Casamento também é vocação – um contributo para a pastoral vocacional

| 16 Ago 19

Diz o Papa Francisco, na última exortação apostólica Christus Vivit (CV 256): a vocação trata, em suma, de “reconhecer para que fui criado, qual o sentido da minha passagem por esta terra, qual o projeto do Senhor para a minha vida”. É frequente ouvirmos na Igreja Católica, pelo menos todos os anos na Semana de Oração pelas Vocações, que há um “decréscimo nas vocações”, mas esta afirmação refere-se comummente às sacerdotais ou religiosas. É um facto, como se pode ler numa notícia publicada no final de Abril pelo L’Osservatore Romano e reproduzida pelo Aleteia.

Há um decréscimo acentuado ao nível global, sobretudo nas vocações consagradas femininas, e isso não é bom, pois são pessoas muito necessárias no nosso mundo, para os católicos e não só.

Uma leitura mais atenta da notícia, no entanto, faz ressaltar algo de sintomático: o título diz que “vocações caíram”, mas lemos depois que houve, por exemplo, um “crescimento acentuado” do número de agentes pastorais: diáconos permanentes, catequistas e missionários leigos. Mas afinal, não tinham decrescido? Ou estas vocações não são “vocações”? E o matrimónio? Nem sequer constam no texto números sobre o mesmo, para saber se aumentou ou decresceu.

Sabemos até que em Portugal, não só o número de casamentos católicos diminuiu, de 70% do número total de casamentos (em 1990) para o oposto (30% desse número, em 2018). Mais: os divórcios católicos superam os de casamentos civis consecutivamente todos os anos desde, pelo menos, 2007, altura em que se dá o ponto de inflexão, ou seja, quando começa a haver mais casamentos civis do que católicos. Chegando a 2017, registamos quase 100 divórcios por cada 100 casamentos católicos realizados. Por fim, ao nível europeu, entre 27 países, Portugal regista o número mais alto de divórcios: 70 em cada 100 casamentos.

O substantivo usado no título da notícia de forma isolada, referindo-se apenas a vocações para o celibato – “vocações” – é apenas um resumo inofensivo ou um sinal de como tratamos habitualmente este tema, não só em Portugal?

A Semana de Oração pelas Vocações, sem se destinar a falar só das vocações consagradas, acaba por fazê-lo (pelo menos em muitos casos, não direi todos). Porque abordamos a temática do casamento quando se fala de “família” e a colocamos à parte no todo que é a conversa sobre a vocação? Ainda para mais, é o caminho para o qual a maioria é chamada por Deus. Em terceiro lugar, são os leigos, a maioria, a quem é pedida a intervenção social no mundo, cada um nas suas circunstâncias concretas, como nos diz a doutrina social católica e tanto proclamou o II Concílio do Vaticano. Ademais, bem diz o Papa na exortação já citada, que é essencial que a pastoral juvenil e a familiar tenham uma “continuidade natural” (CV 242).

 

Quem são estas pessoas?

Já é algo que se vê com bons exemplos, mas há que tratar também mais o solteiro como “família” e não como alguém que está numa “sala de espera” de algo que não sabe o que será, que já não é jovem nem é casado ou consagrado, que parece que “não é carne nem peixe”. Essa condição de vida também é querida por Deus e esta pessoa é chamada à santidade aqui e já, nas suas circunstâncias específicas: pode crescer, ser feliz, servir e dar sentido à sua vida e à dos outros.

E porque se supõe que a vocação para a vida consagrada é que é “a vocação”? Essa é que é a chamada “dura” e “exigente”? Qualquer casado dirá que isso não é verdade e não me parece que a vocação consagrada seja para quem não tem alternativa. Antes pelo contrário. É perigoso  usar o “duro” e “exigente” como condição necessária para qualquer escolha vocacional.

Há que ter em conta a realidade sociológica dos dias de hoje. Casa-se em média com 30 anos. Em termos pastorais, quem são estas pessoas? Jovens? Velhos? Como acompanhar os que “não são chamados ao matrimónio ou à vida consagrada”? (CV 267); “devemos recordar sempre que a primeira e mais importante vocação é a vocação batismal”? (CV 267). Concordo com o Papa, mas se uma pessoa não encontrou uma daquelas vocações em “jovem” (um conceito difuso e que hoje em dia irá até aos 30?), porque não encontrará mais tarde? Mais: mesmo que a opção dos filhos já possa estar de parte, sendo que é ainda possível de forma natural até cerca dos 40, pode-se viver a fecundidade no casamento de diversas formas: dando mais atenção à relação com o cônjuge, ter um papel de contributo na comunidade, adotando filhos…

Não seriam formas de combater o decréscimo nas vocações consagradas? De quanto trabalho administrativo e não necessariamente espiritual estão sobrecarregados os padres? Seria uma ajuda preciosa para se focarem no seu ministério.

A idade de casamento é cada vez mais tarde para um número crescente de pessoas e o mundo necessita muito de todos. Quanto dinamismo é necessário às comunidades e tantos solteiros e casais com mais disponibilidade poderiam, com a sua criatividade e energia, ajudar-nos a superar crises e carências? Quantas crianças não amadas estão à espera de adoção? Quantos fetos abortados e que poderiam ser acolhidos por tantas famílias que o desejam? Quanta pobreza e exclusão social, em Portugal e no mundo todo, com necessidade de mãos e de abraços?…

 

Sete sugestões

Realizamo-nos na relação, no casamento ou em outros caminhos. Nenhum deles prevê necessariamente mais felicidade e cada um deve encontrar onde se encaixa e onde se realiza e realiza os outros.

Defendo, assim, que a ajuda no discernimento vocacional deve ser feita apresentando as várias opções e a Semana de Oração pelas Vocações não seja dirigida apenas para os consagrados, mas para as várias opções, com estas sugestões concretas:

  • Com a consideração igual das vocações para um solteiro;
  • Tendo em conta as novas realidades sociológicas, sobretudo a idade de casamento; os “jovens” já não são o que eram;
  • Nenhuma vocação é “superior” à outra;
  • O matrimónio é o caminho mais escolhido, pelo que deve ter outro lugar no trabalho pastoral. Mais formação, não necessariamente só “doutrinária” (CV 214) e de “proselitismo” (CV 211-212), mas acompanhamento de amizade e de acolhimento, como diz o Papa;
  • A preparação para o casamento é fulcral, se se quer contrariar os números citados;
  • O apoio às situações delicadas de divórcio e separação também é muito importante, a avaliar pelos números. O casamento não é uma instituição querida em Portugal e a Igreja também tem uma palavra a dizer e a reconhecer;
  • Também se pede mais apoio aos agentes pastorais que muitas vezes sacrificam a sua vida pessoal e profissional em prol dos outros.

 

António Pimenta de Brito é co-fundador do projeto datescatolicos.org

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Um Manual de Desintoxicação nos dois anos do PontoSJ novidade

Manual de Desintoxicação é o título do livro que a editorial A.O., dos jesuítas, apresenta esta quinta-feira, 27, no centro cultural Brotéria, no Bairro Alto, em Lisboa. Para o efeito, a partir das 19h, haverá uma conversa entre os jornalistas Isabel Lucas e Luís Osório e o professor universitário Viriato Soromenho-Marques.

Situação “catastrófica” no Líbano, sem “ninguém” para ajudar cristãos novidade

Cerca de 40 mil famílias cristãs podem deixar o Líbano, nos próximos tempos, se a grave crise económica persistir no país, agravando duras condições de vida das pessoas. A irmã Maria Lúcia Ferreira, religiosa portuguesa do Mosteiro de São Tiago Mutilado, em Qara (Síria), perto da fronteira com o Líbano, diz que o agravamento da situação neste último país pode afectar ainda mais os cristãos, que “não têm ajuda de ninguém”, enquanto “os xiitas têm a ajuda do Irão e os sunitas têm a ajuda da Arábia Saudita…”

Epidemia de dengue mata crianças na Bolívia novidade

A diocese de Santa Cruz (centro-sul da Bolívia) decidiu apoiar a prevenção da luta contra a epidemia de dengue que atinge várias regiões do país e que, naquela diocese, matou já 20 pessoas, a maior parte das quais eram crianças.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Olhar a mulher com Alfredo Cunha novidade

O Tempo das Mulheres, em exposição no Museu de Lisboa (Torreão Poente da Praça do Comércio) até 29 de março, oferece um conjunto de fotografias de mulheres com o comentário de Maria Antónia Palla. A objetiva de Alfredo Cunha percorreu diversas regiões do globo, diferentes épocas e vivências culturais. A exposição divide-se em quatro tempos: infância, juventude, idade adulta, e terceira idade; numa alusão aos tempos que percorrem a vida e se constituem como marcos da sua evolução.

Da eutanásia às Cinzas

Viveremos (os cristãos), nesta quarta-feira, a imposição das Cinzas, lindíssima celebração pela qual muitos cristãos (incluindo eu) têm verdadeira devoção, sejam quais forem as interpretações, significados pessoais (ou teológicos) desse gesto: para mim, é sagrado. Passada a Quarta-Feira de Cinzas iniciaremos a caminhada quaresmal.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Sete Partidas

Sankt Andreas Kirke, Copenhaga – Uma igreja nómada

Gothersgade 148, 1123 København K, Igreja de Skt. Andreas. Era este o sítio a que nos devíamos dirigir quando nos interessámos por um concerto de música clássica, de entrada gratuita, por altura do Natal de 2009. Estávamos em fase de descoberta daquela que seria a nossa casa por 10 anos – Copenhaga, Dinamarca.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Mar
3
Ter
Seminário “Ecologia e Espiritualidade” @ ISTA - Convento de S. Domingos
Mar 3@18:00_20:15

O seminário consta de oito sessões semanais, de 3 de Março a 28 de Abril e tem preços reduzidos de participação para estudantes e desempregados.

 

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco