sullivan, 61 anos, da diocese de Manchester, que estudou o impacto dos abusos sexuais entre os padres não abusadores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Luz e negrume

Luz e negrume novidade

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos

Contributos para o Sínodo (23)

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos novidade

Os leigos devem ser ouvidos nos processos de nomeação de párocos e de escolha dos bispos e a Igreja deve ter uma lógica de reparação da situação criada pelos abusos de menores. Evitar o clericalismo e converter os padres a uma Igreja minoritária, pobre, simples, dialogante, sinodal é outra das propostas do Conselho Paroquial de Pastoral da Paróquia de Nossa Senhora da Hora (Matosinhos).

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma novidade

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This