União Europeia

Cargo de enviado para a liberdade religiosa está de novo vago

| 14 Set 21

Christos Stylianides no Parlamento Europeu em 23 Outº 2019. Foto © Parlamento Europeu

 

O cargo de Enviado Especial da União Europeia (UE) para a Promoção da Liberdade Religiosa no Estrangeiro está de novo vago, depois de Christos Stylianides ter aceite o lugar de ministro para a Crise Climática e Protecção Civil na Grécia.

Stylianides, recorda o Protestante Digital, tinha sido nomeado em Maio, depois de o cargo ter estado vago durante mais de um ano e meio e após meses de pressões de defensores da liberdade religiosa na Europa e de apelos públicos de líderes políticos.

A Aliança Evangélica Europeia foi uma das organizações que apelou à Comissão Europeia para renovar o cargo. O representante da organização com sede em Bruxelas, Arie de Pater, observou em Julho que “em todo o mundo, a liberdade religiosa está sob ameaça e não está a melhorar”. “Em todo o mundo, tanto os grupos religiosos como os não religiosos experimentam limitações às suas liberdades. É importante que a União Europeia lidere pelo exemplo”, afirmou.

O primeiro responsável do cargo, entre 2016 e 2019, foi o antigo vice-primeiro-ministro da Eslováquia, Jan Figel, que desse modo foi o primeiro enviado especial da UE para um direito humano específico, como é a liberdade de religião e consciência. Figel tinha sido nomeado pelo então presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

 

A votar, a votar!

[Segunda leitura]

A votar, a votar! novidade

“Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro que ouvi isto na passada terça-feira, dia 14 de setembro. Assim mesmo, sem tirar nem pôr, na abertura de um noticiário na rádio: “Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Direitos humanos, paz e casa comum: como se reescreve um Papa?

Ensaio

Direitos humanos, paz e casa comum: como se reescreve um Papa? novidade

As intervenções de um Papa na Assembleia Geral das Nações Unidas (AGONU) aconteceram em cinco momentos da História e resultaram de um estatuto jurídico reconhecido internacionalmente ao líder máximo da Igreja Católica, incomparável quer relativamente aos líderes das outras religiões, quer aos das nações. Isto, por si só, é relevante a nível da política e das relações internacionais.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This