Bispos publicam síntese

Católicos portugueses desenham uma Igreja radicalmente diferente

| 26 Ago 2022

Paróquia São Brás. Missa.

Celebração na paróquia de São Brás. Católicos portugueses querem “passar de uma Igreja exageradamente centrada na autoridade e ação do clero para uma Igreja sinodal e missionária, na comunhão e participação ativa de todos os seus membros”. Foto © Arlindo Homem/Ecclesia.

 

Os bispos portugueses divulgaram nesta sexta, 26, a síntese nacional das sínteses diocesanas, a que deram o nome de “Relatório de Portugal”, um texto que está já pronto há algum tempo e que foi enviado para o secretariado geral do Sínodo, em Roma, antes de 15 deste mês.

Cumprindo escrupulosamente as 10 páginas superiormente sugeridas, o documento é composto por três partes: uma sobre os processos de recolha de informação, com dados descritivos do que se passou, sem quantificar; uma parte mais substantiva centrada nos conteúdos extraídos das sínteses das dioceses; e a terceira sobre “uma visão da Igreja atual e propostas de mudança”. O objetivo genérico, que vem numa breve introdução, é “ajudar a passar de uma Igreja exageradamente centrada na autoridade e ação do clero para uma Igreja sinodal e missionária, na comunhão e participação ativa de todos os seus membros”.

A parte mais substantiva chega à afirmação de que “as diferentes comunidades diocesanas acreditam que a participação, corresponsabilidade e sinodalidade não são ainda efetivamente praticadas na Igreja”. A ausência dessas práticas – diz o Relatório – “tem consequências na forma como se vive e se perceciona a Igreja”, o que é ilustrado através de uma listagem de aspetos de carga negativa, que caraterizariam a Igreja.

Entre esses aspetos surgem as afirmações de ser “pouco inclusiva e acolhedora, discriminando quem não está integrado ou não vive de acordo com a moral cristã”; uma Igreja que “tem dificuldade em fazer caminho com os jovens”, os quais, por sua vez, acham que ela tem uma “mentalidade retrógrada e desajustada dos tempos em que vivemos”.

“Demasiado hierárquica, clerical, corporativa, pouco transparente, estagnada e resistente à mudança” são caraterísticas que o documento atribui à Igreja, a qual dá mais importância à sua imagem do que à segurança da comunidade, como ocorreu e ocorre com os abusos sexuais.

Por outro lado é criticada a pouca abertura para debater de forma “aberta e descomplexada a possibilidade de tornar opcional o celibato dos sacerdotes e a ordenação de homens casados e das mulheres” e presa a um modelo que “concebe o humano a partir do masculino”.

O texto refere também aquilo que designa por “ambiguidade” relativamente a movimentos dentro da Igreja, valorizando os que fazem uma “experiência espiritual”, mas não têm em conta a “comunhão” e o diálogo com o mundo.

A “igualdade de mulheres e homens na missão” é também apontada como carecendo de reconhecimento, o que é visível nos processos de tomada de decisão e escolha de lideranças, considerado “pouco transparente e inclusivo”, com cargos ocupados por pessoas com posições vitalícias.

A formação dos presbíteros apresenta deficiências, segundo o Relatório dos bispos, desde logo, “para lidar com os problemas humanos da vida contemporânea”, para o trabalho em equipa, para responder aos desafios das questões de género e para que sejam homens do seu mundo e do seu tempo, com uma dimensão humana, espiritual e social”.

A assunção das causas da ecologia integral e a defesa da Casa Comum como um imperativo; a atenção à “solidão social” dos jovens no “planeta digital”; a adaptação aos ritmos e às exigências da família de hoje; e a insuficiência do diálogo ecuménico e com a sociedade são outras tantas limitações e desafios apontados na síntese nacional.

A este ‘prato da balança’ dos aspetos negativos, a síntese opõe a seguir, como que a contrabalançar, um conjunto de aspetos positivos. Desde logo, “a Igreja é tida globalmente como uma instituição credível, presente nos locais onde ninguém ousa ir e solidária com os mais desfavorecidos, a quem presta assistência, mesmo quando falham todas as outras respostas sociais”.

Além da dimensão socio-caritativa que “confere à Igreja uma visão positiva aos olhos da sociedade”, o documento sublinha “o papel relevante nas áreas da educação, saúde e apoio à terceira idade, e a sua presença humanizadora nos momentos mais difíceis na vida de um indivíduo, acompanhando-o no luto e gestão da dor”.

O episcopado dá já por seguro um assunto de atualidade que tem estado nas primeiras páginas dos órgãos de informação, a saber, o dos abusos: “reconheceu-se também que, ao assumir e corrigir os erros do passado, como no caso dos abusos de menores, a Igreja continua a ser uma referência positiva no seio da sociedade”.

E é neste seguimento de aspetos a sublinhar o ‘prato positivo’ da balança, que surge um parágrafo em que se diz “Dado o desafio lançado pela Santa Sé, que nos pede uma avaliação profunda sobre a Igreja e propostas de mudança, não podemos deixar de notar que a visão atual da Igreja é, pois, marcada por uma imagem maioritariamente desfavorável”, em decorrência do ponto em que se anotaram os aspetos negativos.

Considerando-os “áreas onde a conversão é urgentemente pedida”, o Relatório avança com preocupações que passam, a título exemplificativo, por “uma Igreja de portas abertas, que abrace a diversidade e acolha todos, excluindo as atitudes discriminatórias que deixam à margem a comunidade LGBTQIA+ e os divorciados recasados”; “uma Igreja que dê voz às minorias e estabeleça um diálogo com as periferias, sobretudo, aos que estão mais próximos de nós, denunciando a pobreza e apoiando os pobres, valorizando o que é essencial a uma vida digna e dando maior atenção aos recursos do planeta”.

De seguida, fazem-se múltiplas sugestões que vão de encontro – e procuram ser tópicos para as respostas – aos aspetos negativos atrás enunciados. Exemplos possíveis: participação, transparência e rigor nas formas de decisão e gestão; interconhecimento de movimentos e grupos nas comunidades paroquiais e inter-paróquias; exigências na formação e exercício do ministério de presbítero; atenção à comunicação e à linguagem; participação dos leigos e, particularmente, das mulheres na vida e nas instâncias de decisão da Igreja, entre outros.

Uma orientação enunciada na parte final da síntese, a que vale a pena prestar atenção, diz respeito ao papel que pode vir a ter a Conferência Episcopal Portuguesa na consolidação da consciência sinodal, “dando continuidade a esta dinâmica de caminhada conjunta, com linhas pastorais programáticas… para toda a Igreja em Portugal, programa este delineado a partir da escuta das dioceses que, por sua vez, escutam as suas comunidades”.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This