Católicos e de esquerda? “Quem se preocupa com os condenados da terra não sai impune”

13 Abr 19Estado, Política e Religiões, Igrejas Cristãs, Portugal, Últimas

“O Papa Francisco tem sido apelidado recorrentemente de revolucionário”, diz o líder comunista madeirense, que já foi padre. “Ele é um interlocutor muito criativo entre a Igreja e a Esquerda”.

Edgar Silva, fotografado dia 8 de Abril, na Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa. Foto Direitos reservados

 

Dentro do catolicismo, apesar do esforço contínuo em ordem à “superação mútua de preconceitos” entre a Igreja e a Esquerda, ainda há hoje muitos sectores “que não entendem” uma visão de Igreja mais ligada “ao concreto e ao compromisso social”. À margem de um seminário na Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa, em que falou sobre Oscatólicos, a Igreja e o direito à revolução, Edgar Silva,líder do PCP-Madeira e antigo padre católico, diz que “é preciso pagar um preço, mesmo quando se trata do Papa” e ninguém “sai impune ao ser fiel aos condenados da Terra”.

“O Papa Francisco tem sido apelidado recorrentemente de revolucionário”, observa o ex-candidato à Presidência da República ao 7MARGENS, no final da sua conferência de dia 8 de abril, respondendo à pergunta sobre se o Papa Francisco é de esquerda. “Ele é sem dúvida um renovador dessa pureza da doutrina do Concílio Vaticano II e um interlocutor muito criativo entre a Igreja e a Esquerda”, acrescenta.

“Muitas vezes, a “incompreensão não é só na Igreja, mas também na sociedade”, acrescenta Edgar Silva, defendendo que ser católico e de esquerda, nomeadamente comunista, é “perfeitamente possível”. E oPartido Comunista tem, perante a Igreja, “a tese da mão estendida”, dado que olha para esta como “interlocutora de problemas concretos da sociedade”.

Recordando que há católicos que integram grupos eclesiais e são também militantes do Partido Comunista, o líder comunista madeirense diz que essa relação com o catolicismoé uma prática presente no PCP desde os anos 1950. No livro Portugal Amordaçado, acrescenta ainda, o antigo Presidente Mário Soares lembra um documentário da televisão francesa sobre a oposição religiosa ao regime. Entre outros episódios, pode citar-se a chamada Revolta da Sé, de 11 de Março de 1959 (e que deve o nome ao facto de se ter iniciado junto da catedral de Lisboa), liderada por Manuel Serra, que tinha sido líder da Juventude Operária Católica (JOC), mas que acabou por ser dominada e os seus responsáveis detidos pela PIDE, a polícia política.

 

Muitos católicos nas revoltas contra o regime

Os anos 1960 assistiriam, aliás, ao multiplicar de redes e grupos católicos de oposição ao regime. “Portugal viu o nome de muitos católicos como bastiões de revolta contra o regime” do Estado Novo. Além da revolta da Sé, muitos outros episódios tiveram a participação de crentes na oposição ao regime. Até em família, como foi o caso do casal Natália e Nuno Teotónio Pereira, que ajudaram a impulsionar a Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos e a rede dos Terceiros Sábados, além dos cadernos Direito à Informação. Como arquiteto, Teotónio Pereira foi ainda um dos fundadores do Movimento da Renovação de Arte Religiosa, essencial na relação do catolicismo com vários grupos culturais durante os anos 1950-60.

Como resume Edgar Silva, a Igreja teve muitos dos seus membros envolvidos em muitas lutas, sobretudo durante a fase final do regime salazarista. “Um dia, a PIDE-DGS apreendeu 400 livros da livraria Europa-América e, segundo os relatórios” policiais, “40 por cento eram de Teologia”, conta. Também foi assim na América Latina, sobretudo com a teologia da libertação, com muitos teólogos “envolvidos na luta revolucionária”.

Se, enquanto líder comunista, um católico lhe dissesse que queria integrar o PCP, que requisitos lhe pediria Edgar Silva? “Primeiro tinha de entender as razões dessa vontade e perceber se poderia comprometer-se com a transformação da vida e que o mundo tal como o conhecemos precisa de viragens profundas vencendo as desigualdades e as injustiças.” Para o líder comunista madeirense, não é assim tão difícil ser de esquerda. Afinal, para ele como para Camilo Torres, padre comunista e guerrilheiro, a revolução é apenas a execução “do amor eficaz”.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Freira Indiana apela ao Vaticano contra a sua expulsão da ordem

A irmã Lucy Kalappura, da Congregação das Irmãs Clarissas Franciscanas, que protestou contra o bispo Franco Mulakkal devido à suposta acusação de violação de uma freira, apela ao Vaticano que evite a sua expulsão da ordem a que pertence, depois de lhe terem sido instauradas alegadas “ações disciplinares”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Bicentenário do Báb, “Manifestante de Deus” e fundador da Fé Bahá’í novidade

Uma das particularidades da religião bahá’í é ter na sua origem dois Profetas: o Báb e Bahá’u’lláh. E se na terminologia bahá’í os fundadores das grandes religiões mundiais são referidos como “Manifestantes de Deus” (porque manifestam características divinas), a origem dupla da Fé Bahá’í levou alguns autores a referir os seus fundadores como “Manifestantes Gémeos”.

A crise do capital, uma doença demolidora

Tenho para mim que o problema pode ser mais largo e profundo. Prefiro centrá-lo mais na longa e constante crise da doença destruidora do capitalismo mundial, nas suas mais diversas formas. Um sistema que, verdadeiramente, se encontra doente e não funciona em benefício da maioria da população.

Cultura e artes

Três rostos para a liberdade

De facto, para quem o sabe fazer, o cinema é mesmo uma arte muito simples: basta uma câmara, um ponto de partida e pessoas que se vão cruzando e dialogando. E temos um filme, quase sempre um magnífico filme. Vem isto a propósito do último trabalho do iraniano Jafar Panahi: Três Rostos.

A potência benigna de Dietrich Bonhoeffer

O influente magistério de Dietrich Bonhoeffer, a sua vigorosa resistência ao nazismo e o singular namoro com Maria von Wedemeyer são três momentos da vida do pastor luterano que merecem uma peculiar atenção na biografia Dietrich Bonhoeffer. Teólogo e mártir do nazismo, da autoria do historiador italiano Giorgio Cavalleri. A obra, publicada pelas Paulinas em Maio, permite agora que um público mais vasto possa conhecer aquele que é geralmente considerado como um dos mais influentes teólogos do século XX.

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco