Apesar das dificuldades da Igreja

Católicos franceses: 10% participaram no Sínodo

| 15 Mai 2022

 

Os responsáveis da Igreja Católica francesa calculam que 150 mil pessoas terão participado na primeira fase do Sínodo dos Bispos sobre a Sinodalidade, apesar de casos e situações que poderiam ter funcionado como inibidores da participação.

Registou-se “uma bela participação”, sintetizou, em declarações ao jornal La Croix, o bispo de Troyes, Alexandre Joly, que é também coordenador da equipa nacional que acompanha o Sínodo, no âmbito da Conferência Episcopal da França (CEF). Isto apesar do calendário apertado para seguir a agenda do Vaticano, do choque provocado pelo relatório sobre os abusos sexuais cometidos na Igreja francesa, e da campanha para a eleição presidencial, que veio mostrar, no dizer do La Croix, “profundas fraturas dentro do catolicismo”, naquele país.

No total, os responsáveis do episcopado admitem que podem ter participado até agora, no processo sinodal, à roda de 10 por cento dos católicos praticantes, distribuídos pela totalidade das dioceses. As ordens religiosas, masculinas e femininas estiveram também ativas, tendo feito chegar à equipa nacional perto de 150 páginas de contributos.

Apesar de as dioceses não avançarem muito quanto ao conteúdo dos contributos recebidos, que ainda estão a ser analisados, documentos consultados pelo jornal La Croix referem a preocupação por uma Igreja “mais fraterna”, “menos centrada em si mesma”, mais atenta “às periferias” e “à voz dos mais pobres”. No caso de Toulouse, a primeira a produzir a sua síntese diocesana, lamenta-se que muitos se sintam “indesejados” dentro de uma instituição “percebida como desligada da realidade”, atormentada por “uma certa rigidez, compartimentação, uma moralidade culpabilizante”, mas também com “um certo sentimento de superioridade sobre o mundo” e pelo “lugar dado a quem sabe, a certos praticantes, em detrimento do invisível”.

Um aspeto algo dececionante, segundo um diácono membro da equipa nacional, foi a dificuldade de mobilizar os jovens para o Sínodo, apesar de, em alguns casos, se ter ido ao encontro deles, nomeadamente através da rede de instituições católicas de ensino, como no caso da diocese de Troyes.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This