Celebração ecuménica em Berlim assinalou 75 anos do fim da II Guerra Mundial

| 8 Mai 2020

Celebração ecuménica em Berlim assinalou 75 anos do fim da II Guerra Mundial

| 8 Mai 20

Catedral de Berlim, reflexo no rio Spree

A catedral de Berlim e o seu reflexo no rio Spree. Foto © Ansgar Koreng/Wikimedia Commons

 

A catedral luterana de Berlim acolheu esta sexta-feira, 8 de maio, uma celebração especial: para assinalar o 75º aniversário do fim da II Guerra Mundial e da libertação do regime nazi, os representantes das diferentes confissões religiosas na Alemanha uniram-se numa oração pela paz, de onde saiu um desejo comum: “Nunca desistir da reconciliação.”

Na celebração ecuménica, estiveram presentes o presidente da Conferência Episcopal Alemã (católica), Georg Bätzing, o presidente do Conselho da Igreja Evangélica (luterana) na Alemanha, Heinrich Bedford-Strohm, e o presidente da Associação das Igrejas Cristãs na Alemanha, Radu Constantin Miron. Devido à pandemia de covid-19, a celebração não foi aberta ao público.

Perto da catedral, no Memorial às vítimas da guerra e do totalitarismo nazi, o mais importante do país, o Presidente alemão, Frank-Walker Steinmeier, e a chanceler Angela Merkel colocaram coroas de flores.

Na semana passada, o bispo Georg Bätzing havia já discursado a propósito da importância deste dia, sublinhando que só recentemente os alemães começaram verdadeiramente a celebrá-lo.

“Por toda a Europa, o dia 8 de maio de 1945 tem sido recordado durante décadas como um dia de alegria e entusiasmo. Nós, os alemães, por outro lado, lutámos durante muito tempo com esta data. Foi o dia da rendição. Foi o dia da derrota”, afirmou o presidente da Conferência Episcopal Alemã. “No entanto, com a distanciar dos acontecimentos, os alemães foram percebendo cada vez melhor que o 8 de maio foi um dia de libertação para nós também. Nós também fomos libertados: dos horrores da guerra, da opressão nazi e do assassinato em massa”, concluiu.

Também o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, prestou homenagem aos milhões de mortos na II Guerra Mundial. Numa mensagem vídeo publicada no portal da ONU, Guterres diz que “nunca devemos esquecer o Holocausto e os outros crimes graves e horrendos cometidos pelos nazis“. Mesmo durante a crise de covid-19, “vemos novos esforços para dividir as pessoas e espalhar o ódio”, acrescenta. “Vamos lembrar as lições de 1945 e trabalhar juntos para acabar com a pandemia e construir um futuro de paz, segurança e dignidade para todos”, afirma.

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Judeus na Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo

Estudo revela

Judeus na Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo novidade

O mais recente relatório da Agência da União Europeia para os Direitos Fundamentais (FRA) não deixa margem para dúvidas: o antissemitismo cresceu nos últimos cinco anos e disparou para níveis sem precedentes desde o passado mês de outubro, o que faz com que os judeus a residir na Europa temam pela sua segurança e se sintam muitas vezes obrigados a esconder a sua identidade judaica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras

Contra a obrigação de repetir denúncias

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras novidade

Vários sobreviventes de abusos sexuais no seio da Igreja Católica expressaram, junto da presidência da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), o seu descontentamento quanto ao “método a utilizar para realizar as compensações financeiras”, dado que este obriga todas as vítimas que pretendam obtê-las a repetirem a denúncia que já haviam feito anteriormente.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This