Cáritas, Franciscanos e outras instituições dinamizam campanhas de apoio a Moçambique

| 27 Mar 19

Desalojados da tragédia provocada pelo Idai: é preciso acorrer às necessidades imediatas e iniciar já a reconstrução. Fotografias © Caritas Internationalis

 

A Cáritas Portuguesa, a Província Franciscana de Portugal e as fundações Fé e Cooperação (FEC) e Gonçalo da Silveira (FGS) são algumas das instituições que lançaram novas campanhas de apoio a Moçambique, cuja região centro foi atingida há quase duas semanas pela catástrofe provocada pelo ciclone Idai e que se pode agravar sobretudo em matérias de doenças e saúde pública, que poderão surgir a partir daqui.

A Província Franciscana de Portugal anunciou que destinará ao apoio a Moçambique um conjunto de donativos a recolher nos próximos seis meses: a “renúncia quaresmal” das fraternidades dos franciscanos em todo o país; o produto da renúncia pessoal de cada irmão e dos seus amigos e conhecidos; o contributo das diferentes congregações franciscanas e das fraternidades leigas ligadas à Ordem; e a partilha que amigos ou anónimos queiram confiar aos franciscanos. Estes donativos terão de ser todos em dinheiro, através da conta da União Missionária Franciscana,que tem como primeira missão recolher ajudas para a Igreja e povos de África (IBAN PT50 0010 0000 0242 5320 0011 5).

Frei Amaral Kuambe, custódio franciscano em Moçambique, escreveu para os seus confrades portugueses dizendo: “Chocados pela indescritível tragédia humana que o ciclone Idai tem provocado na zona centro de Moçambique, queremos reagir à tentação do desânimo com a nossa presença e proximidade: arregaçar as mangas e lutar pela vida.”

No comunicado com que anunciou a campanha, o provincial da Ordem Franciscana em Portugal, frei Armindo Carvalho, diz que, de modo a contrariar a tendência de esmorecimento que este tipo de campanhas acaba por sofrer, os frades estenderão a iniciativa pelo menos por seis meses, após o que prometem “dar conta dos resultados”.

 

Escolas, comida, alimentos, água potável

Nos últimos dias, várias outras entidades religiosas e da sociedade civil, juntaram-se também à onda de solidariedade, nascida desde o primeiro dia, para promover a recolha de ajuda de emergência e apoiar planos de reconstrução nos próximos cinco anos.

As fundações Fé e Cooperação (FEC) e Gonçalo da Silveira (FGS), juntamente com a ONG VIDA, querem ajudar naquilo que chamam “pós-emergência”, ou seja, a reconstrução de toda a região afetada: prometem desde já reconstruir 600 salas de aula que ficaram destruídas, de modo a garantir o regresso à escola de 14 mil crianças. Estima-se que 48 por cento dos afetados pelo Idai (cerca de 1,8 milhões de pessoas) são crianças que ficaram sem acesso a estruturas escolares – seja porque as escolas foram destruídas ou porque estão a servir como centros de abrigo e acolhimento.

O apoio à região afetada passará pela reconstrução de estruturas básicas de educação, criação de estruturas temporárias de ensino em tendas e distribuição de conjuntos escolares, num plano previsto para concretizar em cinco anos. (Se pretende apoiar este projeto concreto, pode fazê-lo através da contaFGS Emergência Moçambique 2019, IBAN: PT50 0036 0000 9910 5918 1487 7.)

A Cáritas Portuguesa, que disponibilizou no primeiro dia um fundo de emergência de 25 mil euros, anunciou também uma campanha de angariação de fundos para apoiar a reconstrução das regiões afetadas, tendo assegurado que “todo o dinheiro angariado será diretamente para a satisfação das necessidades locais”. (Os apoios podem ser canalizados através do IBAN PT50 0033 0000 0109 0040 1501 2, no Multibanco clicando Entidade/Referência 22222, Transferências – Ser Solidário e por MB Way 911 597 284 – ver mais informação aqui.)

Eugénio Fonseca, presidente da instituição católica, referiu na ocasião que, de forma voluntária e ainda sem uma campanha oficial, a Cáritas já recebeu 36.300 euros. Com esta verba, já foi possivel distribuir dois mil cabazes de alimentos e quatro mil pacotes de higiene e saúde, incluindo sabão e redes mosquiteiras.

Quatro mil agregados familiares foram já auxiliados, prevendo a instituição que os contributos possam aumentar o número de famílias apoiadas.

De acordo com informações da Cáritas Moçambicana, as principais necessidades das famílias afetadas continuam a ser alimentos, água, roupa, abrigo, utensílios de cozinha e higiene. Agora, um dos maiores riscos são as doenças com origem na água não potável, que podem aumentar a um nível exponencial – como o caso da malária. Também há o risco do aumento de criminalidade, por ausência de mecanismos de segurança.

A Cruz Vermelha transportou para Moçambique, na segunda-feira, 25 de março, 35 toneladas de ajuda humanitária, incluindo um hospital de campanha com sete módulos e geradores, além de 15 toneladas de medicamentos.

Ainda no campo católico, a diocese de Setúbal anunciou que parte da renúncia quaresmal (dinheiro posto de lado pelos católicos, como resultado de alguma renúncia a um bem supérfluo ou dispensável) terá como destino a ajuda aos moçambicanos.

Nesta terça-feira, 26, o registo oficial de vítimas da tragédia apontava para 468. No Zimbabwe e no Malawi, também atingidos pelo Idai, as vítimas mortais eram 259 e 56, respetivamente.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

À medida que a pandemia alastrava, a angústia crescia no pequeno mosteiro do sul de França onde vivem as Irmãs da Consolação do Sagrado Coração e da Santa Face. As 25 religiosas queriam fazer mais do que rezar. Diante da imagem de Nossa Senhora do Povo, que acreditam ter salvo a sua região da peste em 1524, pediram lhes fosse dada uma tarefa: queriam colaborar com a virgem no combate a esta nova pandemia. No dia seguinte, receberam uma chamada do bispo da diocese e outra do presidente da câmara: ambos lhes pediam para fabricar máscaras.

É notícia

Entre margens

A ilusão do super-homem novidade

As últimas semanas em Portugal, e há já antes noutros cantos do mundo, um ser, apenas visível a microscópio, mudou por completo as nossas vidas. Na altura em que julgávamos ter atingido o auge da evolução e desenvolvimento técnico e científico, surge um vírus.

Esse Deus não é o meu!

Os fundamentalismos alimentam-se do medo, do drama e da desgraça. Muitos deles sobrevivem ainda do Antigo Testamento, a fase infantil da revelação divina na perspectiva cristã.

Cultura e artes

Editora francesa oferece “panfletos” sobre a crise

Sendo certo que as doações essenciais neste período de pandemia dizem respeito a tudo o que nos pode tratar da saúde física, não há razão para negligenciar outras dádivas. É o caso de uma das mais famosas editoras francesas, a Gallimard, que diariamente oferece textos que pretendem ser uma terceira via entre a solenidade da escrita de um livro e o anódino da informação de um ecrã.

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco