Casamento também é vocação – um contributo para a pastoral vocacional

| 16 Ago 19

Diz o Papa Francisco, na última exortação apostólica Christus Vivit (CV 256): a vocação trata, em suma, de “reconhecer para que fui criado, qual o sentido da minha passagem por esta terra, qual o projeto do Senhor para a minha vida”. É frequente ouvirmos na Igreja Católica, pelo menos todos os anos na Semana de Oração pelas Vocações, que há um “decréscimo nas vocações”, mas esta afirmação refere-se comummente às sacerdotais ou religiosas. É um facto, como se pode ler numa notícia publicada no final de Abril pelo L’Osservatore Romano e reproduzida pelo Aleteia.

Há um decréscimo acentuado ao nível global, sobretudo nas vocações consagradas femininas, e isso não é bom, pois são pessoas muito necessárias no nosso mundo, para os católicos e não só.

Uma leitura mais atenta da notícia, no entanto, faz ressaltar algo de sintomático: o título diz que “vocações caíram”, mas lemos depois que houve, por exemplo, um “crescimento acentuado” do número de agentes pastorais: diáconos permanentes, catequistas e missionários leigos. Mas afinal, não tinham decrescido? Ou estas vocações não são “vocações”? E o matrimónio? Nem sequer constam no texto números sobre o mesmo, para saber se aumentou ou decresceu.

Sabemos até que em Portugal, não só o número de casamentos católicos diminuiu, de 70% do número total de casamentos (em 1990) para o oposto (30% desse número, em 2018). Mais: os divórcios católicos superam os de casamentos civis consecutivamente todos os anos desde, pelo menos, 2007, altura em que se dá o ponto de inflexão, ou seja, quando começa a haver mais casamentos civis do que católicos. Chegando a 2017, registamos quase 100 divórcios por cada 100 casamentos católicos realizados. Por fim, ao nível europeu, entre 27 países, Portugal regista o número mais alto de divórcios: 70 em cada 100 casamentos.

O substantivo usado no título da notícia de forma isolada, referindo-se apenas a vocações para o celibato – “vocações” – é apenas um resumo inofensivo ou um sinal de como tratamos habitualmente este tema, não só em Portugal?

A Semana de Oração pelas Vocações, sem se destinar a falar só das vocações consagradas, acaba por fazê-lo (pelo menos em muitos casos, não direi todos). Porque abordamos a temática do casamento quando se fala de “família” e a colocamos à parte no todo que é a conversa sobre a vocação? Ainda para mais, é o caminho para o qual a maioria é chamada por Deus. Em terceiro lugar, são os leigos, a maioria, a quem é pedida a intervenção social no mundo, cada um nas suas circunstâncias concretas, como nos diz a doutrina social católica e tanto proclamou o II Concílio do Vaticano. Ademais, bem diz o Papa na exortação já citada, que é essencial que a pastoral juvenil e a familiar tenham uma “continuidade natural” (CV 242).

 

Quem são estas pessoas?

Já é algo que se vê com bons exemplos, mas há que tratar também mais o solteiro como “família” e não como alguém que está numa “sala de espera” de algo que não sabe o que será, que já não é jovem nem é casado ou consagrado, que parece que “não é carne nem peixe”. Essa condição de vida também é querida por Deus e esta pessoa é chamada à santidade aqui e já, nas suas circunstâncias específicas: pode crescer, ser feliz, servir e dar sentido à sua vida e à dos outros.

E porque se supõe que a vocação para a vida consagrada é que é “a vocação”? Essa é que é a chamada “dura” e “exigente”? Qualquer casado dirá que isso não é verdade e não me parece que a vocação consagrada seja para quem não tem alternativa. Antes pelo contrário. É perigoso  usar o “duro” e “exigente” como condição necessária para qualquer escolha vocacional.

Há que ter em conta a realidade sociológica dos dias de hoje. Casa-se em média com 30 anos. Em termos pastorais, quem são estas pessoas? Jovens? Velhos? Como acompanhar os que “não são chamados ao matrimónio ou à vida consagrada”? (CV 267); “devemos recordar sempre que a primeira e mais importante vocação é a vocação batismal”? (CV 267). Concordo com o Papa, mas se uma pessoa não encontrou uma daquelas vocações em “jovem” (um conceito difuso e que hoje em dia irá até aos 30?), porque não encontrará mais tarde? Mais: mesmo que a opção dos filhos já possa estar de parte, sendo que é ainda possível de forma natural até cerca dos 40, pode-se viver a fecundidade no casamento de diversas formas: dando mais atenção à relação com o cônjuge, ter um papel de contributo na comunidade, adotando filhos…

Não seriam formas de combater o decréscimo nas vocações consagradas? De quanto trabalho administrativo e não necessariamente espiritual estão sobrecarregados os padres? Seria uma ajuda preciosa para se focarem no seu ministério.

A idade de casamento é cada vez mais tarde para um número crescente de pessoas e o mundo necessita muito de todos. Quanto dinamismo é necessário às comunidades e tantos solteiros e casais com mais disponibilidade poderiam, com a sua criatividade e energia, ajudar-nos a superar crises e carências? Quantas crianças não amadas estão à espera de adoção? Quantos fetos abortados e que poderiam ser acolhidos por tantas famílias que o desejam? Quanta pobreza e exclusão social, em Portugal e no mundo todo, com necessidade de mãos e de abraços?…

 

Sete sugestões

Realizamo-nos na relação, no casamento ou em outros caminhos. Nenhum deles prevê necessariamente mais felicidade e cada um deve encontrar onde se encaixa e onde se realiza e realiza os outros.

Defendo, assim, que a ajuda no discernimento vocacional deve ser feita apresentando as várias opções e a Semana de Oração pelas Vocações não seja dirigida apenas para os consagrados, mas para as várias opções, com estas sugestões concretas:

  • Com a consideração igual das vocações para um solteiro;
  • Tendo em conta as novas realidades sociológicas, sobretudo a idade de casamento; os “jovens” já não são o que eram;
  • Nenhuma vocação é “superior” à outra;
  • O matrimónio é o caminho mais escolhido, pelo que deve ter outro lugar no trabalho pastoral. Mais formação, não necessariamente só “doutrinária” (CV 214) e de “proselitismo” (CV 211-212), mas acompanhamento de amizade e de acolhimento, como diz o Papa;
  • A preparação para o casamento é fulcral, se se quer contrariar os números citados;
  • O apoio às situações delicadas de divórcio e separação também é muito importante, a avaliar pelos números. O casamento não é uma instituição querida em Portugal e a Igreja também tem uma palavra a dizer e a reconhecer;
  • Também se pede mais apoio aos agentes pastorais que muitas vezes sacrificam a sua vida pessoal e profissional em prol dos outros.

 

António Pimenta de Brito é co-fundador do projeto datescatolicos.org

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo novidade

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico novidade

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Memórias do Levante

À ideia da raça superior sucedeu a ideia da cultura superior, quase tão maléfica como aquela. E escravizar os seres humanos “inferiores” deu lugar a desvalorizar ou mesmo destruir as culturas “inferiores”. O resultado é que, se ninguém ganhou com isso, a verdade é que a humanidade perdeu e muito

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos” novidade

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco