Cardeal polaco sancionado pelo Vaticano, depois de acusado de abusos e encobrimento

| 7 Nov 20

Cardeal Henryk Gulbinowicz. Foto: Direitos reservados

 

O cardeal polaco Henryk Gulbinowicz, 97 anos, antigo arcebispo de Breslávia (Wroclaw), foi punido com a proibição de realizar cultos ou participar em acontecimentos públicos, depois de o Vaticano ter considerado fundadas as acusações de abuso sexual de menores e de encobrimento que atingem o cardeal desde há um ano, e que ainda estão a ser investigadas.

Como recorda o Religión Digital, o escritor Karol Chum denunciou publicamente em Maio de 2019 que tinha sido abusado sexualmente por Gulbinowicz em Janeiro de 1990, quando, aos 16 anos, era seminarista em Wroclaw (sudoeste da Polónia, a cerca de 150 quilómetros da fronteira com a Alemanha).

“Após análise” de outros elementos do “passado do cardeal” (incluindo suspeitas de encobrimento de casos de abuso quando era arcebispo), o Vaticano proibiu-o de realizar cultos religiosos ou de participar em eventos públicos, informa a mesma fonte.

A embaixada do Vaticano em Varsóvia declarou também que ao cardeal (já reformado) foi igualmente negado o uso da insígnia episcopal. A possibilidade de ser enterrado na catedral aquando da sua morte, uma prerrogativa de um cardeal) é excluída.

Segundo a Nunciatura Apostólica (embaixada do Vaticano) em Varsóvia, Gulbinowicz deve agora fazer uma doação “apropriada” à Fundação São José, da Conferência Episcopal Polaca, que fornece apoio psicológico às vítimas de violência sexual e previne o abuso.

Com 97 anos, Gulbinowicz é o segundo cardeal mais velho da Igreja Católica. Ordenado em 1950, recebeu o barrete cardinalício do Papa João Paulo II.

O anúncio desta decisão surge quando se aguarda a divulgação do relatório completo sobre o antigo cardeal norte-americano Theodore McCarrick, destituído de todos os seus títulos e condição de padre. O relatório pode ser divulgado já este sábado.

 

125 padres e católicos alemães assumem publicamente condição LGBTQI

Manifesto inédito em todo o mundo

125 padres e católicos alemães assumem publicamente condição LGBTQI novidade

Um total de 125 pessoas, incluindo vários padres, trabalhadores a tempo inteiro ou voluntários na Igreja Católica nos países de língua alemã, anunciam hoje a sua condição LGBTQI+. A iniciativa tem o título #OutInChurch. Por uma Igreja sem medo e acompanha, também, a emissão de um documentário televisivo. É a primeira vez na história, em todo o mundo, que um grupo de crentes se assume deste modo, colectivamente, na praça pública.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia novidade

Há tempos, numa visita a uma adega nacional conhecida, em turismo, ouvi uma curiosa explicação da nossa guia que me relembrou imediatamente da vida de fé e das questões dos tempos modernos. Dizia-nos a guia que é hábito encontrar roseiras ao redor das vinhas como salvaguarda: quando os vitivinicultores encontravam algum tipo de doença nas roseiras, algum fungo, sabiam que era hora de proteger a vinha, de a tratar, porque a doença estava próxima.

Um caderno para imprimir e usar

Sínodo 2021-23

Um caderno para imprimir e usar

Depois de ter promovido a realização de dois inquéritos sobre o sínodo católico 2021-23, o 7MARGENS decidiu reunir o conjunto de textos publicados a esse propósito num caderno que permita uma visão abrangente e uma utilização autónoma do conjunto. A partir de agora, esse caderno está disponível em ligação própria.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This