Inquérito para dar voz aos que estão “sob o véu do silêncio”

Católicos de Braga escutam “presencial e incondicionalmente” cristãos LGBTQ

| 18 Jan 2024

Comunidade LGTBTQ. Foto Amparo Garcia

“Há muito sofrimento escondido”, um sofrimento frequentemente “claustrofóbico”, que precisa de espaços (e passos) seguros. Que não é somente de pessoas LGBT, mas também, em alguns casos, dos seus familiares. Foto © Amparo Garcia

 

“Precisamos de escutar as histórias de vida das pessoas LGBTQ para vermos como isso questiona os nossos preconceitos e ideias feitas, também no interior da comunidade eclesial, e nos enriquece”. Esta pode ser a síntese da conversa que o 7MARGENS teve com o padre Jorge Vilaça, diretor Departamento Arquidiocesano de Braga para a Pastoral da Saúde, a propósito de um trabalho que desenvolve há cerca de um ano, integrado num grupo de escuta.

Mas não bastam estes encontros e conversas, porque, em algumas situações, faz-se sentir a dificuldade de falar. Por isso, e para escutar também quem se encontra desse lado, o grupo está a promover um inquérito online e anónimo,que estará ativo ao longo de um mês.

Tem sido um trabalho feito de forma discreta, sem publicidade, que se iniciou com encontros com associações deste setor, laicas e confessionais. Ganhou alguma visibilidade quando alguém fez sair uma  notícia, mas que vai continuar nesse registo de discrição. “Há muito sofrimento escondido”, um sofrimento frequentemente “claustrofóbico”, que precisa de espaços (e passos) seguros. Que não é somente de pessoas LGBT, mas também, em alguns casos, dos seus familiares.

Em algumas situações, trata-se de pessoas que tinham uma participação na vida da sua comunidade cristã, mas que se renderam a um certo ostracismo a que foram votadas quando a homossexualidade foi assumida no quadro de uma relação; mas também de quem continua, como se uma parte de si própria vivesse na clandestinidade. Nas várias situações, e cada caso é um caso, observa o padre Jorge Vilaça, “a ausência de uma palavra de acolhimento, por parte da Igreja”.

Foi para acolher e acompanhar essas pessoas que alguns membros da Pastoral da Saúde iniciaram “um percurso sereno de escuta presencial de algumas pessoas LGBTQ e seus familiares, para quem Jesus Cristo é referência fundante (…). Quanto as feridas e a fé o permitiram, partilhamos histórias e rezamos juntos”. Assim o assumem num texto divulgado na última terça-feira no site da Arquidiocese de Braga, assinado por aquele presbítero e por Rita Silva, também do Departamento para a Pastoral da Saúde.

 

Fiducia Supplicans foi “uma validação”

Referindo-se ao espírito deste projeto, os autores afirmam “quer[er] ser uma família que pede o dom das lágrimas, acompanhando os dramas dos seus filhos: quer dos que saíram, dos que permanecem à margem e dos que se experimentam em casa”, já que “quem não sabe chorar, não é mãe”.

Neste contexto, a recente Declaração Fiducia Supplicans, do Dicastério para a Doutrina da Fé, com a aprovação do Papa, é, para Jorge Vilaça, “uma validação” do caminho de escuta que vem a ser feito em Braga. Esta validação não é necessariamente “uma aprovação”, refere aquele presbítero, mas sim um reconhecimento, condição sem a qual é impossível “acompanhar as pessoas”, garantindo a sua dignidade.

Assim, o trabalho vai prosseguir, “sem agenda nem prazos a cumprir”, mas “com um objetivo bem definido: partir de Cristo, com Cristo e como Cristo”. Relativamente ao questionário online, atrás referido, trata-se de “alargar a escuta a todos aqueles que estão, de alguma forma, sob o véu do silêncio do universo digital, por receio ou proteção”.

“Façam-nos entender o incontrolável da Palavra, a filigrana com que se reparam rochedos, as lágrimas com que se consertam pontes. O degrau serve para avançar não para descansar”, apelam, em linguagem poética, Jorge Vilaça e Rita Silva.

O grupo, que se assume como constituído por “apóstolos da escuta, em hospital de campanha, de acordo com o apelo do Papa Francisco”, diz seguir “a tripla sensibilidade: à pessoa, ao discernimento e aos impulsos ‘para diante’”. Dos degraus já percorridos apontam quatro aspetos fortes: “a) a importância da escuta mútua e incondicional; b) a necessidade de formação de todos; c) a relevância do cuidado com a linguagem; e d) a urgência da criação de espaços seguros”.

Voltando ao início, e recordando a afirmação frequentemente usada pelo Papa, de que “a realidade é superior às ideias”, o padre Jorge Vilaça reafirma a profunda necessidade de escutar as histórias dos que sofrem, se inquietam e andam em busca. “Isso altera as coisas. Quando escutamos, há qualquer coisa em que mudamos”, remata para o 7MARGENS o presbítero bracarense.

 

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta

Sínodo sobre a sinodalidade

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta novidade

Apontar para a criação de novos ministérios na Igreja Católica e repensar os já existentes, apostando na formação de leigos para esse fim e tornar os conselhos pastorais efetivos nas comunidades cristãs, com funções consultivas, mas também “executivas” são alguns dos caminhos propostos pela Arquidiocese de Braga, no âmbito da consulta sinodal tendo em vista a segunda sessão do Sínodo sobre a Sinodalidade, que ocorrerá em outubro, no Vaticano. [Texto de Manuel Pinto]

Todos são responsáveis pela missão da Igreja

Relatório síntese do Patriarcado para o Sínodo

Todos são responsáveis pela missão da Igreja novidade

A necessidade de todos serem responsáveis pela missão da Igreja; o lugar central da família; a atenção às periferias humanas; a importância de ouvir as vozes dos que se sentem excluídos; o reforço dos Conselhos Pastorais Paroquiais; e a promoção da participação das mulheres nos ministérios, incluindo a reflexão sobre “a matéria pouco consensual” da sua ordenação – são alguns dos temas referidos no documento elaborado pela comissão sinodal do Patriarcado de Lisboa no âmbito da preparação da segunda assembleia do Sínodo sobre a sinodalidade.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra

“Aumento acentuado”

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra novidade

O número de crianças mortas em território ucraniano devido à guerra com a Rússia está a subir exponencialmente. Em março, pelo menos 57 crianças morreram e, já durante os primeiros dez dias de abril, 23 perderam a vida. “A UNICEF está profundamente preocupada com o aumento acentuado do número de crianças mortas na Ucrânia, uma vez que muitas áreas continuam a ser atingidas por ataques intensos, 780 dias desde a escalada da guerra”, afirma Munir Mammadzade, representante na Ucrânia desta organização das Nações Unidas de apoio humanitário à infância.

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos

Dominicanas do Espírito Santo, em França

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos novidade

O Papa Francisco acaba de ordenar uma nova visita apostólica ao instituto francês das Dominicanas do Espírito Santo, a fim de aprofundar denúncias de abusos que ali se terão verificado nos primeiros anos da década passada. Esta decisão, anunciada por um comunicado emitido pelo próprio instituto nesta segunda-feira ao fim do dia, vem adensar ainda mais o contexto de várias polémicas vindas a lume nos últimos tempos, na sequência da expulsão de uma religiosa, decidida em 2021 pelo cardeal Marc Ouellet, então prefeito da Congregação para os Bispos

Interfaces relacionais insubstituíveis

Interfaces relacionais insubstituíveis novidade

Numa típica sala de aula do século XVIII, repleta de jovens alunos mergulhados em cálculos e murmúrios, um desafio fora lançado pelo professor J.G. Büttner: somar todos os números de 1 a 100. A esperança de Büttner era a de ter um momento de paz ao propor aquela aborrecida e morosa tarefa. Enquanto rabiscos e contas se multiplicavam em folhas de papel, um dos rapazes, sentado discretamente ao fundo, observava os números com um olhar penetrante. [Texto de Miguel Panão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This