Cardeal Schönborn acusa cardeal Sodano de ter encoberto abusadores e ter mentido sobre vários casos

e | 7 Dez 19 | Destaques, Newsletter, Últimas

Cardeal Christoph Schönborn. Foto Th1979/Wikimedia Commons

 

O cardeal Cristoph Schönborn, arcebispo de Viena (Áustria), acusa implicitamente o antigo secretário de Estado do Vaticano, Angelo Sodano, de ter encoberto abusadores. Numa conferência em Viena, no final da semana passada, Schönborn caracterizou ainda o abuso sexual de membros do clero como uma “realidade massiva” na Igreja, causada entre outros factores por “sistemas fechados” e pela extrema soberba de muitos padres.

Numa conferência na Universidade de Viena sobre “O abuso sexual de menores: crime e responsabilidade”, citada pelo The Tablet, o cardeal austríaco disse que foi depois de ter escutado vítimas de abuso durante 20 anos que chegou à conclusão de que o abuso espiritual e sexual dos clérigos – e sobretudo o abuso do poder clerical – era uma “realidade massiva” na estrutura eclesiástica.

Ainda de acordo com a mesma fonte, Schönborn referiu depois uma história por ele vivida, acusando implicitamente o cardeal Angelo Sodano, decano do Colégio Cardinalício, de mentir e encobrir casos.

“Na minha controvérsia com o cardeal [Angelo] Sodano, ele disse literalmente na minha cara: ‘Vítimas? Isso é o que você diz.’” Dois meses depois dessa conversa, contou ainda, Schönborn foi chamado a Roma, sendo obrigado, diante do Papa Bento XVI, a pedir desculpas ao antigo secretário de Estado do Vaticano (que esteve no cargo no tempo de João Paulo II, entre 1991 e 2006].

Na origem do caso, estivera o antecessor de Schönborn, o cardeal Hans Hermann Groër, acusado de abusos. Em 1995, depois de tomar posse como arcebispo de Viena, o cardeal entrou em contacto com vítimas de Groër. Depois de três anos a escutar várias pessoas que tinham sido abusadas, ficou convencido de que elas tinham dito a verdade. Pior: foi “traumático descobrir como o abuso sexual clerical está intimamente ligado ao sacramento da reconciliação e descobrir que muitas vezes ele começa no confessionário”.

 

O que o cardeal aprendeu com as vítimas

Christoph Schönborn (à direita): foi a escutar as vítimas que o cardeal percebeu a dimensão do abuso de poder e de consciência. Foto Bundesministerium für Europa, Integration und Äusseres

 

Em Março de 1998, Schönborn e mais três bispos austríacos afirmaram ter a “certeza moral” de que as alegações contra Groër eram, “no essencial”, correctas. Foi essa afirmação que provocou a ira de Sodano. “Mas era necessário falar publicamente numa situação em que os clérigos estavam a mentir abertamente sobre o que tinha acontecido”, justificou o cardeal na conferência.

“Quando insisto que acredito numa vítima, estou a falar como se fosse um diagnóstico. A conversa com uma vítima de abuso não é um processo legal. (…) Não falo sobre esse doloroso assunto como especialista, mas como alguém que foi repetidamente confrontado com abusos e que aprendeu muito sobre isso – mas certamente não o suficiente”, disse ainda, sempre citado pela mesma fonte.

E o que aprendeu o cardeal? Que as vítimas levam décadas até conseguir falar sobre o assunto; que os abusadores usavam “todos os meios disponíveis” para tentar calar as suas vítimas; que estas, quando falam, sofrem um segundo trauma; os padres abusadores usavam o argumento de que seria pecado grave divulgar o abuso e levavam as vítimas, diante do sacrário, a jurar que não o fariam; e que só falando as vítimas se poderiam curar.

Schönborn referiu-se ainda criticamente ao diagnóstico feito pelo Papa emérito Bento XVI, de quem chegou a ser considerado muito próximo: “Bento XVI tentou um diagnóstico que não desejo criticar, mas apenas quero corrigir citando alguns números. Bento XVI é de opinião que o abuso sexual clerical tem suas origens no movimento de 1968. Os números para a Áustria mostram uma imagem totalmente diferente”, afirmou Schönborn. E justificou: “Na Áustria, 60% dos casos de abuso sexual clerical foram cometidos entre 1940 e 1969. O número caiu para 27% entre 1970-79 e desde o ano 2000 era de apenas 0,9%.”

O facto de a maioria dos casos ter ocorrido antes do Concílio Vaticano II [1962-65] é motivo de reflexão para o cardeal. A Igreja pré-conciliar era um sistema fechado e “em sistemas fechados, o abuso ocorre com muito mais frequência do que em sistemas abertos”, afirmou. E autoridade do clero, nesse sistema, tinha uma extensão “doentia”. E o facto de a Igreja Católica na Áustria ter fechado internatos também levou à queda do número de casos.

 

Movimentos fechados e personalidades-guru

Cristoph Schönborn referiu-se ainda, sempre segundo o Tablet, ao caso de vários dos novos movimentos, igualmente “instituições fechadas” que facilitavam o abuso, apontou. O seu antecessor, cardeal Groër, bem como o fundador dos Legionários de Cristo, padre Marcial Maciel, o padre dominicano Marie-Dominique Philippe, fundador da Comunidade de São João, Gérard Criossant, fundador da Comunidade das Bem-Aventuranças e o padre Fernando Karadima foram exemplos de “personalidades-guru” que influenciaram a formação e as carreiras de dezenas de padres e de vários bispos.

O padre Maciel, recorda por seu turno o Il Messaggero, foi protegido pelo cardeal Sodano. Só depois de Bento XVI ter sido eleito, em 2005, é que Maciel – consumidor de morfina, que se envolveu também com pelo menos duas mulheres, das quais teve seis filhos, dois dos quais foram igualmente abusados – foi afastado das funções de padre e aconselhado a uma vida de penitência.

Em 2010, o Vaticano considerou o seu comportamento como “objectivamente imoral”, bem como de ter uma vida “desprovida de qualquer escrúpulo e autêntico sentido de religião”.

Já o cardeal Hans Hermann Groër nunca foi sancionado, tendo apenas sido aconselhado apenas a uma vida de oração num mosteiro. Quando morreu em 2003, aos 83 anos, Sodano enviou um telegrama de condolências aos bispos austríacos, manifestava “tristeza” pelo desaparecimento de alguém que dedicara a “sua vida” a Deus, “em fidelidade ao sucessor de Pedro”.

Para o cardeal Schönborn, é claro que “algumas pessoas no Vaticano mentiram” e humilharam as vítimas para “proteger a Igreja”. Mas esta “é melhor servida quando a verdade é revelada”, porque “a verdade vos libertará, diz o Evangelho”, afirmou ainda, citado pelo Il Messaggero.

O cardeal Christoph Schönborn falando a membros do Caminho Neocatecumenal. Foto: Direitos reservados

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa avisa contra notícias falsas e louva a Bíblia como “história de histórias”

O Papa Francisco considera que a Bíblia é uma “história de histórias”, que apresenta um Deus “simultaneamente criador e narrador”. Na sua mensagem para o 54º Dia Mundial das Comunicações Sociais, que a Igreja Católica assinala em Maio, o Papa desenvolve o tema “‘Para que possas contar e fixar na memória’ (Ex 10, 2). A vida faz-se história”.

Centro cultural Brotéria já abriu no Bairro Alto, em Lisboa

O novo centro cultural da Brotéria, revista dos jesuítas fundada em 1902 no Colégio São Fiel (Castelo Branco), abriu esta quinta-feira, em Lisboa, junto à Igreja de São Roque (Bairro Alto), mas o programa que assinala o facto prolonga-se nestes dois dias do fim-de-semana.

Vaticano ordena investigação a bispo por acusações de abuso sexual

O Vaticano ordenou uma investigação de alegações de abusos sexuais contra o bispo Brooklyn, Nicholas DiMarzio, que antes tinha sido nomeado pelo Papa Francisco para investigar a resposta da Igreja ao escândalo dos abusos sexuais cometidos por membros do clero na diocese de Buffalo.

Semana pela unidade dos cristãos com várias iniciativas

Várias iniciativas assinalam em Portugal a Semana de Oração pela Unidade os Cristãos, que se prolonga até ao próximo sábado, 25. Entre elas, uma oração ecuménica na igreja de Santo António dos Olivais decorre em Coimbra na sexta, 24, às 21h, com responsáveis de diferentes igrejas e comunidades.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Taizé: continuar o caminho deste novo ano novidade

Estive presente em mais uma etapa da peregrinação da confiança – o encontro europeu anual promovido pela comunidade de Taizé. A cidade que acolheu este encontro foi Breslávia (Wrocław), na Polónia, e nele estiveram presentes mais de 15 mil jovens de todo o mundo.

Arte e Esperança novidade

Tenho tido a sorte de acompanhar, desde 2016, a apresentação dos Projetos Partis (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) na Gulbenkian e em todos respiramos com emoção a frescura da criação artística onde os protagonistas são pessoas normalmente esquecidas por nós.

Os dois papas. E o povo, pá?

Esta estranha convergência entre os defensores da ortodoxia e os que a abjuram dá que pensar. Ambos desvalorizam Francisco, uns em nome dos dogmas e os outros em nome da crítica aos ditos.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Jan
31
Sex
III Congresso Lusófono de Ciência das Religiões – Religião, Ecologia e Natureza (até 5 de Fevº) @ Universidade Lusófona, Templo Hindu, Mesquita Central e Centro Ismaili
Jan 31@09:30_14:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco