Carta de uma mãe ao mundo

| 29 Abr 2021

“O amor também reside na subtileza, na leveza, na aceitação da individualidade.” Pintura: Almada Negreiros, “Maternidade”, óleo s/ tela (1935), Museu Calouste Gulbenkian

 

Diz-se muito que os filhos servem para ensinar aos pais o amor incondicional. Acredito em parte. Realmente, os filhos vêm para que consigamos perceber a quantidade de amor que somos capazes de suportar cá dentro. O problema é que crescemos pouco treinados para lidar com essa expansão; e são poucos, aqueles que se entregam à real contemplação da natureza do amadurecimento do ser. Eis o que é amar, verdadeiramente.

Confunde-se o amor com as expectativas e perspetivas que, tão ingratamente, se depositam nos filhos. Há uma tendência desprezível para culpas e orgulhos alheios, como se os filhos fossem meros objetos de estudo. Se singram na vida, muito honrados se sentem pai e mãe, com a tão equivocada sensação de que foi graças à educação que se lhes deu. Se fracassam, a culpa infinda-se como se toda a dedicação tivesse sido um erro.

Acaso os pais não vivem inseridos numa sociedade? Acaso os pais não têm o direito de ser humanos com defeitos e qualidades? Acaso os pais são donos da sorte e do destino? Acaso os pais são deuses?

Não!! O amor também reside na subtileza, na leveza, na aceitação da individualidade.
A maior e mais bela função de um pai, de uma mãe, é a primazia na abordagem dos valores. É tudo o que se pode. O respeito íntegro reside na observação ativa; isso é ser mãe e pai, transmitir valores nunca esquecendo que a perfeição não passa de um mito.

Ver um filho crescer é como apreciar o ciclo da natureza e nada é mais belo que deixá-lo fluir em seus encantos, ao passo que nos vamos tornando a margem serena e assertiva, que também é passível de transbordo aquando das tempestades.
É estéril sonhar com o que se quer para os filhos, é roubar-lhes a vida. Não sonhar por eles torna-os superiores àquilo que qualquer sonho possa imaginar; deixemo-los navegar pela autenticidade, pela descoberta das virtudes onde se confortam, sem imposições cheias de pretextos e fundamentos que são nossos, não deles.

Enquanto pais, não devemos temer o fracasso dos filhos nem aspirar à sua realização. Devemos apenas depositar toda a nossa crença nas pequenas ações. Não enclausurar nem abandonar, estar presente sem sufocar. Elogiar sem comparar e repreender sem humilhar. Não fazer da confidencialidade e da privacidade uma ofensa à relação. Confortá-los nas horas de dor, e dedicar-lhe as alegrias. Não os culpar do fim do mundo pelos erros que cometem, nem desvalorizar desvios éticos por preguiça de educar.

Os pais e as mães têm em si os pilares de toda a dignidade humana, que só o medo é capaz de destruir. Amar é lutar contra o medo.

Se pararmos de olhar para os nossos filhos como um símbolo da nossa eficácia intelectual e aproveitarmos o despoletar desse amor para aplicá-lo em todos os filhos do mundo, seremos melhores pais e os nossos filhos serão melhores filhos, e consequentemente, melhores pais.
O mundo será melhor mundo se os nossos filhos estiverem mais empenhados em amar do que em competir; e essa é uma luta sem fim.

Ana Sofia Brito é performer e artista de rua por opção, embora também mantenha a arte de palco; frequentou o Chapitô e estudou teatro físico na Moveo, em Barcelona.

 

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Estudo apresentado dia 27

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas novidade

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

O princípio de Betânia

O princípio de Betânia novidade

Numa sexta-feira, seis dias antes da Páscoa, no regresso de Jericó para Jerusalém, Jesus faz uma pausa em Betânia, uma pequena aldeia a três quilómetros de Jerusalém que visitava regularmente, sendo amigo da família de Lázaro, Marta e Maria. É que no sábado a lei judaica não permitia viajar. Entretanto, um tal Simão denominado “o leproso” (talvez um dos que Jesus tinha curado) convida-o para um jantar no sábado à noite na sua casa, também em Betânia. [Texto de José Brissos-Lino]

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This