Cáritas Internacional pede fim das sanções à Síria

| 23 Mar 21

SyriaEducation, crianças, escolas, Síria

Caritas lançou campanha de angariação de fundos para os mais novos, destacando que 2,4 milhões de crianças não têm acesso à escola. Foto © Caritas Internacionalis

 

A Cáritas Internacional pediu o fim das sanções à Síria e incentivou a comunidade internacional a agir, alertando que, depois de 10 anos de guerra, o país vive uma “bomba” de pobreza.

“Os sírios, e especialmente a geração mais jovem da Síria, não podem mais suportar os julgamentos e a violência desta guerra, eles merecem um futuro melhor”, disse o secretário-geral da organização católica internacional, Aloysius John, na conferência em vídeo “Igreja e Cáritas: 10 anos de resposta humanitária na Síria”.

Num comunicado tornado público nesta terça-feira, 23, a federação internacional da Cáritas informa que se “une” à Igreja na Síria para pedir a suspensão das sanções unilaterais, o aumento do acesso a serviços e cuidados de saúde, incluindo vacinas contra a covid-19.

A organização católica pede também que a solução do conflito na Síria seja “uma paz negociada”, evitando o impasse contínuo que só resulta em “sofrimentos incalculáveis” para civis inocentes.

“A destruição não fez distinção entre casas, instalações públicas ou centros médicos ou educacionais”, afirmou o diretor-executivo da Cáritas Síria.

Riad Sargi explicou que as sanções e o boicote ao país “afetaram negativamente a vida dos cidadãos”, especialmente os mais vulneráveis, e “alguns só podem comer pão e beber água”.

A Caritas Internationalis alerta que 90% da população síria “mergulhou na pobreza”, como consequência de dez anos de guerra, de sanções internacionais, da pandemia e da crise económica.

Segundo a organização, um terço da população fugiu do país e 12,4 milhões de pessoas não têm acesso fiável a alimentos e aquecimento.

Na conferência online, o núncio apostólico (embaixador do Vaticano) na Síria salientou que “não caíram bombas e foguetes” em várias regiões da Síria por alguns meses mas explodiu a “terrível ‘bomba’ da pobreza”.

O cardeal Mario Zenari avisou que “os grandes projetos de emergência não podem continuar para sempre”.

Segundo o comunicado, a Cáritas Internacional ajudou uma média de “um milhão de pessoas por ano” desde o início da guerra, em 2011, em áreas como a alimentação, educação, reforma de casas, apoio psicológico e de saúde, projetos de água e higiene, e projetos de subsistência.

A organização lançou uma campanha de angariação de fundos para os mais novos, destacando que 2,4 milhões de crianças não têm acesso à escola.

“Queremos paz, queremos diálogo. Pedimos ao governo que coopere com a oposição para restaurar a dignidade humana”, afirmou Jean-Abdo Arbach, arcebispo melquita de Homs e presidente da Cáritas Síria.

Esta conferência decorreu na véspera da quinta conferência de doadores da União Europeia.

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow novidade

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

O outro sou eu

O outro sou eu novidade

Há tanto que me vem à cabeça quando penso em Jorge Sampaio. Tantas ocasiões em que o seu percurso afetou e inspirou o meu, quando era só mais uma adolescente portuguesa da primeira geração do pós-25 de Abril à procura de referências. Agora, que sou só uma adulta que recusa desprender-se delas, as memórias confundem-se com valores e os factos com aspirações.

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados

Líbano tem novo Governo

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados novidade

O novo Governo do Líbano, liderado pelo muçulmano sunita Najib Mikati, obteve nesta segunda-feira, 20 de setembro, o voto de confiança do Parlamento. A nova estrutura de Governo reflete na sua composição a variedade do “mosaico” libanês, nomeadamente do ponto de vista das diversas religiões e confissões religiosas, mas os siro-católicos dizem ter sido marginalizados.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This