Centenas evocam os 45 anos do assassinato do Padre Max e Maria de Lurdes

| 2 Abr 21

padre Max e Maria de Lourdes

O padre Max e Maria de Lourdes, assassinados a 2 de abril de 1976, perto de Vila Real. Foto: Direitos reservados.

Nos 45 anos que passam sobre o atentado à bomba que vitimou o Padre Maximino Barbosa de Sousa (conhecido como Padre Max) e a estudante Maria de Lurdes Correia, algumas centenas de personalidades de diversos quadrantes divulgaram, neste dia 2 de abril, uma carta aberta para lhes prestar tributo e sublinhar a atualidade das causas por que lutaram.

Foi no mesmo dia em que a Assembleia da República aprovava a Constituição que resultou do 25 de Abril e plasmou os seus valores fundamentais – 2 de abril de 1976 – que Max e Maria de Lurdes foram abatidos e silenciados. Dedicavam parte do seu tempo à promoção cultural de trabalhadores na freguesia da Cumieira, Vila Real, através de aulas noturnas. Nessa noite, depois da aula, meteram-se no carro. Uma outra pessoa da terra ainda apanhou boleia umas centenas de metros. Mal saiu e a viagem prosseguiu, deu-se a explosão.

“O assassinato de Max e Lurdes trouxe um repúdio tal que desencadeou um autêntico movimento de democratização cujas raízes ainda perduram”, refere a carta aberta. Esta iniciativa foi lançada por Luís Fazenda, dirigente do Bloco de Esquerda, em fevereiro último, através de um artigo no Público.

O atentado, que o Tribunal atribuiu à organização terrorista e fascista MDLP, nunca teve autores morais e materiais reconhecidos judicialmente, pelo que os criminosos e o crime ficaram até hoje impunes.

“Em memória de pessoas que tão vilipendiadas foram, durante muitos anos, pelo escol brutal do passadismo, daqui subscrevemos o apelo: não vos mataram, semearam-vos!”, nota o texto no seu epílogo.

Sobre a atualidade do que então se passou – ponto alto de uma onda de ataques marcadamente de extrema-direita – o ex-deputado e membro do Conselho de Estado Luís Fazenda sublinha, em declarações à TSF, que “há o aparecimento de preconceitos e de teorias de racismo e xenofobismo que estão associados a esses fenómenos de extrema-direita”, teorias que é preciso combater “para defender os valores republicanos”, adianta.

Para Fazenda, o padre Max “foi um símbolo da luta contra a extrema-direita e também para os jovens de hoje, que continuam a acalentar os sonhos do desenvolvimento do interior contra o esquecimento”.

carro em que seguiam Maximino de Sousa e Maria de Lourdes

O carro em que seguiam Maximino de Sousa e Maria de Lourdes, depois do atentado. Foto: Direitos reservados.

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação”

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação” novidade

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

‘Caminho Minhoto Ribeiro’ reconhecido pelos arcebispos de Braga e Santiago

Em ano Xacobeo

‘Caminho Minhoto Ribeiro’ reconhecido pelos arcebispos de Braga e Santiago novidade

A cidade de Braga foi palco, nesta sexta-feira, 17, da declaração oficial de reconhecimento do Caminho Minhoto Ribeiro por parte dos arcebispos de Braga e de Santiago de Compostela, depois de esse processo ter decorrido já por parte das autarquias do lado português e galego. Na conferência que decorreu em Braga, cidade que é ponto de partida dos dois itinerários que compõem este Caminho, foi igualmente feita a apresentação da investigação documental que fundamenta este novo percurso, a cargo do professor e historiador galego Cástor Pérez Casal.

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror novidade

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

A votar, a votar!

[Segunda leitura]

A votar, a votar! novidade

“Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro que ouvi isto na passada terça-feira, dia 14 de setembro. Assim mesmo, sem tirar nem pôr, na abertura de um noticiário na rádio: “Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This