Hong Kong

Cardeal Zen condenado a pagar multa por ter defendido manifestantes

| 25 Nov 2022

Cardeal Joseph Zen, arcebispo emérito de Hong Kong

Cardeal Joseph Zen, arcebispo emérito de Hong Kong, numa manifestação em 2014. Foto © Wai Wan Tong/Wikimedia Commons.

 

O cardeal Joseph Zen, bispo emérito de Hong Kong, foi condenado esta sexta-feira, 25 de novembro, a pagar uma multa de cerca de 500 euros pela sua colaboração com o 612 Humanitarian Relief Fund, que apoiou manifestantes pró-democracia a pagar multas e fianças em 2019. Sobre ele, recai ainda a acusação de conluio com forças estrangeiras, pelo que poderá vir a enfrentar penas mais graves.

O cardeal salesiano de 90 anos foi considerado culpado, juntamente com outros cinco administradores do fundo: a advogada Margaret Ng, o ex-deputado Cyd Ho, a cantora Denise Ho, o professor Hui Po-keung e o secretário Sze Ching-wee, pelo facto de não se terem registado corretamente junto das autoridades, avança o Vatican News.

Todos os réus se haviam declarado inocentes, mas não testemunharam nem chamaram testemunhas. Neste momento, não correm o risco de serem presos, mas poderão vir a enfrentar penas mais graves, como prisão perpétua, uma vez que – de acordo com relatos dos media locais – ainda estão sob investigação as acusações de conluio com forças estrangeiras.

Este é um dos quatro delitos da Lei de Segurança Nacional, decretada por Pequim em junho de 2020. A mesma lei exige que todas as organizações se registem junto da polícia pelo menos um mês antes da sua constituição. Só os grupos formados “exclusivamente para fins religiosos, caritativos, sociais ou recreativos” se encontram isentos desta exigência. Segundo os promotores, o 612 Humanitarian Relief Fund deveria ter sido registado como uma organização de natureza política.

Zen tinha sido preso pelas autoridades de Hong Kong a 10 de maio deste ano, tendo sido solto sob fiança no dia seguinte. Na altura, o diretor da Sala de Imprensa vaticana, Matteo Bruni, disse aos jornalistas: “A Santa Sé tomou conhecimento com preocupação da notícia da prisão do cardeal Zen e está a acompanhar a evolução da situação com extrema atenção”.

A primeira audiência do processo iniciou-se no dia 21 de setembro, tendo sido conluída no dia 23 do mesmo mês. Ao longo deste tempo, Zen – muito ativo nas redes sociais – ficou em silêncio: através das suas contas, limitou-se a pedir aos seguidores que rezassem por ele.

No passado, o cardeal já se havia exposto pessoalmente por criticar o Partido Comunista Chinês, denunciando pressões e perseguições às comunidades religiosas. Zen tem sido um combatente pelas liberdades civis e religiosa e pela democracia e autonomia de Hong Kong, nos termos em que essa autonomia foi negociada entre a República Popular da China e o Reino Unido.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This