Cardeal de Viena defende que a Mãe Igreja não nega uma bênção

| 25 Mar 2021

GuentherZ_2012-06-16_0061_Wien22_Donauturm_Neuweihe_Papstkreuz_Christoph_Schoenborn

Christoph Schönborn, arcebispo de Viena Foto © GuentherZ/Wilkimedia Commons

 

O cardeal arcebispo de Viena, Áustria, foi claro no seu comentário à posição da Congregação da Doutrina da Fé (CDF) sobre a bênção a casais homossexuais. Se a Igreja é mãe, não pode deixar de abençoar e uma bênção não é um prémio por bom comportamento mas um pedido de presença e protecção.

“Não fiquei feliz com esta declaração” da CDF, observou o cardeal. “Pela simples razão de que a mensagem que passou nos media de todo o mundo foi apenas um ‘não’. E este é um ‘não’ à bênção, algo que fere profundamente muitas pessoas, como se dissessem: “Mãe, não tem uma bênção para mim? Afinal, eu também sou seu filho”.

Em entrevista ao jornal Der Sonntag (O Domingo) da sua arquidiocese, Schönborn recordou que a Igreja “é mater et magistra: deve ensinar, mas acima de tudo é mãe”.

Cardeal considerado próximo do Papa, que teve um papel de grande relevo em alguns passos decisórios do Sínodo da Família, o arcebispo de Viena concedeu que a preocupação da CDF foi acautelar que, a pretexto da bênção, não se criasse a ideia de que se estava perante um ritual idêntico ou equivalente ao sacramento do matrimónio. Porém, acrescentou, “se o pedido não for um espetáculo, se for sincero e for realmente o pedido da bênção de Deus para uma vida que duas pessoas, em qualquer situação, procuram levar, então não deve ser negada”, ainda que se deva “refletir cuidadosamente sobre a forma correta de a fazer”.

“Muitas mães abençoam os seus filhos. A minha mãe ainda faz isso hoje. Não saio de casa sem ela me abençoar. Uma mãe não rejeita a bênção, mesmo que seu filho ou filha tenha problemas na vida. Pelo contrário”, observou também.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência”

Cartas de Luiza Andaluz em livro

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência” novidade

Preocupações com um homem que estava preso, com o funcionamento de uma oficina de costura para raparigas que não tinham trabalho, com a comida para uma casa de meninas órfãs. E também o relato pessoal de como sentiu nascer-lhe a vocação. Em várias cartas, escritas entre 1905 e 1971 e agora publicadas, Luiza Andaluz, fundadora das Servas de Nossa Senhora de Fátima, dá conta das preocupações sociais que a nortearam ao longo do seu trabalho e na definição do carisma da sua congregação.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This