Estudo revela

Católicos italianos resumem-se a “pequena minoria” de jovens e idosos

| 20 Jul 2023

Interior da Basílica de São Pedro, no Vaticano. Os italianos que se declaram “crentes” católicos e que frequentam a igreja para ir à missa são apenas 13,8%. Foto: Direitos reservados.

 

“Até os italianos, um povo de santos, poetas e navegadores, são agora pessoas de pouca fé”. Assim resume a revista cristã italiana Il Timone os resultados de um estudo divulgado na sua edição deste mês, que chegou esta quarta-feira, 19 de julho, às bancas. O estudo revela que mais de um terço da população italiana (37%) se declara “descrente”, enquanto os que se declaram “crentes” católicos e que frequentam a igreja para ir à missa são apenas 13,8%: uma “pequena minoria, formada por alguns poucos jovens e por fiéis idosos”.

Encomendado pela publicação à Euromedia Reseach, o estudo revela ainda que, entre os que se declaram “crentes” e afirmam ir à missa pelo menos uma vez por mês, apenas 33% se confessam pelo menos uma vez por ano, 32% desconhecem o significado de “eucaristia”, e “66% dos praticantes confundem ou ignoram a definição de ‘ressurreição da carne'”.

Quanto à prática da oração, um fiel em cada cinco afirma fazê-lo diariamente, e 96% respondem que rezam “ocasionalmente”. Entre os católicos “praticantes”, sete em cada dez afirmam acreditar no diabo.

As conclusões da sondagem, assinala Il Timone, vêm na linha do estudo publicado, em 2021, pela própria Conferência Episcopal Italiana, que concluiu que, entre 1995 e 2020 (ainda antes da pandemia) a taxa de participação na missa havia baixado de 31,1% para 22%.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This