Católicos e de esquerda? “Quem se preocupa com os condenados da terra não sai impune”

| 13 Abr 19 | Estado, Política e Religiões, Igrejas Cristãs, Portugal, Últimas

“O Papa Francisco tem sido apelidado recorrentemente de revolucionário”, diz o líder comunista madeirense, que já foi padre. “Ele é um interlocutor muito criativo entre a Igreja e a Esquerda”.

Edgar Silva, fotografado dia 8 de Abril, na Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa. Foto Direitos reservados

 

Dentro do catolicismo, apesar do esforço contínuo em ordem à “superação mútua de preconceitos” entre a Igreja e a Esquerda, ainda há hoje muitos sectores “que não entendem” uma visão de Igreja mais ligada “ao concreto e ao compromisso social”. À margem de um seminário na Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa, em que falou sobre Oscatólicos, a Igreja e o direito à revolução, Edgar Silva,líder do PCP-Madeira e antigo padre católico, diz que “é preciso pagar um preço, mesmo quando se trata do Papa” e ninguém “sai impune ao ser fiel aos condenados da Terra”.

“O Papa Francisco tem sido apelidado recorrentemente de revolucionário”, observa o ex-candidato à Presidência da República ao 7MARGENS, no final da sua conferência de dia 8 de abril, respondendo à pergunta sobre se o Papa Francisco é de esquerda. “Ele é sem dúvida um renovador dessa pureza da doutrina do Concílio Vaticano II e um interlocutor muito criativo entre a Igreja e a Esquerda”, acrescenta.

“Muitas vezes, a “incompreensão não é só na Igreja, mas também na sociedade”, acrescenta Edgar Silva, defendendo que ser católico e de esquerda, nomeadamente comunista, é “perfeitamente possível”. E oPartido Comunista tem, perante a Igreja, “a tese da mão estendida”, dado que olha para esta como “interlocutora de problemas concretos da sociedade”.

Recordando que há católicos que integram grupos eclesiais e são também militantes do Partido Comunista, o líder comunista madeirense diz que essa relação com o catolicismoé uma prática presente no PCP desde os anos 1950. No livro Portugal Amordaçado, acrescenta ainda, o antigo Presidente Mário Soares lembra um documentário da televisão francesa sobre a oposição religiosa ao regime. Entre outros episódios, pode citar-se a chamada Revolta da Sé, de 11 de Março de 1959 (e que deve o nome ao facto de se ter iniciado junto da catedral de Lisboa), liderada por Manuel Serra, que tinha sido líder da Juventude Operária Católica (JOC), mas que acabou por ser dominada e os seus responsáveis detidos pela PIDE, a polícia política.

 

Muitos católicos nas revoltas contra o regime

Os anos 1960 assistiriam, aliás, ao multiplicar de redes e grupos católicos de oposição ao regime. “Portugal viu o nome de muitos católicos como bastiões de revolta contra o regime” do Estado Novo. Além da revolta da Sé, muitos outros episódios tiveram a participação de crentes na oposição ao regime. Até em família, como foi o caso do casal Natália e Nuno Teotónio Pereira, que ajudaram a impulsionar a Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos e a rede dos Terceiros Sábados, além dos cadernos Direito à Informação. Como arquiteto, Teotónio Pereira foi ainda um dos fundadores do Movimento da Renovação de Arte Religiosa, essencial na relação do catolicismo com vários grupos culturais durante os anos 1950-60.

Como resume Edgar Silva, a Igreja teve muitos dos seus membros envolvidos em muitas lutas, sobretudo durante a fase final do regime salazarista. “Um dia, a PIDE-DGS apreendeu 400 livros da livraria Europa-América e, segundo os relatórios” policiais, “40 por cento eram de Teologia”, conta. Também foi assim na América Latina, sobretudo com a teologia da libertação, com muitos teólogos “envolvidos na luta revolucionária”.

Se, enquanto líder comunista, um católico lhe dissesse que queria integrar o PCP, que requisitos lhe pediria Edgar Silva? “Primeiro tinha de entender as razões dessa vontade e perceber se poderia comprometer-se com a transformação da vida e que o mundo tal como o conhecemos precisa de viragens profundas vencendo as desigualdades e as injustiças.” Para o líder comunista madeirense, não é assim tão difícil ser de esquerda. Afinal, para ele como para Camilo Torres, padre comunista e guerrilheiro, a revolução é apenas a execução “do amor eficaz”.

Artigos relacionados

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Dois meses depois de ter sido muito danificada por um incêndio, a catedral de notre-Dame de Paris abrirá de novo as suas portas este sábado e domingo, para a celebração da missa, informou a diocese de Paris em comunicado. “A primeira missa em Notre-Dame será celebrada no fim-de-semana de 15 e 16 de Junho”, lê-se no texto. A celebração de sábado tem lugar às 17h de Lisboa. 

Apoie o 7 Margens

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco