UE quer 70% de vacinação no mundo dentro de meses

Cáritas pede ao G20 que transforme promessas em vacinas

| 29 Out 2021

vacina covid 19 foto c magnifical productions

“A menos que o acesso equitativo à vacina seja garantido às pessoas mais vulneráveis nos países menos desenvolvidos, não iremos sair desta pandemia”, alerta a Caritas Internationalis. Foto © Magnifical Productions.

 

A Cáritas Internacional defendeu esta sexta-feira, 29, que os participantes na cimeira do G20, em Roma, devem “honrar as promessas e acelerar a resposta global” à pandemia – precisamente o principal tema do encontro. Na véspera, antecipando o que pode ser uma decisão da cimeira que decorre este fim-de-semana em Roma, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou que os líderes das vinte principais economias se irão comprometer em atingir os 70% da população mundial vacinada com duas doses contra a covid-19 em meados do próximo ano.

No comunicado da Caritas Internationalis, o secretário-geral da organização, Aloysius John, afirma: “Transformar as promessas feitas sobre vacinas em acções concretas exige atenção imediata antes que seja tarde demais. A menos que o acesso equitativo à vacina seja garantido às pessoas mais vulneráveis nos países menos desenvolvidos, não iremos sair desta pandemia.”

É necessária “uma vontade política mais forte” para enfrentar a crise pandémica, diz o comunicado, citado pela agência Ecclesia, e acrescenta que o acesso às vacinas é um “direito básico”.

“É uma responsabilidade global tornar não só as vacinas disponíveis e acessíveis, mas também apoiar o fortalecimento dos sistemas de saúde dos países mais vulneráveis.”

O comunicado fala também das limitações impostas pelos direitos de propriedade intelectual das vacinas contra a covid-19. “A Cáritas defende a solidariedade global para ajudar os países menos desenvolvidos a enfrentar a pandemia, bem como a transferência do know-how tecnológico necessário para encorajar a produção local de vacinas sempre que possível. Caso contrário, a recuperação sustentável desta crise será impossível.”

A Caritas Internationalis, federação de 162 organizações nacionais, pede ainda “a criação de um processo sistemático e abrangente para a reestruturação da dívida soberana através das Nações Unidas”.

 

As promessas de Ursula

No anúncio que fez sobre o mesmo tema, Ursula von der Leyen afirmou que a União Europeia está preparada para cumprir a sua parte, aumentando a exportação e doação de vacinas contra a covid-19 e apoiando igualmente a produção de vacinas nos países em desenvolvimento, em particular em África.

“Aumentar a capacidade de produção (…) é um projecto que me é particularmente querido. A UE está a investir mais de mil milhões de euros em África exactamente com esse propósito”, disse Von der Leyen, citado no Público (ligação disponível a assinantes).

De acordo com a mesma fonte, a presidente da Comissão referiu que há “bons progressos” nas negociações da farmacêutica BioNTech para criar centros de produção no Senegal, Ruanda e África do Sul, e que há contactos em curso para estender essa “rede de cooperação” ao Gana, Egipto, Marrocos, Nigéria e Quénia.

Actualmente, 99% das vacinas administradas em África, seja contra a covid-19 ou todas as outras doenças, são importadas. Ursula von der Leyen acrescentou que, por isso, a UE “apoia o objectivo” dos países africanos de se tornarem mais independentes: a meta é chegar a 2040 com 60% das vacinas que administram produzidas no continente.

Para já, a presidente da Comissão prometeu que “a maioria” das 3,5 mil milhões de doses de vacinas contra a covid-19 que se calcula venham a ser produzidas na UE no próximo ano serão para exportar. E prevê que os Estados-membros possam doar 500 milhões de doses de vacinas até meados de 2022.

 

Jovens vão dizer aos bispos o que querem discutir, num modelo inédito de catequeses da JMJ

Inspirado no processo sinodal

Jovens vão dizer aos bispos o que querem discutir, num modelo inédito de catequeses da JMJ novidade

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 vai inaugurar um novo modelo de catequeses com os bispos, em que os jovens serão “os verdadeiros protagonistas”. Pela primeira vez na história das Jornadas, os jovens de todo o mundo são desafiados a refletir previamente sobre os temas dessas catequeses (as quais mudam de designação e passam a chamar-se encontros) e a partilhar com a organização da JMJ os resultados dessa reflexão. Os encontros, que ocuparão as manhãs de dias 2, 3 e 4 de agosto, serão preparados tendo em conta esses contributos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Em Lisboa

Servas de N. Sra. de Fátima dinamizam “Conversas JMJ”

O Luiza Andaluz Centro de Conhecimento, ligado á congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima, acolhe na próxima quinta-feira, 30 de março, a primeira de três sessões do ciclo de “Conversas JMJ”. Esta primeira conversa, que decorrerá na Casa de São Mamede, em Lisboa, pelas 21h30, tem como título “Maria – mulheres de hoje” e será dedicada ao papel da mulher na sociedade atual.

Cristãos “horrorizados e magoados” com escalada de violência na Terra Santa

Apelo à ação do governo israelita

Cristãos “horrorizados e magoados” com escalada de violência na Terra Santa novidade

Os ataques contra cristãos têm vindo a intensificar-se desde o início do ano na Terra Santa, e em particular nas últimas semanas contra a comunidade católica, que se assume cada vez mais assustada e receosa. O padre Francesco Patton, Custódio da Terra Santa, sublinha que “não é coincidência que esses incidentes graves estejam a a ocorrer especificamente agora” e pede ao governo israelita que aja com determinação para pôr fim a esta escalada de tensão.

“Uma paz duradoura só pode ser uma paz sem armas”, lembra o Papa

Vídeo de abril

“Uma paz duradoura só pode ser uma paz sem armas”, lembra o Papa novidade

Na edição de abril d’O Vídeo do Papa, Francisco pede com determinação que “desenvolvamos uma cultura da paz”, assinalando que “uma paz duradoura só pode ser uma paz sem armas”. Previamente gravado e divulgado esta quinta-feira, 30 de março, o vídeo assinala também os 60 anos da publicação da encíclica Pacem in Terris, escrita pelo Papa João XXIII, que se cumprem no próximo dia 11.

Igreja condena “Doutrina do Descobrimento” e pede perdão aos povos indígenas

Declaração conjunta repudia bulas papais

Igreja condena “Doutrina do Descobrimento” e pede perdão aos povos indígenas novidade

O Vaticano reforçou esta quinta-feira, 30 de março, a sua posição a favor dos direitos dos povos indígenas das Américas, África e Austrália ao repudiar os fundamentos papais do século XV que estiveram na base da posterior “Doutrina do Descobrimento”, formulada para conferir caráter legal à expropriação das terras dos povos indígenas pelo colonos europeus.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This