Católicos na Praça Central

| 28 Nov 19

(Sobre o encontro da CNAL, Conferência Nacional das Associações de Apostolado de Leigos, em Santarém, 23 de Novembro de 2019)

Conferência Nacional do Apostolado dos Leigos, sábado, 23 de Novembro, em Santarém. Foto © Arlindo Homem

 

Praça Central é, segundo a CNAL, um grande espaço de reflexão sobre questões do Cristianismo, Sociedade e Cultura de e para os leigos na Igreja Católica. Estive presente na recente Praça Central que se realizou em Santarém no passado dia 23 de Novembro.

Pessoalmente atribuo dois significados à ideia de Praça Central:

  • por um lado uma praça de uma grande cidade para onde tudo converge: pessoas, ruas, comércio…
  • por outro, o centro de uma enorme estação de caminhos de ferro de onde divergem as linhas que levam os viajantes para um número de cidades sem fim…

Lembro de imediato uma “igreja de saída”, como nos propõe o Papa Francisco.

Este ano, o tema inspirador do V Encontro Nacional – Praça Central era uma frase de Etty Hillesum: “Prometo viver a vida em pleno e até ao fim” – um real projeto de vida para as mulheres e os homens leigos que se reuniram exatamente numa enorme praça central do Cnema [Centro Nacional de Exposições], em Santarém: muitas mulheres, menos homens, ainda menos jovens… Inúmeros religiosos, padres ou freiras, autoridades eclesiásticas, espero que a apoiar e a aprender connosco o que é ser-se leigo na Igreja Católica, à luz do Vaticano II (Constituição Gaudium et Spes, sobre a Igreja no mundo contemporâneo). Como “chapéu de chuva” envolvente do encontro revisitou-se a Exortação do Papa Francisco Gaudete et Exsultate (“Alegrai-vos e exultai”), que incide no chamamento à santidade no mundo atual e é destinada, segundo Francisco “ao episcopado, ao clero, às pessoas consagradas e aos fiéis leigos” – a nós todos, sem exceção.

Enquanto leigos somos então chamados a ser desde já santos no mundo atual.

Destaco alguns dos temas e questões que mais me interpelaram durante o longo dia passado em Santarém. Faço-o de forma perfeitamente aleatória, sem me preocupar com a sequência das apresentações, mas centrando-me no conteúdo e dinâmica enquanto desafios para uma mulher que escolhe todos os dias ser leiga na Igreja Católica. Entre parêntesis, colocarei o nome do/a apresentador/a de modo a ser rigorosa nas atribuições de autoria.

  • A santidade é um desafio à Vida para cada um/a de nós, uma vida que queremos fecunda, uma vida “boa”, saboreada, usufruída, porque Deus – que nos ama desde sempre – nos quer felizes, realizados e fecundos (padre José Frazão, JF, provincial dos jesuítas);
  • Mas a santidade é também “uma ousadia” e, porque somos amados, caminhamos para além de nós em direção a “um horizonte ao nosso alcance!” O “pecado” será então ficar aquém dessa possibilidade, não “ousar” seguir o Jesus Ressuscitado (JF) ;
  • Vulgarmente os cristãos são identificados como “os não ousados”. JF convida-nos a “não deixar as dinâmicas do Homem Velho” crescer em nós.
  • Que possamos viver serenamente no nosso quotidiano os momentos de trabalho, celebração e descanso, “santificando o tempo”.
  • Daí a necessidade de uma prática de questionamento constante. (JF).

Já no final do dia, Stella Mora (SM), teóloga italiana, falava no “discernimento”, uma muito antiga prática dos Padres do Deserto e retomada no século XVI por santo Inácio de Loyola para a Companhia de Jesus:

  • Persiste em nós uma tensão entre liberdade e obediência;
  • Deus não se cansa de nós e habita-nos no desequilíbrio;
  • Daí que o discernimento seja relacional e plural: implica um tempo forte, um estilo de vida, uma experiência, interlocutores… não é, pois, um processo solitário (SM).

A ideia de santidade como “despojamento de si” e abertura ao Outro foi salientada por Isabel Capeloa Gil (ICG), reitora da Universidade Católica. Linda Ghisonni (LG), do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, reflectiu sobre a constituição Lumen Gentium, do Concílio Vaticano II, e sobre a exortação Gaudate et Exultate. Afirmou (citando outro autor) que o Evangelho é “música escrita”; um santo será então “música cantada”. Lembra que a salvação é coletiva numa dinâmica de Povo de Deus: os leigos são parte integrante e fundamental desse povo. (LG)

Pietro Sarubbi, ator, que se converteu no processo de interpretar Barrabás no conhecido filme de Mel Gibson A Paixão de Cristo, contou a sua experiência de uma forma simultaneamente humorística, expressiva e profunda: que foi simplesmente o olhar do ator que representava Jesus que o interpelou e originou o momento epifânico que o leva à conversão. Um simples e profundo olhar. Afirma que “quando se olha a Luz, uma pessoa passa a ter medo do escuro”. Insiste que os cristãos “não podem ser figuras tristes”, que ter Fé é um dom de alegria: “Tu falas de Fé e ris?” perguntou-lhe um amigo. (PS)

A conversa com Pietro Sarubbi, durante a Praça Central, sábado, dia 23, em Santarém. Foto © Arlindo Homem

Paulo Pires do Vale (PPV), filósofo e curador de arte, cita Sophia de Melo Breyner: “A arte não existe para enfeitar a vida mas para a transformar”:

  • Daí a importância da formação da nossa atenção (Simone Weil) porque “a arte abre-nos a um mundo imenso de possibilidades”;
  • A atenção é criadora do mundo como um horizonte de possibilidades;
  • A contemplação implica uma espera que não se realiza na “conceptualidade” mas no “im-poder da fragilidade”
  • Daí que seja importante “aprender a desaprender” (Fernando Pessoa), desequilibrarmo-nos para nos voltarmos a equilibrar (PPV)

Aqui PPV conflui com a reflexão de Alexandre Palma (AP), sobre a relação de uma experiência estética com uma experiência religiosa:

  • Cristo, nossa fonte, como horizonte de santidade
  • Sendo todos e todas convidados a sermos santos aqui e agora numa “mistagogia da santidade”, as vidas dos “santos” – situados na história e nos seus contextos de vida – podem ser testemunhos que inspirem a nossa própria santidade;
  • Sendo nós seres de relação, a santidade leva-nos à comunhão dos santos; não somos “o” centro, somos parte de um coletivo onde habitam, por exemplo, Teresa de Ávila (“vivo sem viver em mim”), Maria Madalena (“não me detenhas”); Papa Francisco (“o ardor da Paixão por Cristo”).

De uma forma muito criativa e interpeladora, AP lembra-nos que “nenhum discurso poderá conter a santidade”. Pegando na passagem evangélica dos discípulos de Emaús, AP fala na santidade como um caminho com Cristo, levando-nos a percorrer esse caminho em dez metáforas ou etapas – como, por exemplo: a santidade “da companhia”, a santidade “do diálogo”, da “inquietude”, da “realidade” (não podendo ser idealizada), de uma “leitura integral da vida”; a santidade “à volta de uma mesa”, na “casa”, na “política” (regresso à polis, numa lógica de serviço público), terminando com a afirmação de que “a santidade também tem de ser pública”; que o caminho de santidade nos deve levar a entender “os caminhos soltos da vida” para caminharmos para a plenitude de Deus que nos perguntará: “Porque é que não foste quem és?” Conclui afirmando que a santidade é “caridade incarnada” (AP).

Paulo Pires do Vale comenta que, tal como na arte, “contemplar Deus (ou Jesus Cristo) implica uma espera para que nos deixemos possuir por Ele” (PPV).

Regresso ao padre José Frazão: precisamos de ultrapassar a “lógica da beligerância”, abdicando de “algo de mim para poder acolher o outro”, o outro “na sua diferença”. Finalmente, ao perguntar se “é possível viver sem pobreza?”, responde nomeando o seu santo de eleição, Francisco de Assis, “aquele que, nu, caminhava cantando”.

 

Teresa Vasconcelos é professora do Ensino Superior (aposentada) e membro do Movimento do Graal; Contacto: t.m.vasconcelos49@gmail.com

Continuar a ler...

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Alemanha: número de crimes contra judeus é o mais elevado desde 2001

A Alemanha registou no ano passado o número mais elevado de crimes motivados pelo antissemitismo desde que os mesmos começaram a ser contabilizados, em 2001. Os líderes da comunidade judaica daquele país prevêem que a situação continue a piorar com o surgimento de uma nova vaga de “teorias da conspiração” associadas aos judeus, na sequência da pandemia de covid-19.

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Peste Malina novidade

Não, não é O Ano da Morte de Ricardo Reis, mas é o ano d’A Peste. As Ondas de pequenos monstros transformaram a terra num Vasto Mar de Sargaços. Qualquer Coisa Como um Lugar de Massacre. Nada vai voltar a ser como O Mundo em que Vivi. Sim, Os Dias Tranquilos acabaram, Os Anjos desfizeram As Estrelas Propícias (se é que, na verdade, alguma vez existiram). Agora, a vida está Em Frente da Porta, do Lado de Fora e toda a gente está confinada aos Pequenos Delírios Domésticos.

Afinal, quem são os evangélicos?

A maior parte dos que falam de minorias religiosas como os evangélicos nada sabem sobre eles, incluindo políticos e jornalistas. Em Portugal constituem a maior minoria religiosa, e a Aliança Evangélica Mundial conta com mais de 600 milhões de fiéis em todo o mundo.

Um planeta é como um bolo

O planeta Terra tem registado emissões de dióxido de carbono bastante mais reduzidas nestes primeiros meses do ano. Não porque finalmente os decisores e líderes políticos consideraram cumprir o Acordo de Paris, não por terem percebido as consequências trágicas de um consumo insustentável de recursos para onde o modelo económico e de vida humana no planeta nos leva, mas devido à tragédia da pandemia que estamos a viver.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco