Cáritas Europa apela às instituições da UE que ratifiquem a Convenção Europeia dos Direitos do Homem

| 11 Dez 2020

União Europeia. Bandeira

Não chega tê-los como bandeira: os direitos humanos e a sua Convenção Europeia devem ser assumidos pela União, numa altura em que aumentam as ameaças contra eles, diz a Cáritas.

 

Pode parecer estranho mas, 70 anos depois da sua adopção, a Convenção Europeia dos Direitos do Homem ainda não foi ratificada pelas instituições da União Europeia (UE). Embora tenha sido adoptada pelo Conselho da Europa – organização mais vasta que a EU, de âmbito sobretudo parlamentar e de defesa dos direitos humanos e da estabilidade democrática do continente –, a Cáritas Europa e a Cáritas Portuguesa encaram com preocupação a ausência da UE entre os seus signatários, avisando para os “tempos difíceis” que se estão a viver, no que aos direitos humanos diz respeito.

“O ano de 2020, marcado pela pandemia de covid-19, tem vivido tempos difíceis na Europa para o pleno respeito dos direitos humanos, em particular para as pessoas em situação vulnerável, como migrantes e requerente de asilo, e o número crescente de crianças e de famílias que vivem ou estão em risco de pobreza”, lê-se no documento.

“Os direitos humanos e a dignidade humana devem ser a base da sociedade e de todas as políticas do Conselho da Europa e dos Estados-Membros” da UE, diz um comunicado da Cáritas, enviado ao 7MARGENS a propósito do Dia Internacional dos Direitos Humanos, assinalado nesta quinta-feira, 10 de Dezembro.

“Numa altura como esta, em que muitas pessoas sofrem os efeitos de uma crise sanitária que cada vez mais é uma crise económica e social preocupante, ter um compromisso vinculativo e fiel ao valor fundamental de respeito pelos direitos humanos restauraria a fé numa ‘Europa Social’”, diz o texto.

A Cáritas Europa apela, por isso, a que as instituições da União Europeia ratifiquem a Convenção Europeia dos Direitos do Homem, de forma a mostrar que os líderes da UE aderem aos compromissos fundamentais “assumidos há 70 anos pelos membros do Conselho da Europa”.

Neste Dia Internacional dos Direitos Humanos – a data assinala o aniversário da aprovação, pelas Nações Unidas, da Declaração Universal dos Direitos Humanos –, a Cáritas diz que a Europa hoje “está no seu ponto mais avançado tecnologicamente, com novas plataformas digitais, tecnologia cibernética e inteligência artificial, mas também é extremamente carente social e ecologicamente”.

Por essas razões, sublinha a instituição católica, a União deve ratificar a Convenção Europeia “agora mais do que nunca” e todos os membros do Conselho da Europa a devem pôr em prática. “É crucial que os progressos no sentido da aplicação integral sejam monitorizados, para garantir que todas as partes defendem, protegem e promovem os direitos no interior, de modo a que os valores da Europa possam ser defendidos”.

A Convenção Europeia dos Direitos do Homem foi o primeiro instrumento a clarificar e vincular, em lei, os direitos humanos de todos os povos sob o seu território, conforme estabelecido na Declaração Universal dos Direitos do Homem, recorda a Cáritas. Esse tratado internacional confirma a “profunda crença dos membros nas liberdades fundamentais que são a base da justiça e da paz no mundo”. Mas, apesar de ter sido “uma conquista impressionante dos Estados europeus, um pacto entre governos e seus povos, ainda estamos longe de sua implementação total”, lamenta a Cáritas.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This