Cabo Delgado

Centenas de mulheres e crianças raptadas e obrigadas a casar, escravizadas ou vendidas

| 8 Dez 2021

trafico humano foto liia galimzianova (1200 x 900 px)

De acordo com a Human Rights Wath, as vítimas de Cabo Delgado terão servido a rebeldes para fornecer redes de tráfico de mulheres que se estendem da Europa ao Golfo Pérsico. Foto © Liia Galimzianova.

 

Mais de 600 mulheres e crianças foram raptadas em Cabo Delgado, Moçambique, durante os últimos três anos. Algumas foram obrigadas a casar com os sequestradores, outras foram escravizadas e vítimas de abuso sexual, outras ainda foram vendidas por valores entre os 550 e 1.600 euros, revelou esta terça-feira, 7, a organização não-governamental Human Rights Watch (HRW).

Segundo relatos de sobreviventes à HRW, na aldeia de Diaca uma mulher foi obrigada, sob a ameaçada de uma metralhadora, a indicar aos rebeldes as casas onde moravam raparigas. Por entre cerca de 200 meninas com idades entre 12 e 17 anos, estes escolheram quem queriam sequestrar, enquanto as mães imploravam para que as levassem a elas próprias e deixassem as crianças e jovens para trás.

Mas os homens armados diziam que não queriam as mais velhas e investigações indicam porquê: as vítimas de Cabo Delgado terão servido a rebeldes para fornecer redes de tráfico de mulheres que se estendem da Europa ao Golfo Pérsico. “Mulheres e meninas estrangeiras sequestradas, em particular, foram libertadas depois de as famílias pagarem resgates”, acrescenta a organização.

Mausi Segun, diretor para África da HRW, renova agora os apelos, dirigidos aos líderes dos grupos rebeldes, para “libertarem todas as mulheres e meninas em cativeiro”, e às autoridades moçambicanas, para que deem um tratamento adequado às vítimas.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This