Cardeal Tolentino evoca “um caixão com a forma de Portugal” e Lídia Jorge fala do “menino de 15 anos oferecido ao futuro” nas exéquias de Eduardo Lourenço

| 3 Dez 20

Funeral Eduardo Lourenco

A urna de Eduardo Lourenço, coberta com a bandeira nacional. Foto © Ecclesia/Paulo Rocha

 

O cardeal José Tolentino Mendonça lembrou nas exéquias do ensaísta e pensador Eduardo Lourenço, que morreu terça, dia 1, “o explorador e o cartógrafo”, “o psicanalista do destino e o decifrador de signos”, “investigador generoso e iluminado” a quem Portugal deve maior entendimento de si. No final da missa no Mosteiro dos Jerónimos, nesta quarta-feira, 2 de Dezembro, a escritora Lídia Jorge disse que o autor de Heterodoxias permanecerá como “alguém de 15 anos, dentro de uma estante, oferecido ao futuro”.

Recordando o seu legado para a construção de uma “sociedade livre e próspera”, a escritora afirmou, em declarações à agência Ecclesia: “Foi sempre um jovem de temperamento. Mantém-se sempre alguém de 15 anos, dentro de uma estante, oferecido ao futuro. É importantíssimo passar aos jovens a mensagem que deixou, porque sempre acreditou que a juventude é capaz de fazer valorizar o passado, a partir da força que ele dá, a construir um futuro melhor.”

Uma “estante enorme cheia de livros” fica disponível para “quem não o conheceu”, acrescentou a autora de O Dia dos Prodígios. Para que possa, “através dos livros, aprender como se dialoga com os outros, como se luta pela verdade, como se dá à função do pensamento e sentido crítico, o valor mais alto para se construir uma sociedade livre e próspera”.

A eucaristia – na qual participaram familiares de Lourenço, esctiores, políticos, académicos e o Presidente da República – foi presidida pelo patriarca de Lisboa, cardeal Manuel Clemente. A homilia foi proferida por Tolentino Mendonça, também cardeal e bibliotecário do Vaticano.

“Teixeira de Pascoais, que escreveu a Arte de Ser Português, quis ser enterrado num caixão em forma de lira; o caixão de Eduardo Lourenço tem, qualquer que seja a sua forma, a forma de Portugal, do qual ele foi e será, para muitas gerações futuras, um explorador e um cartógrafo, um detective e um psicanalista do destino, um sismógrafo e um decifrador de signos, uma antena crítica e um instigador generoso e iluminado. Depois dele, todos podemos dizer que nos entendemos melhor a nós próprios”, afirmou.

 

“Uma experiência de perda colectiva”

O arquivista e bibliotecário da Santa Sé disse, a propósito do dia de luto nacional que tinha sido decretado para o dia de quarta-feira, que o pesar que Portugal manifesta por Eduardo Lourenço pertence aos lutos que “excedem o domínio pessoal, pois configuram-se como uma experiência de perda colectiva”.

“Quando morre um escritor, a literatura fica enlutada; mas também acontece – raramente, é verdade, mas acontece – que, com alguns escritores, a própria literatura ou uma ideia de literatura ou uma inteira ética da literatura morra com eles. Pois naquele criador que partiu, os leitores de uma geração, que até pode ser de uma geração futura, reconhecem uma razão, uma sabedoria, uma verdade ou um fulgor, onde se encontraram reflectidos, interrogados, transportados a uma fronteira de si próprios e do mistério”, afirmou.

O cardeal recordou a inscrição no túmulo de Rafael, esculpido por Pietro Bembo, no Panteão de Roma: “Aqui jaz Rafael Sanzio, que enquanto vivo a natureza temeu por ele ser vencida; mas agora morto, a natureza teme morrer com ele.” E afirmou que, perante a morte de Eduardo Lourenço, se teme morrer.

Tolentino Mendonça recorreu a várias referências literárias e artísticas, territórios onde Lourenço sempre se moveu, para dizer que o ensaísta mostrou que “todos somos habitantes da solidão de Pessoa e do profetismo de Antero ou de Agostinho da Silva, do levantamento do chão de Saramago e da música de Lopes Graça, da religiosidade de Régio e de Manoel de Oliveira, dos socalcos durienses de Agustina e da praia lisa que Sophia sonhou”. Depois dele, acrescentou, “todos podemos dizer que nos entendemos melhor a nós próprios”.

Portugal deve a Eduardo Lourenço, resumiu, a “rara capacidade do cuidar da ideia de comunidade”, uma concepção que “reforça o conjunto como nação” e elucida sobre “a experiência de bem-comum que é um país”.

 

“Não há nada superior às bem-aventuranças de Jesus”

Socorrendo-se ainda de outro nome, estrangeiro desta vez, afirmou: “Montaigne, o inventor moderno dos ensaios, escreveu que aprender a morrer é vencer a sujeição e ultrapassar finalmente a condição de escravo. A Eduardo Lourenço devemos a lição de interrogar, não só a vida mas também a morte, com sabedoria, distanciamento, serenidade e esperança, lutando para conter a história nos limites do humanamente aceitável, tarefa, como sabemos, trabalhosa e inacabada, mas também indeclinável, se quisermos que a civilização e o humanismo sejam mais do que uma abstração.”

O bibliotecário da Santa Sé recordou uma pergunta feita a Eduardo Lourenço: “Professor, o que pensa de Deus?” A resposta “abriu um alçapão, trouxe aquele arrepio sideral do infinito que falava Pascal: ‘Sabe, mais importante do que dizer o que eu penso de Deus é saber o que Deus pensa de mim’.”

A única vez que viu chorar o autor de O Labirinto da Saudade, disse o cardeal Tolentino, foi numa “conversa animada, sobre textos bíblicos, saltando entre personagens”. E contou: “Ele tropeçou, como o apóstolo Paulo terá tropeçado, na palavra ‘Jesus’. E os seus olhos encheram-se de água e a sua voz de silêncio, de lentidão e soluços. Passou muito tempo para que me dissesse, chorando: ‘Não há nada superior a Jesus. Já se imaginou um Deus que diz ‘Bem-aventurados os pobres, os humildes, os misericordiosos, os puros de coração, os perseguidos, os que têm fome e sede de justiça, os que constroem a paz’? Não há nada superior a isto”, lembrou.

E nos Jerónimos, que o ensaísta já apelidara de “jardim de pedra”, o cardeal concluiu: “Agradeçamos ao Deus das bem-aventuranças as palavras que Eduardo Lourenço nos iluminou sorrindo, e aquelas para cujo sentido ele nos abriu, chorando.”

 

Uma “ausência luminosa”

No final da missa, o cardeal-patriarca de Lisboa convidou ao conhecimento da obra de Eduardo Lourenço, que “deixou páginas fundamentais” para se perceber “o que é ser português, europeu e cidadão do mundo” e sublinhou o contributo “muito consistente” do ensaísta.

Eduardo Lourenço “foi alguém que durante toda a sua vida nos fez interrogar sobre o que somos, como pessoas e como portugueses, como europeus e cidadãos do mundo, e essa interrogação permanente (…) ajudou-nos a todos a crescer”, afirmou, referindo ainda a “inquietação” sobre Deus que o ensaísta “transportou durante toda a sua vida”, transportada desde a infância.

Também em declarações já no exterior da igreja, Tolentino Mendonça sublinhou ainda o contributo de Eduardo Lourenço como “teórico da ausência”. E explicou: “Ele falou da presença de Deus contando quão ardente, quão insepulta, quão irresolúvel, quão irremovível é a ausência de Deus. É um falar de Deus pela negativa – não a presença, mas a ausência – mas aqui a ausência era tão luminosa e vibrante, ressoava tanto, que é um dos autores fundamentais para, em Portugal, pensarmos a questão de Deus.”

“Nas milhares de páginas que escreveu, acrescentou, em que falou dos poetas, músicos e cineastas, estava a dizer que o trabalho criativo desenvolvido por portugueses e portuguesas ao longo do tempo, com temperamento e percursos e géneros tão diversos, no fundo, estávamos todos a construir uma casa espiritual comum.”

 

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa novidade

Recebi do 7MARGENS um convite para escrever sobre a minha experiência desta pandemia, partilhando a fragilidade da condição que actualmente vivemos. Respondo recorrendo a Espinosa, o filósofo com quem mais tenho dialogado e que durante o presente confinamento revisitei várias vezes, quer por obrigação (atendendo a compromissos) quer por devoção (a leitura das suas obras é sempre gratificante).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Cacofonia

Os Dias da Semana – Cacofonia novidade

É cruel a guerra pelos dois ou três minutos de fama nos media; é feroz o combate por visualizações, partilhas e comentários nas redes sociais. A atenção é um bem escasso que é preciso disputar sem piedade. A intensificação da concorrência oferece uma cacofonia deplorável.

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica novidade

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Frequência dos seminários continua em queda em Espanha novidade

A Conferência Episcopal Espanhola tornou público que a totalidade dos seminários existentes no país é frequentada neste ano letivo 2020-21 por 1893 alunos. O comunicado da Comissão para o Clero e os Seminários, divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, especifica existirem 1066 jovens nos seminários maiores e 827 a estudar nos seminários menores (que correspondem ao ensino até ao 12º ano).

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This