Católicos têm obrigação de combater o antissemitismo, defendem bispos alemães

| 20 Jul 20

O ex-presidente da Conferência Episcopal Alemã, cardeal Marx, diz que os católicos “não podem olhar para o lado outra vez”. Foto © Klaus D. Wolf/Erzbischöfliches Ordinariat München

“Não podemos olhar para o lado outra vez.” A frase é uma referência à atitude de muitos católicos durante o Holocausto e foi escrita pelo cardeal Reinhard Marx, arcebispo de Munique e Freising (Alemanha), numa carta que assinala os 70 anos do Conselho Central de Judeus, celebrados este domingo, 19 de julho.

Na carta dirigida a Josef Schuster, presidente da instituição criada na Alemanha cinco anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, o ex-presidente da Conferência Episcopal Alemã é perentório: “Não apenas como cidadãos, mas também como cristãos, temos a obrigação de nos opormos aos preconceitos em relação aos judeus e levantar-nos contra os ataques anti-judaicos”, avança o Novena News.

“Podem ter a certeza de que a Igreja Católica continuará a apoiar-vos na luta contra o antissemitismo”, escreveu, por seu lado, o atual presidente da Conferência de Bispos da Alemanha, Georg Bätzing, para quem os “ataques aos judeus são ataques à nossa democracia e à nossa coexistência”.

Na carta enviada a Josef Schuster, Bätzing reconhece que as “vozes judaicas” têm desempenhado um “papel importante” no “desenvolvimento da cultura democrática do país”, chamando a atenção para “os grupos e correntes extremistas e antissemitas”, que infelizmente estão “a aumentar”.

O bispo de Limburg assegura que um dos seus objetivos é aprofundar a “cultura de diálogo entre cristãos e judeus” e saúda a “vitalidade intelectual e espiritual do judaísmo na Alemanha”, recordando que o Conselho Central de Judeus fundou recentemente novas sinagogas, uma faculdade de estudos judaicos e dois seminários.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

O outro sou eu

Há tanto que me vem à cabeça quando penso em Jorge Sampaio. Tantas ocasiões em que o seu percurso afetou e inspirou o meu, quando era só mais uma adolescente portuguesa da primeira geração do pós-25 de Abril à procura de referências. Agora, que sou só uma adulta que recusa desprender-se delas, as memórias confundem-se com valores e os factos com aspirações.

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação”

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Cultura e artes

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

Cinema

Um machado, uma mulher e um cão

Se gosta de cinema e ainda for a tempo, não deixe de ver o filme de Pedro Almodóvar A Voz Humana. É uma curta-metragem (cerca de 30 minutos), complementada por uma entrevista muito interessante e esclarecedora com o realizador e a actriz, Tilda Swinton.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This