Vítimas trabalhavam com indígenas

Cardeal Ortega critica Presidente mexicano pelo assassinato de jesuítas

| 23 Jun 2022

sacerdotes assassinados no mexico, exequias, foto sem creditos retirada do site diaadianews

“Este assassinato assume toda a gravidade do que estamos a viver no nosso país”, afirmou o cardeal Ortega. Foto: Direitos reservados.

 

O cardeal José Francisco Robles Ortega, arcebispo de Guadalajara (México) criticou a política do Presidente do país, Andrés Manuel López Obrador, que considerou de “abraços, não balas” contra o crime organizado, depois de dois padres jesuítas terem sido assassinados dentro de uma igreja em Cerocahui, Chihuahua, com um homem que tentavam proteger.

Javier Campos Morales, 79 anos, e Joaquín Mora Salazar, 78, foram mortos na segunda-feira, dia 20, quando um homem perseguido por um outro, que estava armado, se refugiou na igreja onde ambos os padres se encontravam. O Secretariado de Segurança e Protecção dos Cidadãos (SSyPC) já identificou o suposto responsável pelo homicídio e a investigação para o encontrar continua.

“O crime não sabe de abraços”, disse o arcebispo na abertura da 9ª assembleia pastoral diocesana de Guadalajara, que decorreu na última quarta-feira. “Estas pessoas não sabem de abraços, por muito que o Governo lhes ofereça e lhes prometa e lhes dê abraços. Eles não entendem de abraços, só sabem de balas”, acrescentou, citado pelo jornal Milenio.

O arcebispo de Guadalajara disse ainda que a função das autoridades é levar esses grupos criminosos perante a lei, pelos assassinatos e por todas as actividades que realizam contra a lei: “O Governo tem de lhes enviar a mensagem de que não haverá mais impunidade, porque esta mensagem de abraços é uma mensagem de impunidade. Se o fizerem, não haverá tiroteio e não haverá intervenção da lei.”

Na opinião do cardeal, o crime reflecte a situação extremamente grave que o país está a atravessar em termos de violência, uma vez que se registam perto de 100 mortes por dia: “Este assassinato assume toda a gravidade do que estamos a viver no nosso país. Os sacerdotes estavam num lugar que corresponde à sua acção ministerial, num lugar que supostamente deveria experimentar a força, presença e misericórdia de Deus no templo. Eles estavam a cumprir a sua missão.”

O cardeal Ortega acrescentou, segundo a mesma fonte, que os dois padres mortos não estavam a fazer nada de subversivo ou a encorajar a violência de outros grupos contra o Governo, mas que estavam no lugar mais apropriado para o seu ministério.

 

A dedicação aos indígenas e a violência estrutural

Também o Papa manifestou a sua “dor e consternação” com a notícia. “Quantos assassinatos no México! Estou próximo, com afecto e oração, da comunidade católica atingida por esta tragédia. Mais uma vez repito: a violência não resolve problemas, mas aumenta o sofrimento desnecessariamente”, disse Francisco, jesuíta como os dois padres mortos.

De acordo com o Ponto SJ, portal dos jesuítas em Portugal, a Companhia de Jesus no México exigiu uma investigação séria ao crime e a garantia, por parte das autoridades federais e estatais, da segurança dos outros três jesuítas na cidade, bem como da equipa pastoral da paróquia.

O geral dos jesuítas, o venezuelano Arturo Sosa, também se manifestou emocionado e triste: “Os meus pensamentos e orações estão com os jesuítas no México, e as famílias dos dois jesuítas” assassinados. E acrescentou: “Temos de parar a violência no nosso mundo e tanto sofrimento desnecessário.”

O padre Mora foi professor do secundário e era muito respeitado entre as comunidades indígenas, com as quais viveu e trabalhou durante décadas no estado de Chihuahua, diz a revista America, dos jesuítas dos Estados Unidos.

Javier Morales, por seu lado, tinha passado meio século – ou seja, toda a sua vida de padre – ao serviço da comunidade indígena Rarámuri. Muito antes de muitas estradas serem pavimentadas na Tarahumara, o padre Campos cruzou a região numa motocicleta, conta a mesma revista. Era um bom cantor e sabia imitar bem um galo, o que lhe valeu o apelido de “Gallo”.

Os Rarámuri, famosos pela sua capacidade de percorrer longas distâncias através das terras montanhosas onde vivem, são desde há muito pobreza, exclusão e exploração. Os madeireiros, diz a America, saquearam as suas florestas e os gangues da droga cultivam marijuana e papoilas opiáceas nas suas montanhas.

O estado fronteiriço de Chihuahua tem pelo menos doze grupos criminosos armados actualmente activos – pequenos gangues que surgiram de cartéis de droga que actuaram impunes durante décadas, na região. Milhares de armas ligeiras atravessam a fronteira dos Estados Unidos todos os meses, por “troca” com a droga que invade o vizinho do Norte, destinada aos consumidores americanos.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This