Cáritas Internacional reforça apelos ao cessar fogo global e ao perdão da dívida dos países pobres

| 18 Jul 20

Cópia de relatorio caritas internacionalis 2019

Colagem de fotos de migrantes de todo o mundo, usada para ilustrar a capa do relatório anual da Cáritas Internacional.

 

A Cáritas Internacional apresentou esta quinta-feira o seu relatório anual relativo a 2019, tendo apelado ao cessar-fogo global e ao perdão da dívida dos países mais pobres como a única via para “salvar as vidas de milhões de pessoas”, reforçando assim os apelos já feitos pelo secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres, e pelo Papa.

“A dívida internacional dos países mais pobres da África, algumas partes da América Latina e Ásia teve grandes consequências sociais e económicas. O Papa Francisco tem sempre insistido para que a dívida seja cancelada, a fim de dar a esses países a possibilidade de seguir caminhos de recuperação e desenvolvimento”, disse o presidente da instituição, o cardeal filipino Luis Antonio Tagle, durante uma conferência de imprensa virtual realizada esta quinta-feira, 16 de julho.

Recordando que somos “uma só família humana”, Tagle assinalou que “o sentimento de proximidade que a pandemia despertou, afetando a todos, não pode ser esquecido sem deixar um sinal”. Um sinal que, para o presidente da Cáritas Internacional, deve refletir-se na “capacidade de combater com força as condições dramáticas como a fome mundial, guerras e violência que esmagam vidas humanas e a dignidade das pessoas”, recuperar o olhar inclusivo do Papa Francisco na encíclica Laudato si’ e trabalhar por ações concretas, como a de “um cessar-fogo global”.

O secretário-geral da Cáritas Internacional, Aloysius John, sublinhou que a instituição já fez um “pedido claro” aos ministros das Finanças do G20, que estarão reunidos este sábado, 18 de julho, para que tomem medidas concretas e cancelem as dívidas dos países pobres, de modo a “impedir a catástrofe para centenas de milhões de pessoas”.

Na perspetiva dos representantes da confederação internacional da Cáritas, os montantes relativos ao perdão da dívida deverão ser aplicados em “projetos de desenvolvimento locais” e bastará uma pequena parte desse montante para já “salvar as vidas de milhões de pessoas”.

A diretora da Cáritas no Líbano, Rita Rhayem, apresentou o seu país como um dos exemplos em que o perdão da dívida, o fim das sanções económicas e o cessar-fogo seriam determinantes.

“Um país à beira do colapso”, assim descreveu Rhayem o Líbano, explicando que ali se está a viver “a pior situação económica de sempre”, com a moeda a desvalorizar 80% e a necessidade de combater “duas pandemias: a covid-19 e a fome”.

Também para o cardeal Wilfrid Fox Napier, presidente da Cáritas da África do Sul, a “dívida internacional” é uma “grande limitação ao crescimento e desenvolvimento da África”. Napier criticou as relações desiguais entre os países ocidentais e africanos, denunciando a “dependência quase total das antigas potências ocupantes”.

Apesar do cenário de crise, o secretário-geral da Cáritas Internacional assegurou que a organização, que desde o início da pandemia já mobilizou mais de 12 milhões de euros para ajudar 15 milhões de pessoas, está a preparar-se para o pós-pandemia.

Segundo Aloysius John, a ajuda vital da Cáritas tem estado a chegar aos mais vulneráveis em países como Myanmar, Brasil, Venezuela, República Centro-Africana e Líbano, e chegará a muitos mais.

“A confederação da Cáritas é um organismo vivo que está em permanente mudança e adaptação”, disse, reafirmando a promessa de que a organização continuará a defender, servir e acompanhar os pobres e que está cada vez mais comprometida com a missão da “globalização da solidariedade”.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Comissão Europeia reduz metas da luta contra a pobreza novidade

A Comissão Europeia (CE) reduziu o objetivo europeu quanto ao número de cidadãos que pretende tirar da pobreza daqui até 2030: a meta são agora 15 milhões no lugar dos 20 milhões que figuravam na estratégia anterior [2010-2020]. O plano de ação relativo ao Pilar dos Direitos Sociais proposto pela CE inclui ainda a “drástica redução” do número de sem-abrigo na Europa, explicou, em entrevista à agência Lusa, publicada nesta sexta-feira, dia 5 de março, o comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit.

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This