Na diocese de Lisboa

Catequistas terão de apresentar registo criminal “limpo”

| 30 Jun 2023

Crianças na catequese. Foto © Fat Camera

A medida faz parte do programa de formação e prevenção de abusos que a Comissão Diocesana de Proteção de Menores e Adultos Vulneráveis está a desenvolver com a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, e que incluirá também ações de formação e sensibilização para agentes pastorais. Foto © Fat Camera.

 

O procedimento já é seguido pelo Corpo Nacional de Escutas (CNE) para os seus dirigentes há mais de dez anos e a partir de agora será adotado pelo Patriarcado de Lisboa: todos aqueles que queiram dar catequese nas 18 vigararias da diocese serão obrigados a apresentar registo criminal “limpo”.

A notícia, avançada esta sexta-feira, 30 de junho, pelo Jornal de Notícias (acesso exclusivo para assinantes), refere que a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) “vê a medida com bons olhos” e adianta que há outras dioceses do país a avaliar a sua adoção.

Em relação aos catequistas e a todos os que, “em contexto eclesial, lidam com crianças, jovens e adultos vulneráveis”, a diocese de Lisboa decidiu ter particular atenção. A implementação de um manual de boas práticas contra os abusos sexuais já requeria “a análise da idoneidade dos candidatos”, refere, em declarações àquele jornal, o padre Tiago Neto, diretor do Setor da Catequese no Patriarcado de Lisboa. Este conjunto de ações marca um “ponto sem retorno na aplicação de medidas de proteção e cuidado, de modo a que as paróquias sejam lugares onde as crianças, os jovens, as famílias e os mais vulneráveis encontrem segurança e proteção”, afirmou.

A medida faz parte do programa de formação e prevenção de abusos que a Comissão Diocesana de Proteção de Menores e Adultos Vulneráveis está a desenvolver com a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), e que incluirá também ações de formação e sensibilização para agentes pastorais, formadores e trabalhadores de instituições particulares de solidariedade social, bem como padres e diáconos.

No caso do CNE, a medida abrange não só os dirigentes, como os candidatos ao cargo, “desde que iniciam a formação até à investidura na função”, refere Ivo Faria, presidente da direção nacional, em declarações ao Jornal de Notícias. O dirigente explica que a medida está enquadrada na Lei n.º 113/2009, que estabelece medidas de proteção de menores, e que a incumbência de receber os registos está delegada nas estruturas regionais do CNE. Quando há alguma anotação, o processo é remetido para a direção nacional, que analisa se há condições para “manter a idoneidade”. “Fora dos crimes que são tipificados pela lei como impeditivo, analisamos até que ponto a anotação em causa constitui risco para o menor”, especifica Ivo Faria, que considera que o registo criminal “ajuda a prevenir e a despistar” eventuais perigos.

Também os colaboradores e voluntários da organização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) têm de apresentar o seu registo criminal, uma opção que não pretende “fazer qualquer discriminação negativa de ninguém”, como explicou ao 7MARGENS o bispo Américo Aguiar, mas que visa sobretudo evitar situações de abuso de menores. “Esta decisão pretende apenas ir ao encontro daquilo que são as expetativas e recomendações do tempo que estamos a viver”, mas “não será um elemento de exclusão ipso facto seja de quem for”, concluiu o presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023.

 

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão

Ataques sucedem-se

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão novidade

O recente ataque a um cristão falsamente acusado de ter queimado páginas do Corão, por uma multidão muçulmana enfurecida, no Paquistão, desencadeou “uma nova vaga de terror” contra a minoria religiosa no país. Depois deste incidente, que aconteceu no passado sábado, 25 de maio, já foram registados outros dois ataques devido a alegados atos de “blasfémia” por parte de cristãos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A memória presente em pequenas tábuas

Museu Abade de Baçal

A memória presente em pequenas tábuas novidade

“Segundo uma Promessa” é o título da exposição inaugurada a 18 de maio no Museu Abade de Baçal, em Bragança, e composta por uma centena de pequenos ex-votos, registados em tábuas, que descrevem o autor e o recetor de vários milagres, ao longo dos séculos XVIII e XIX. “O museu tem a obrigação de divulgar e de mostrar ao público algum do património que está disperso pela diocese de Bragança-Miranda”, disse ao 7MONTES Jorge Costa, diretor do museu.

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This