Cabo Delgado

Centenas de mulheres e crianças raptadas e obrigadas a casar, escravizadas ou vendidas

| 8 Dez 21

trafico humano foto liia galimzianova (1200 x 900 px)

De acordo com a Human Rights Wath, as vítimas de Cabo Delgado terão servido a rebeldes para fornecer redes de tráfico de mulheres que se estendem da Europa ao Golfo Pérsico. Foto © Liia Galimzianova.

 

Mais de 600 mulheres e crianças foram raptadas em Cabo Delgado, Moçambique, durante os últimos três anos. Algumas foram obrigadas a casar com os sequestradores, outras foram escravizadas e vítimas de abuso sexual, outras ainda foram vendidas por valores entre os 550 e 1.600 euros, revelou esta terça-feira, 7, a organização não-governamental Human Rights Watch (HRW).

Segundo relatos de sobreviventes à HRW, na aldeia de Diaca uma mulher foi obrigada, sob a ameaçada de uma metralhadora, a indicar aos rebeldes as casas onde moravam raparigas. Por entre cerca de 200 meninas com idades entre 12 e 17 anos, estes escolheram quem queriam sequestrar, enquanto as mães imploravam para que as levassem a elas próprias e deixassem as crianças e jovens para trás.

Mas os homens armados diziam que não queriam as mais velhas e investigações indicam porquê: as vítimas de Cabo Delgado terão servido a rebeldes para fornecer redes de tráfico de mulheres que se estendem da Europa ao Golfo Pérsico. “Mulheres e meninas estrangeiras sequestradas, em particular, foram libertadas depois de as famílias pagarem resgates”, acrescenta a organização.

Mausi Segun, diretor para África da HRW, renova agora os apelos, dirigidos aos líderes dos grupos rebeldes, para “libertarem todas as mulheres e meninas em cativeiro”, e às autoridades moçambicanas, para que deem um tratamento adequado às vítimas.

 

“Roma, temos um problema” – e este livro ajuda a entendê-lo

Abusos sexuais na Igreja

“Roma, temos um problema” – e este livro ajuda a entendê-lo novidade

Roma, Temos um Problema pode ser apresentado em quatro partes, assumidas aliás pela organização que o autor lhe dá: um primeiro levantamento histórico; uma segunda parte sobre casos marcantes a nível internacional, incluindo alguns pouco conhecidos; e uma terceira parte sobre os casos portugueses até agora vindos a público. Em síntese, faz-se uma descrição e análise de causas e consequências sobre o que aconteceu em 20 séculos de história do cristianismo (sobretudo ocidental).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma Teofania nos corações humanos

Uma Teofania nos corações humanos novidade

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal. A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This