Católicos, protestantes e judeus contra “perigo real” do racismo nos EUA

| 1 Jun 20

George Floyd; I cant't breath; Racismo; EUA; pintura em Mafra

Pintura em Mafra, com a frase “I can’t breathe” (“Não posso respirar”), repetida várias vezes por George Floyd enquanto o polícia o asfixiava. Foto © Clara Raimundo/7MARGENS.

 

Enquanto os protestos se sucedem nas ruas, somam-se também as reações das mais diversas Igrejas e confissões representadas nos Estados Unidos, na sequência do homicídio do afro-americano George Floyd. Todas são unânimes em reconhecer que o racismo é um “perigo real” no país e é necessário ter a coragem de enfrentá-lo, de uma vez por todas.

“Não podemos fechar os olhos diante desta atrocidade, mas sim professar respeito por toda a vida humana”, afirmam os presidentes de sete comissões da Conferência Episcopal norte-americana (USCCB), católica, enfatizando que o racismo no país “não é coisa do passado ou simplesmente uma questão política que se ‘usa e deita fora’ quando convém. É um perigo real e atual que deve ser encarado de frente”.

Na sua declaração, os bispos católicos expressam “dor, desgosto e indignação por mais um vídeo que mostra um afro-americano morto diante dos nossos olhos”, manifestam solidariedade para com as comunidades negras do país “compreensivelmente indignadas” e pedem uma investigação que faça justiça à vítima, apelando ainda a que os protestos contra o que se passou sejam pacíficos.

Também o arcebispo local, Bernard Anthony Hebda, publicou uma nota no site da diocese, referindo-se à morte de Floyd como um acontecimento “comovente e profundamente perturbador”, um verdadeiro “murro no estômago”. “Especialmente neste momento em que a fragilidade humana ficou evidenciada pela pandemia de covid-19, somos chamados a respeitar o valor e a dignidade de cada indivíduo, quer se tratem de civis que precisam de proteção, quer de agentes das forças de ordem encarregados de propiciar essa proteção”, sublinhou.

 

“Não é suficiente limitarmo-nos a palavras, pensamentos e orações”

Na perspetiva da Pax Christi, movimento católico internacional ao serviço da paz, “a morte de George Floyd – e a morte de tantas pessoas de cor ano após ano – mostrou-nos que a vida dos negros não importa no país”. Face a isto, “a tarefa da Igreja deve ser a de estar na linha da frente para mudar essa realidade e afirmar que a vida deles é importante”.

O comunicado do movimento é incisivo: “Não é suficiente limitarmo-nos a palavras, pensamentos e orações. A Igreja deve falar de forma corajosa e inequívoca a todos os níveis contra o pecado do racismo, presente em todos os aspetos da vida nos Estados Unidos, e contra o flagelo da brutalidade policial”.

Reconhecendo que são necessárias medidas concretas para derrotar o racismo e construir uma sociedade antirracista, “incluindo combater a cultura policial que apoia a supremacia branca e trabalhar para desmantelá-la”, a Pax Christi EUA encoraja os seus membros a apoiar os movimentos das pessoas de cor, salientando que o “silêncio dos brancos” e o seu “afastamento dos movimentos pela justiça” podem contribuir para que o racismo, em todas as suas formas, perdure.

A declaração do Conselho Nacional de Igrejas dos EUA (que reúne protestantes, anglicanos e evangélicos) vai no mesmo sentido, sublinhando que “a supremacia branca” está “muito difundida” na sociedade morte-americana. “Ainda não há vacina contra o racismo. (…) Ainda não há cura”, lamentam no seu comunicado.

Já entre as comunidades judaicas, o sentimento é de “cansaço” e “frustração”. Isaiah Rothstein, rabi responsável por uma comunidade multirracial em Hazon, foi um dos judeus que falou ao jornal Jewish News sobre o ambiente que se vive neste momento no país.

“Os meus antepassados têm um longo historial de dor por serem discriminados e oprimidos. Nestes momentos, às vezes é difícil processarmos e interiorizarmos o que está a acontecer, mas são momentos em que se espera de nós que nos levantemos e revoltemos, por isso todos os dias tento fazer ouvir a minha voz”, explica. E deixa algumas pistas: “Gostaria que cada comunidade tivesse uma plataforma educativa para discutir as questões raciais”, de forma a compreendermos “as perspetivas ao longo da história, através do conhecimento do passado, e assim criarmos uma ponte mais forte e mais saudável para o futuro”.

 

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Já só faltam €875 para alcançarmos a meta dos €15.000 que vos propusemos como objetivo para esta campanha de recolha de fundos em favor do 7MARGENS. Estamos muito perto de chegarmos ao montante desejado, mas, tal como na maratona, os últimos metros são sempre os mais difíceis!

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Leigo nomeado líder pastoral de paróquia alemã

Pela primeira vez, foi atribuída a um leigo a gestão pastoral de uma paróquia, por decisão da diocese de Münster, na Alemanha. A medida, aplicada à paróquia de St. Georg en Saerbeck, surge na sequência da saída do pároco anterior e da impossibilidade de o substituir, devido ao reduzido número de padres, avança o jornal ABC.

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão novidade

O Governo do Sudão prossegue o seu programa de reformas ao código penal do país, tendo anunciado que vai eliminar a pena de morte por apostasia (neste caso, a recusa por parte dos cristãos em converter-se ao islamismo) e despenalizar o consumo de álcool para os mesmos. A criminalização da mutilação genital feminina irá também avançar, depois de ter sido aprovada no passado mês de maio.

É notícia

Entre margens

Oração do silêncio novidade

O cristianismo tem uma longuíssima experiência da oração silenciosa ou meditação ou contemplação ou oração de Presença ou do Coração que, no Ocidente, se foi esfumando até quase desaparecer. O Concílio Vaticano II exprimiu a importância desta oração nos leigos, mas não pegou muito. Agora, surgem livros sobre o assunto e há mais prática desta oração. Há um livro que achei muito interessante: Pequeno Tratado da Oração Silenciosa, de Jean-Marie Gueullette, OP (2016, Paulinas Editora).

A sustentável leveza do jugo de Jesus

É incontestável o facto de que cada um de nós experimenta, uns mais do que outros e de formas variadas, o peso da vida. E esse peso manifesta-se de múltiplas maneiras, seja a depressão e solidão, a tensão e a ansiedade, a angústia e medo, a dor e a hostilidade. Carregamos até, voluntariamente ou não, os pesos de outros.

Desafia-te a viver positiva(mente)!

Assim, viver positivamente deverá impulsionar-nos a transcender essa visão ontológica do ser humano que tende a acentuar mais aquilo que é negativo ou que não funciona, procurando antes focar o olhar naquilo que cada circunstância oferece como aprendizagem, caminho necessário à mudança e ao crescimento, assim como naquilo que no mundo e no ser humano há de melhor.

Cultura e artes

Hagia Sophia, música de uma sublime respiração novidade

“Lost Voices of Hagia Sophia” (“Vozes perdidas da Divina Sabedoria”) é um disco ideal para tempos em que nos confinamos a viver afectos e contactos de forma receosa, com uma proposta inédita: recriar digitalmente o som daquela que já foi basílica e mesquita (a partir de 1453), hoje (ainda) monumento património da humanidade e que uma decisão do actual presidente turco pretende voltar a tornar mesquita.

Filmar o desejo como quem pinta

Retrato da Rapariga em Chamas é um filme magnificamente feminino que coloca ao espectador – talvez ainda mais ao espectador crente – algumas questões que dão que pensar. Penso que não é um filme ideológico a fazer a apologia da homossexualidade feminina ou do aborto, mas um retrato sofrido, sobretudo das três protagonistas.

Ennio Morricone na liturgia católica em Portugal

Embora músico semi-profissional – pertencia então à Equipa Diocesana de Música do Porto, presidida pelo padre doutor Ferreira dos Santos – desconhecia por completo, em 1971, quem era Ennio Morricone: sabia apenas que era o autor de uma balada cantada por Joan Baez, que ele compusera para o filme Sacco e Vanzetti (1971). Não me lembro como me chegou às mãos um vinil com essa música. Também não tinha visto o filme e não sabia nada dos seus protagonistas que hoje sei tratar-se de dois anarquistas de origem italiana condenados à cadeira eléctrica nos Estados Unidos, em 1927, por alegadamente terem assassinado dois homens…

Um exercício lento e sólido de teologia bíblica

No deserto pleno de ruídos em que vivemos – de notícias e conferências, de estradas engarrafadas e redes sociais saturadas –, é possível ver surgirem vozes de pensamento, de sabedoria sobre o que nos rodeia e nos habita. As páginas deste livro constituem uma dessas vozes. Cabe-nos escutá-la.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco