Pacto assinado em Roma

Católicos, judeus e muçulmanos juntos pelo desenvolvimento ético da inteligência artificial

| 10 Jan 2023

assinatura do rome call, foto vatican media

A declaração foi assinada pelo bispo Vincenzo Paglia , pelo rabi-chefe Eliezer Simha Weisz e pelo xeque Abdallah bin Bayyah. Foto © Vatican Media.

 

Representantes das três religiões abraâmicas assinaram esta terça-feira, 10 de janeiro, o Rome Call for AI Ethics (em português, “Apelo de Roma por uma Ética na Inteligência Artificial”), um documento que nasceu em 2020 no seio da Pontifícia Academia para a Vida com o objetivo de promover uma “algorética”, ou seja, um desenvolvimento ético da inteligência artificial.

A declaração foi assinada pelo bispo Vincenzo Paglia (Presidente da Pontifícia Academia para a Vida), pelo rabi-chefe Eliezer Simha Weisz (membro do Conselho do Grão Rabinato de Israel) e pelo xeque Abdallah bin Bayyah (presidente do Fórum para a Paz de Abu Dhabi).

Também participaram na cerimónia de assinatura inter-religiosa aqueles que foram os primeiros signatários do Rome Call em 2020, e que agora renovaram o compromisso então assumido: Brad Smith (presidente da Microsoft), Dario Gil (vice-presidente global da IBM) e Maximo Torero Cullen (economista-chefe da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação – FAO).

Tratou-se, nas palavras de Paglia, de “um evento para pedir ao mundo que pense e aja em nome da fraternidade e da paz também no campo tecnológico”. Referindo-se aos vários participantes e ao teor do pacto assinado, o Presidente da Pontifícia Academia para a Vida afirmou: “Não somos românticos nem pensadores económicos frios: o que demos esta manhã é um passo, a meu ver, cheio de grandes promessas. É uma estranha aliança entre três religiões e três instituições internacionais. Uma estranha família”.

Família esta que crescerá em julho, pois, segundo avança o Vatican News, o documento será nessa altura assinado também por representantes das “religiões orientais do Japão”.

O compromisso, que pode ser consultado no site da iniciativa, defende seis princípios basilares: transparência, inclusão, responsabilização, imparcialidade, confiança e segurança e privacidade.

Após a sua assinatura, o Papa Francisco recebeu em audiência, na Sala Clementina, no Vaticano, os diversos participantes, encorajando-os a “prosseguir nesse caminho”, e sublinhando que ficou feliz por saber que  pretendem “envolver as outras grandes religiões do mundo e os homens e mulheres de boa vontade para que a algorética, ou seja, a reflexão ética sobre o uso de algoritmos, esteja cada vez mais presente não só no debate público, mas também no desenvolvimento de soluções técnicas”.

De acordo com Francisco, “as adesões ao Rome Call, que cresceram ao longo do tempo, são um passo significativo na promoção de uma antropologia digital, com três coordenadas fundamentais: ética, educação e direito”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This