Peregrinação em Fátima

Cardeal Jean-Claude Hollerich apela aos cristãos para que defendam o bem comum

| 13 Ago 21

Foto © Santuário de Fátima

 

Um apelo aos cristãos para que façam frutificar o mundo foi ontem lançado em Fátima pelo cardeal Jean-Claude Hollerich, arcebispo do Luxemburgo. Na homilia proferida no recinto de oração da Cova da Iria, na peregrinação internacional de agosto, dedicada aos migrantes, o cardeal acrescentou que não devemos ser passivos. “O mundo está-nos confiado pelo Deus Criador”. Devemos, pois, fazê-lo frutificar. “Isso pode tornar-se num compromisso para com a ecologia, num compromisso por um mundo mais justo, por um mundo mais fraterno”.

Para o cardeal Jean-Claude Hollerich, os grandes compromissos serão válidos se mostrarem frutos de paz e justiça, se houver a defesa do bem-comum, na vida concreta do dia-a-dia.

Na véspera, em conferência de imprensa, o também presidente da Comissão dos Episcopados da União Europeia criticou a política comunitária sobre refugiados. “É inadmissível que haja grandes concentrações de refugiados nas fronteiras”, disse Jean-Claude Hollerich.

Para o arcebispo do Luxemburgo, estas pessoas vivem em “situações desumanas”. “Fechamos os olhos, deixamos fazer, pagamos para que as pessoas não entrem na União Europeia e, ao mesmo tempo, falamos de valores europeus”, lamentou.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Caminhada pela Vida” contra regresso do aborto e da eutanásia

Neste sábado, em dez cidades

“Caminhada pela Vida” contra regresso do aborto e da eutanásia novidade

Uma “caminhada pela vida” em dez cidades portuguesas é a proposta da Federação Portuguesa pela Vida e da Plataforma Caminhadas pela Vida para este sábado, 22, à tarde, com o objectivo de contrariar o regresso do debate da eutanásia e os projectos de lei de alargamento de prazos no aborto apresentados entretanto no Parlamento pelas duas deputadas não inscritas.

Sínodo em demanda de mudanças

Sínodo em demanda de mudanças novidade

Falo-vos da reflexão feita pelo Papa Francisco, como bispo de Roma, no início do Sínodo, cuja primeira etapa agora começa, de outubro de 2021 a abril de 2022, respeitando às dioceses individuais. Devemos lembrar que o “tema da sinodalidade não é o capítulo de um tratado de eclesiologia, muito menos uma moda, um slogan ou novo termo a ser usado ou instrumentalizado nos nossos encontros. Não! A sinodalidade exprime a natureza da Igreja, a sua forma, o seu estilo, a sua missão”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This