Apesar das dificuldades da Igreja

Católicos franceses: 10% participaram no Sínodo

| 15 Mai 2022

 

Os responsáveis da Igreja Católica francesa calculam que 150 mil pessoas terão participado na primeira fase do Sínodo dos Bispos sobre a Sinodalidade, apesar de casos e situações que poderiam ter funcionado como inibidores da participação.

Registou-se “uma bela participação”, sintetizou, em declarações ao jornal La Croix, o bispo de Troyes, Alexandre Joly, que é também coordenador da equipa nacional que acompanha o Sínodo, no âmbito da Conferência Episcopal da França (CEF). Isto apesar do calendário apertado para seguir a agenda do Vaticano, do choque provocado pelo relatório sobre os abusos sexuais cometidos na Igreja francesa, e da campanha para a eleição presidencial, que veio mostrar, no dizer do La Croix, “profundas fraturas dentro do catolicismo”, naquele país.

No total, os responsáveis do episcopado admitem que podem ter participado até agora, no processo sinodal, à roda de 10 por cento dos católicos praticantes, distribuídos pela totalidade das dioceses. As ordens religiosas, masculinas e femininas estiveram também ativas, tendo feito chegar à equipa nacional perto de 150 páginas de contributos.

Apesar de as dioceses não avançarem muito quanto ao conteúdo dos contributos recebidos, que ainda estão a ser analisados, documentos consultados pelo jornal La Croix referem a preocupação por uma Igreja “mais fraterna”, “menos centrada em si mesma”, mais atenta “às periferias” e “à voz dos mais pobres”. No caso de Toulouse, a primeira a produzir a sua síntese diocesana, lamenta-se que muitos se sintam “indesejados” dentro de uma instituição “percebida como desligada da realidade”, atormentada por “uma certa rigidez, compartimentação, uma moralidade culpabilizante”, mas também com “um certo sentimento de superioridade sobre o mundo” e pelo “lugar dado a quem sabe, a certos praticantes, em detrimento do invisível”.

Um aspeto algo dececionante, segundo um diácono membro da equipa nacional, foi a dificuldade de mobilizar os jovens para o Sínodo, apesar de, em alguns casos, se ter ido ao encontro deles, nomeadamente através da rede de instituições católicas de ensino, como no caso da diocese de Troyes.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This