Catolicismo na Alemanha: transparência e reforma

| 6 Jan 19

Depois de tudo o que aqui se viveu em 2018, a Igreja Católica alemã só pode esperar que o ano que agora começou lhe permita navegar em águas mais serenas e deixar-lhe o sossego necessário para se dedicar às reformas internas que uma boa parte das dioceses já iniciou e outras têm ainda pela frente.

2018 foi, de facto, um ano agitado. O tema da pedofilia e dos abusos de violência sexualizada no seio do clero e das instituições eclesiais, que desde 2010 preocupa a Igreja na Alemanha, revelou-se em toda a sua gravidade, com a publicação de um estudo especializado que a própria Igreja encomendou a peritos de três universidades alemãs (Mannheim, Heidelberg e Giessen, e por isso conhecido pelo nome de MHG, as iniciais das universidades). Algumas das afirmações desse estudo perturbaram de modo especial os responsáveis da Igreja. Mais que os números. Por exemplo, a verificação de que, em grande percentagem, os padres responsáveis por crimes de pedoflia tinham atrás de si 10 a 15 anos de vida “normal” de padre levou os responsáveis pelo estudo a levantar a questão ou mesmo a concluir que há que procurar as causas dos abusos de carácter pedófilo e sexual para além da personalidade individual, que veria neles “apenas” um “pecado”, uma fraqueza. Há que ir até ao tutano do “sistema Igreja”, até às “estruturas e dinâmicas que favoreceram tais abusos”, os encobriram ou pelo menos não os evitaram como deviam. Há que interrogar-se sobre o sentido de formas de vida como o celibato e rever “afirmações ambivalentes” (MHG 11) da Igreja no campo da sexualidade em geral ou sobre a homosexualidade em especial. Há que questionar os modelos e as estruturas concretas do exercício do poder na Igreja. Estará encerrado este tema? O novo ano dirá.

Outro tema que ocupou a Igreja Católica na Alemanha ao longo do ano que passou foi a situação económica e financeira. Em algumas dioceses (Hamburgo ou Berlim, por exemplo), a gravidade da situação tem a ver com a baixa percentagem de católicos nessas regiões, com uma população de maioria protestante ou agnóstica, e a ninguém surpreende o facto de que uma diocese como Hamburgo tenha decidido encerrar uma série de escolas confessionais. Noutras, tidas como dioceses “ricas”, vieram a público falhas graves na administração financeira. Trata-se sempre de milhões de euros e os meios de comunicação não necessitam de exagerar ao falar de escândalo – os números falam por si. Ao mesmo tempo, todos os anos são milhares os católicos que riscam o seu nome das lista dos membros da Igreja (para não ter de pagar o “imposto eclesiástico” e/ou como forma de protesto). A Igreja alemã, no seu conjunto, continua a ser uma Igreja rica, mas a evolução demográfica e as incertezas financeiras provocam aos bispos algumas dores de cabeça. Uma boa parte deles vem reconhecendo publicamente a necessidade de entregar a gestão dos recursos financeiros a leigos competentes (alguns já o fizeram) e de apresentar ao Povo de Deus e à sociedade em geral orçamentos e balanços correctos e transparentes.

Finalmente um terceiro tema é a reforma e reestruturação pastoral das dioceses. A tão falada falta de padres (mas não só, também de diáconos e de leigos formados em teologia e especializados em pastoral, os “assistentes pastorais” ou “assistentes paroquiais”) está a obrigar a profundas reestruturações. A Diocese de Mainz (Mogúncia), por exemplo, actualmente com 198 padres no activo e cerca de 730 mil católicos registados como tal, irá dispor no ano de 2030 apenas de 104 padres para 650 mil católicos. Que fazer? Reduzir o número de paróquias (que na Alemanha são instituições de direito público, com personalidade jurídica, e não apenas comunidades pastorais) de forma a ajustá-lo ao número de padres? Como salvaguardar a proximidade pastoral da instituição em relação às pessoas? Estarão os padres em condições de assumir a direcção dessas paróquias “XXL”? Ou há, antes, que apostar em novas formas de presença da Igreja, valorizando os diferentes tipos de “lugares” eclesiais? No caso concreto de Mainz, o novo bispo, Peter Kohlgraf, convocou a sua diocese para a procura de um novo caminho pastoral, onde, mais do que de números ou de gestão de carências, se trata de uma atitude espiritual: “tornar-se uma Igreja de partilha”. Partilha dos recursos, dos carismas, das funções (mesmo da função de direcção das comunidades). Reflexões semelhantes estão a ser feitas um pouco por toda a Alemanha, de norte a sul.
Rigor na prevenção de abusos sexuais, transparência nas finanças, reformas internas nas estruturas da Igreja. O novo ano vai ser um ano de reformas: na condição de haver, neste “mar” em que a Igreja navega, ”águas serenas”…

Joaquim Nunes é assistente pastoral da Igreja Católica e vive em Offenbach (Alemanha)

 

Breves

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

Pessoas

Os “valores cristãos” de Jorge Sampaio, segundo o patriarca de Lisboa

Funeral do antigo Chefe de Estado

Os “valores cristãos” de Jorge Sampaio, segundo o patriarca de Lisboa

Os valores que o Presidente Jorge Sampaio viveu na sua vida pública eram “com certeza” valores “essencialmente cristãos”, disse o cardeal-patriarca de Lisboa, a propósito da acção política do antigo Presidente da República. Sábado ao final da manhã, na fila no meio de outros cidadãos para velar o corpo de Sampaio, o patriarca disse, em declarações à RTP, que os princípios da “solidariedade, atenção a todos, sobretudo os mais pobres, os mais excluídos, e a preocupação não apenas pelo que está próximo” mas também por quem está mais longe, “tudo isso é essencialmente cristão”.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Novo ano letivo: regressar ao normal? novidade

Após dois conturbados anos letivos, devido à pandemia, as escolas preparam-se para um terceiro ano ainda bastante incerto, mas que desejam que seja o mais normal possível. O regresso à normalidade domina as declarações públicas de diretores escolares e de pais, alunos e professores. Este desejo de regresso à normalidade, sendo lógico e compreensível, após dois anos de imensa instabilidade, incerteza e experimentação, constitui ao mesmo tempo um sério problema.

Caminhar juntos, lado a lado, na mesma direcção

Vem aí o Sínodo, cuja assembleia geral será em outubro de 2023, já depois da Jornada Mundial da Juventude, a realizar em Lisboa, no verão anterior. O tema é desafiante: Para uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão. O documento preparatório veio a público a 7 de setembro e lança as bases de um caminho a percorrer juntos.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This